Campeões mundiais de 94 – Taffarel, Jorginho, Aldair, Mauro Silva, Marcio Santos e Branco. Agachados – Mazinho, Romário, Dunga (cap), Bebeto e Zinho.

Quando Thiago nasceu em San Pietro Vernotico, em Brindisi, na região da Puglia, então com 15 mil habitantes, a 561 km de Roma, o pai Mazinho tinha 25 anos e jogava na Lecce, primeiro time na Europa, em 90-91, depois de campeão brasileiro em 89 no Vasco. Hoje, 11 de abril de 2020, Thiago Alcântara completa 29 anos e está em sua sétima temporada no octacampeão alemão Bayern de Munique, após cinco anos no Barcelona.

THIAGO ALCÂNTARA formou-se na base do Barcelona, de 2005 a 2008, quando se profissionalizou e foi promovido por Guardiola, técnico do time principal, depois de quatro anos no infantil do Flamengo e do CFZ, de 2001 a 2005. A estreia no Barcelona, aos 18 anos, em 17/5/2009, foi no intervalo do jogo com o Mallorca, no Camp Nou, substituindo o islandês Eiour Guojohnson

PRIMEIRO GOL – Thiago finalizou 2000-2010 com três gols e três assistências em 17 jogos, firmando-se titular em 2011, o que lhe valeu a renovação de contrato até 2015, com cláusula rescisória de 90 milhões de euros. Ele havia feito o primeiro gol em 20/2/2010 nos 4 x 0 no Racing Santander, no Camp Nou, ganhando de Messi o primeiro abraço. Após quatro temporadas e seis títulos no Barcelona, transferiu-se para o Bayern de Munique.

GUARDIOLA – Pela segunda vez, o técnico espanhol do Manchester City, atual bicampeão inglês, entrou na carreira de Thiago, pedindo ao Bayern que o contratasse. Em 14/7/2013, o Bayern pagou 25 milhões de euros – 74 milhões de reais – e ele assinou até 2017. Thiago sofreu lesão no joelho em março de 2014 e só pôde voltar em abril de 2015. O contrato foi renovado em junho de 2017 até o final da temporada 2019-2020, que não se sabe quando termina.

16 TÍTULOS – Thiago, campeão espanhol 2010-11 e 2012-13; campeão da Liga dos Campeões, do Mundial de clubes, da Supercopa da Europa em 2010-11 e da Copa do Rei da Espanha 2011-12. Thiago, seis vezes consecutivas campeão alemão, de 2013-14 a 2018-19; três vezes campeão da Copa da Alemanha; campeão mundial de clubes em 2013 e duas vezes campeão da Supercopa da Alemanha. Mazinho tem muito orgulho do herdeiro.

MAZINHO COM VASCO E PALMEIRAS NO CORAÇÃO

Mazinho, pai de Thiago, Rafinha e Thaísa, fez 54 anos na última quarta (8). Titular dos seis jogos do tetra, vestiu pela última vez a camisa da seleção na final de 17 de julho de 1994 com a Itália, cinco anos depois da estreia, em 1989, campeão da Copa América, que o Brasil não ganhava há 40 anos. Foram 24 vitórias em 40 jogos, em que manteve, nas laterais e no meio-campo, o equilíbrio e a regularidade em sua bela carreira profissional.

TRISTEZA – A alegria de muitas vitórias e títulos não evitou que Mazinho tivesse uma grande tristeza, quando Américo Faria, supervisor que conviveu anos com ele, até o último jogo, dissesse que seus filhos Thiago e Rafinha não poderiam ser convocados, por não terem sido formados no Brasil: “Confesso que sofri uma grande tristeza. Não fiquei aborrecido, magoado nem revoltado, mas senti uma grande tristeza”.

O PRÊMIO – Mazinho recorda que a Copa de 94, quarta e penúltima que o Brasil ganhou, deu muito prestígio, mas o retorno financeiro foi muito aquém do esperado: “Ganhamos 80 mil dólares como prêmio pelo título. Tirando imposto, não sobrava nada. Não dava nem para comprar um apartamento de dois quartos na Zona Sul do Rio“. Com boa visão, Mazinho investiu bem o que ganhou na carreira de dezesseis anos, de 1985 a 2001.

MAZINHO confessa ter no coração os dois times brasileiros em que jogou, o Vasco – 17 gols em 232 jogos, de 85 a 90 – e o Palmeiras – 127 jogos, 2 gols, de 92 a 94. No Vasco, bicampeão carioca 87-88 e campeão brasileiro 89. No Palmeiras, bicampeão paulista 93-94 e campeão brasileiro 93. Mazinho recorda: “O ambiente era muito bom no Vasco e no Palmeiras, todos da seleção, sem frescura. Toda semana a gente se reunia para o churrasco”.

EUROPA – Mazinho jogou onze anos na Europa: 60 jogos na Itália – Lecce (39) e Fiorentina (21) – e 217 jogos na Espanha – Valencia (71), Elche (17), Alavés (15) eCelta (114), ídolo em Vigo, onde é sempre lembrado. O último time de Mazinho, em 2001, foi o Vitória, de Salvador, que defendeu em 15 jogos. Ambidestro, jogou bem nas laterais e no meio-campo. Fez poucos gols, mas deu muitas assistências. Seus lançamentos e cruzamentos eram sob medida.

MAZINHO nasceu Iomar do Nascimento, em 8/4/1966, em Santa Rita, região metropolitana de João Pessoa, a 11 km da capital do estado da Paraíba. É o caçula de sete irmãos, e além de Thiago, do Bayern, e Rafinha, do Celta de Vigo, tem a caçula Thaísa, que joga basquete no Celta. Valéria, a mãe dos três e ex-mulher de Mazinho, foi jogadora de vôlei do Fluminense.

Fotos: Trivela, Terra, JC UOL, Lance, El Pais, MaisPB e Pinterest