Athletico Paranaense e Botafogo somam 12 jogos sem vitória – 7 do Athletico, 5 do Botafogo -, depois do 1 x 1 ruim para os dois, na abertura da nona rodada do Campeonato Brasileiro, no início da noite de ontem (9), na Arena da Baixada, em Curitiba. O Botafogo ampliou seu próprio recorde de empates, agora com seis, e chegou só aos nove pontos, com uma vitória, uma derrota e saldo negativo de um gol (7 a 8). O Athletico, com oito pontos em oito jogos, completou o sétimo jogo sem vencer.

QUINTO ANULADO – O Botafogo suportou a pressão inicial forte do Athletico, equilibrou o primeiro tempo e aos 44 teve o gol de Bruno Nazario anulado por impedimento de Caio Alexandre, o quinto gol anulado do time em oito jogos. Seria o sétimo de Bruno Nazario, artilheiro do time com seis gols em 2020. Paranaense de 25 anos, ele foi campeão da Copa Sul-Americana de 2018 e da Copa do Brasil de 2019 pelo Athletico, e emprestado pelo Tombense ao Botafogo, até o final de 2020.

ESCAPOU NO FIM – O lateral Vitor Luis fez o gol do Botafogo aos 35 do segundo tempo, convertendo pênalti de Alvarado em Rhuan, que entrou pouco antes no lugar de Khalou, apagado. O atacante Ravanelli empatou aos 43, com assistência de Geuvanio, e o Botafogo escapou da segunda derrota aos 45, quando Nikão chutou por cima da trave o pênalti, toque do zagueiro Forster. Um minuto depois, um chute forte de Geuvanio explodiu no travessão do Botafogo, e o jogo acabou 1 x 1.

10 EMPATES – Paulo Autuori assumiu o time em 12 de fevereiro de 2020 e completou 18 jogos, com o décimo empate, seis vitórias e duas derrotas, em sua sexta passagem pelo Botafogo desde 1986. É o técnico que ganhou o último título de campeão brasileiro do clube, em 1995, vencendo o Santos no Maracanã e empatando no Pacaembu. Aos 64 anos, treinador mais velho do atual campeonato, o carioca Paulo Autuori passará a ser o coordenador geral do futebol, quando o clube se tornar S/A.

12 ANOS – O Botafogo completou doze anos sem vencer o Athletico, em Curitiba. A última vitória foi em 3 de agosto de 2008, nove anos após a inauguração da Arena da Baixada: 3 x 0, gols de Lucio Flavio, de pênalti, Jorge Henrique e Tulio. O time era dirigido por Ney Franco e ganhou com Renan, Tiaguinho, Renato Silva, André Luis (Edson) e Zé Carlos; Leandro, Diguinho, Tulio (Luciano Almeida) e Lucio Flavio (Lucas); Gil e Jorge Henrique.

ATHLETICO – Santos, Jonathan (Khellven), Aguilar, Tiago Heleno e Marcio Azevedo; Erick (Ravanelli), Lucho Gonzalez (Alvarado) e Leo Cittadini (Christian); Nikão, Bissoli e Fabinho (Geuvanio). Técnico – Eduardo Barros, de 35 anos, paulista de Campinas. Com 8 pontos em 9 jogos, o Athletico não saiu do décimo sexto lugar, com 2 vitórias, 5 derrotas, 2 empates, saldo negativo de três gols (7 a 10), e faz o clássico de mais rivalidade do estado, com o Coritiba, sábado (12), na Arena da Baixada.

BOTAFOGO – Diego Cavalieri, Kevin, Benevenuto, Forster, Kanu e Vitor Luis; Otavio (Renteria), Caio Alexandre e Bruno Nazario; Mateus Babi e Kalou (Rhuan), que jogou de uniforme branco. Técnico – Paulo Autuori. Com 9 pontos em 8 jogos – 1 vitória, 1 derrota, 6 empates, saldo negativo de 1 gol (7 a 8) -, o Botafogo faz o clássico da décima rodada com o Vasco, domingo (13), no estádio Nilton Santos, no bairro do Engenho de Dentro, na Zona Norte.

SÓ UM CARTÃO -O árbitro Vinícius Dias Araújo, de 42 anos, da Federação Paulista, teve boa atuação, facilitada pelo bom nível disciplinar dos times. O único cartão amarelo que aplicou foi logo aos 10 minutos, advertindo o veterano meia argentino Lucho Gonzalez, de 39 anos, do Athletico, por falta dura em Caio Alexandre.

Foto: Diário do Nordeste