Escolha uma Página

MARROCOS FOI A 1ª SELEÇÃO DA ÁFRICA a vencer e a marcar dois gols no Brasil, com os 2 x 1 no amistoso da noite deste sábado (25), diante de 65 mil torcedores, no estádio Ibne Battuta, da cidade portuária de Tânger, terceira maior do Marrocos. O Brasil perdeu os 100% de aproveitamento, depois de sete vitórias em sete jogos.

TRÊS MESES APÓS A ELIMINAÇÃO para a Croácia, nas quartas de final da Copa de 2022 no Catar, onde completou cinco Copas sem Copa, a seleção perdeu o primeiro jogo de 2023, dirigida pelo interino Ramon Menezes, técnico da seleção sub-20. O 4º lugar do Marrocos em 2022 foi o melhor da África em 22 Copas do Mundo.

O BRASIL TEVE GOL de Vinicius Junior bem anulado por impedimento aos 25, e quatro minutos depois, o meia parisiense Sofiane Boufal, franco-marroquino de 26 anos, que joga no Al-Rayyan, do Catar, abriu o placar, aproveitando falha do zagueiro Militão. Foi o 7º gol que marcou em 40 jogos pela seleção desde 2016.

O BRASIL EMPATOU com o 7º gol de Casemiro em 70 jogos pela seleção desde 2011, aos 22 minutos do 2º tempo. O chute rasteiro de fora da área não foi forte, mas o goleiro Bono falhou. O gol da vitória histórica do Marrocos foi o 2º em 7 jogos do meia-atacante Sabiri, de 26 anos, do Ascoli, emprestado à Sampdoria de Gênova.

O BRASIL UTILIZOU as cinco substituições, e as três primeiras foram simultâneas, saindo Andrey, Rony e Rodrygo, e entrando Raphael Veiga, Antony e Vítor Roque aos 19 do 2º tempo, com leve melhora no rendimento. Nada acrescentaram, Yuri Alberto, no lugar de Paquetá aos 40, e Arthur, na vaga de Emerson, aos 47 minutos.

O AMISTOSO teve alguns momentos tensos, com faltas duras e reclamações, e o árbitro tunisino Sadok Selmi, de 38 anos, fez três advertências com cartões amarelos, o único do Brasil do estreante Rony, por falta comum. Quando estava 1 x 0, Rodrygo isolou a assistência de cabeça de Rony aos 34 do 1º tempo.

WEVERTON, Emerson (Arthur), Militão, Ibañez e Alex Telles; Casemiro (c), Andrey (Raphael Veiga) e Paquetá (Yuri Alberto); Rony (Antony), Rodrygo (Vitor Roque) e Vinicius Jr. Técnico – Ramon Menezes, ex-meia de 50 anos. A seleção da primeira derrota do Brasil para uma seleção da África.

BONO, Hakimi (Attyiat Allah), Saiss, Aguerd e Mazraoui; Ambarat (c), Ounahi (Sabiri) e Khannouss (Louza); Ziyech, Boufal ( (Ezzalzouli) e En-Nesyri (Cheddira). Técnico – Walid Regragui, ex-lateral de 47 anos. A primeira seleção da África a marcar dois gols e a vencer a seleção brasileira, neste sábado, 25 de março de 2023.

MARROCOS 2 x 1 BRASIL foi paralisado por cinco minutos, aos 28 do 2º tempo, por um pique de energia elétrica no estádio Ibne Battuta, da cidade de Tânger, terceira maior do Marrocos. Alguns jogadores da seleção brasileira reclamaram da incidência de laser usado pelos torcedores, o que prejudica a visão.

FOI O 41º JOGO DO BRASIL com seleções da África, com 36 vitórias, 4 empates e a primeira derrota, 21 gols marcados e 4 sofridos. Em Copa do Mundo, 1974 – 3 x 0 no Zaire, hoje Congo; 1986 – 1 x 0 na Argélia; 1994 – 3 x 0 em Camarões; 1998 – 3 x 0 no Marrocos; 2006 – 3 x 0 em Gana; 2010 – 3 x 1 na Costa do Marfim, e em 2014 – 4 x 1 em Camarões.

DEPOIS DE 33 ANOS, o Brasil perdeu o primeiro jogo depois de uma Copa do Mundo, o que não acontecia desde a eliminação da Copa de 90, na derrota para a Argentina, em Turim, por 1 x 0, gol de Claudio Caniggia. Desde 94 e nas sete Copas seguintes, até 2018, o Brasil ganhou cinco jogos e empatou dois.

OS SETE JOGOS PÓS-COPA sem derrota: 1994 – 2 x 0 na Iugoslávia; 1998 – 1 x 1 com a Iugoslávia; 2002 – 3 x 2 na Coreia do Sul; 2006 – 1 x 1 com a Noruega; 2010 – 1 x 0 nos Estados Unidos; 2014 – 1 x 0 na Colômbia; 2018 – 2 x 0 nos Estados Unidos. Agora, em 2023, a primeira derrota no primeiro jogo após a Copa 2022: Marrocos 2 x 1 Brasil.

VITOR ROQUE, atacante mineiro da cidade de Timóteo, a 196 km de Belo Horizonte, o mais jovem a fazer gol pelo Athletico Paranaense no Campeonato Brasileiro, aos 17 anos e 3 meses, campeão sul-americano e artilheiro da seleção sub-20, tornou-se o mais jovem a estrear na seleção principal, aos 18 anos e 25 dias. Antes dele, Diego Ribas, então no Santos, estreou em 2003 aos 18 anos e 61 dias.

O BRASIL SÓ APROVEITOU uma data Fifa de março, no jogo que perdeu para o Marrocos, por ainda não ter o técnico que será contratado até a Copa de 2026. O presidente da CBF espera utilizar as datas Fifa, de 12 a 26 de junho, para os dois próximos jogos da seleção, e não confirma o nome do preferido, embora o do italiano Carlo Ancelotti, do Real Madrid, seja o mais citado.

Foto: Bahia On , Diário de Goiás