HOJE É O DIA DO CENTENÁRIO de Luis Alonso Perez, o Lula, nascido na 4ª feira, 22 de fevereiro de 1922. Primeiro técnico brasileiro bicampeão da Libertadores e do Mundial de clubes em 62-63, ele dirigiu o Santos durante 12 anos consecutivos, em escalas pelo mundo, com aulas itinerantes da escola de bola de um gênio chamado Pelé. De 1954 a 1966, Lula: 943 jogos, 619 vitórias, 38 títulos.

PADEIRO E MOTORISTA DE TÁXI, Lula entrou no Santos aos 27 anos, em 1949, para ser subdiretor do futebol amador, e no mesmo ano de 1952, em que passou a técnico dos amadores, assumiu a equipe principal, com a saída de Aymoré Moreira. O Santos venceu o São Paulo por 1 x 0, em amistoso no sábado, 14 de junho, no Pacaembu, ele foi técnico em mais cinco jogos, e voltou a treinar os amadores.

Lula, com o Rei Pelé.

VITÓRIA HISTÓRICA DO SANTOS, a 1ª no Maracanã, no 1º jogo oficial de Lula, no sábado, 5 de junho de 1954, por 3 x 2 no Botafogo pelo Rio-São Paulo, o grande torneio da época. Santos 1 x 0, gol de Tite. No 2º tempo, Botafogo 2 x 1, Dino e Garrincha, e Santos 3 x 2, Joel e Tite. O Santos havia sofrido seis derrotas Botafogo 2 x 1, Bangu 3 x 2, Vasco 3 x 1, Fluminense 3 x 2, Flamengo 3 x 2 e América 2 x 1.

O TIME DA 1ª VITÓRIA DE LULA, no 2-3-5 da época: Manga, Helvio e Feijó; Urubatão, Formiga e Zito; Joel, Walter, Alvaro, Vasconcelos (Hugo) e Tite. O Botafogo: Amauri, Tomé e Floriano; Arati, Bob e Juvenal; Garrincha, Dino, Carlyle, Jaime (Neivaldo) e Vinícius. Público: 5.905 pagantes. Árbitro: Carlos de Oliveira Monteiro, que só era tratado pelo apelido de Tijolo porque morava no bairro de Olaria.

LULA GANHOU COM O SANTOS os Rio-São Paulo de 59, 63, 64 e 66. Os Campeonatos Paulistas de 55, 56, 58, 60-61-62, 64-65. As Libertadores e os Mundiais de clubes de 62-63. Os torneios internacionais foram 12, com destaque para os dois no Parque dos Príncipes. No de 1960, 4 x 1 na final com o Racing – Coutinho (2), Pelé e Pepe -, e no de 1961, 6 x 3 no Benfica, pela 1ª vez campeão da Europa, 15 dias antes.

SANTOS DE LULA 4 x 0, com Lima, Pelé, Coutinho e Pepe, que fez 5 x 0 com 1 minuto do 2º tempo. Bela Guttmann, técnico húngaro, campeão paulista de 57 com o São Paulo, lançou Eusébio, aos 19 anos, que fez três gols, e Pelé fechou os 6 x 3. O Benfica seria base da seleção, e Eusébio, o artilheiro da Copa de 66, em que Portugal ficou em 3º, sua melhor classificação, dirigido pelo carioca Oto Glória. 

LULA SEMPRE PRIORIZOU o futebol ofensivo: “O time pode sofrer quatro gols, mas se fizer cinco, o torcedor vai sair feliz” – disse ele ao comentar os 6 x 3 da final do Torneio de Paris de 61: “Um jogo com Dorval, Mengálvio, Coutinho, Pelé e Pepe sempre vai ter muito gol”, lembrando que o ataque do Benfica também era excelente: José Augusto, Santana (Eusébio), Águas, Coluna e Cavém.

Um desenho feito na 5ª feira, 12 de novembro de 1962, pelo gênio Pablo Picasso com dedicatória em francês ao técnico, que trata como amigo.

LULA DAVA DE OMBROS quando diziam que ele jogava as camisas para o alto no vestiário e quem as pegasse jogava. Preferia pôr na conta de uma brincadeira que fazia parte do folclore do futebol. Além de Pelé, Coutinho, que viu em Piracicaba e levou para a Vila Belmiro, Clodoaldo e outros notáveis, Lula também promoveu Del Vecchio e Pagão, ídolo de Chico Buarque, artilheiros notáveis.

LULA TEVE AMIGOS ESPECIAIS, entre eles Pablo Picasso – 1881 – 1973 -, pintor, escultor, cenógrafo, poeta e dramaturgo espanhol, que viveu a maior parte de seus 91 anos na Costa Azul francesa. Figura marcante da arte do século XX, Picasso ofereceu a Lula cinco gravuras, ao recebê-lo em sua casa de Mougins, no Sul da França. 

Lula, com os filhos Luis e Marcos.

PABLO PICASSO FOI O 1º ARTISTA VIVO, ao completar 90 anos em 1971, a ter suas obras expostas na grande galeria do Louvre, o maior museu de arte do mundo e monumento histórico de Paris. Admirador de Lula e do futebol do Santos, Picasso visitava a delegação, sempre que o Santos ia a Paris, e ganhou de Lula a camisa 10, autografada por Pelé, pelos jogadores e por ele.

CASADO COM YVETE Simões Alonso, esposa e mãe exemplar, Lula teve Luis, Marcos e Leonor, que formavam o quarteto de sua paixão. O filho Marcos sempre lamentou que o pai nunca tenha sido convidado a dirigir a seleção, estranhando a preferência da CBD (hoje CBF) pelos técnicos cariocas. Lula morreu na 5ª feira, 15 de junho de 1972, aos 50 anos, devido às complicações de um transplante de rim.

Os filhos de Lula, Marcos, com Pelé; Luis, entre Pepe e Pagão, e o técnico de 38 títulos.

Fotos: Terceiro Tempo, Acervo Histórico do Santos FC, ESPN e Gazeta Press