O Corinthians ganhou neste domingo de Páscoa, diante do público recorde de 46.481 pagantes, em sua moderna e luxuosa Arena Itaquera, o trigésimo título de campeão paulista, tornando-se o único quatro vezes tricampeão estadual, pela segunda vez desde que a implantação do profissionalismo, que coincidiu com a do futebol carioca, em 1933. O Corinthians tem mais títulos estaduais que São Paulo e Palmeiras (22) e o Santos (21). Renda na Arena Corinthians R$5.014.884,00.

VOLTA VITORIOSA – Fabio Carille dirigiu o Corinthians no bicampeonato 2017 e 2018, quando saiu para o Al-Wehda, da Arábia Saudita, voltando em 2019 para ser tricampeão. Paulistano de 45 anos – 26/9/73 -, canhoto, foi zagueiro e lateral de equipes modestas de 92 a 2007, quando começou como assistente-técnico e assumiu quando Tite foi para a seleção. Após a conquista deste domingo (21), Carille resumiu: “Se sou competente, não sei. Mas tenho certeza de que sou muito abençoado”.

GOL DO TÍTULO – Foi do carioca Vagner Love, de 34 anos – 11/6/84 -, 1,71m, o gol da vitória (2 x 1) do quarto tri da história do Corinthians. Começou no Bangu, onde nasceu, treinou no Vasco e terminou a formação de base no Palmeiras, onde se tornou profissional em 2002. Jogou na Rússia, duas vezes campeão pelo CSKA Moscou, China, França e Turquia, de onde voltou em 2019. Artilheiro do Campeonato Carioca de 2015 pelo Flamengo, com 15 gols, marcou até hoje 274 gols em 529 jogos.

O RECORDISTA – O goleiro Cassio, de 31 anos, 1,96m, canhoto, gaúcho de Veranópolis, tornou-se neste domingo de Páscoa, em que foi o capitão do time, o recordista de títulos (9) do Corinthians, superando, entre outros, os meias Marcelinho Carioca e Danilo, que ganharam 8. Cassio Ramos começou no Grêmio – 2005 a 2007 -, foi do PSV e do Sparta (Holanda) e é titular do Corinthians desde 2012. Na conquista do tricampeonato, neste domingo (21), completou 407 jogos, recorde no clube.

OS CAMPEÕES – Cassio (cap), Fagner, Manoel, Henrique (Pedro Henrique, 31 do segundo tempo) e Danilo Avelar; Ralf, Ramiro, Pedrinho (Vagner Love, 21 do segundo tempo) e Sornoza; Clayson e Gustavo (Boselli, 28 do segundo tempo). Danilo Avelar fez 1 x 0 de cabeça, após escanteio de Sornoza e com assistência de Ralf, de cabeça, e Antony empatou no minuto final com chute da entrada da área. No segundo tempo, aos 44, com lançamento de Sornoza, Vagner Love marcou o gol do tricampeonato.

INVENCIBILIDADE – Corinthians 2 x 1 São Paulo foi o décimo primeiro jogo entre os times na Arena Corinthians, inaugurada na Copa do Mundo de 2014. O São Paulo ainda não conseguiu ganhar do Corinthians, que venceu oito dos onze jogos, registrando-se três empates. O São Paulo, que trocou quatro vezes de técnico desde o final do Brasileiro de 2018, amarga jejum de seis anos sem título e chegou aos 14 anos sem conquistar o Campeonato Paulista.

OSVALDO BRANDÃO – No momento em que o Corinthians festeja o tricampeonato, é bom lembrar da figura extraordinária de Osvaldo Brandão – 1916 – 1989 -, gaúcho de Taquara, técnico que mais dirigiu o Corinthians: 435 jogos. Campeão do IV Centenário de São Paulo (1954), depois acabou com o jejum de 24 anos, quando o time voltou a ser campeão em 1977. Brandão foi também o técnico que classificou a seleção brasileira, em 1957, para ganhar no ano seguinte a primeira Copa do Mundo.

TÉCNICOS CARIOCAS – Além de Jair Ventura, o mais recente, o Corinthians teve outros técnicos cariocas que deixaram a marca do bom trabalho. Entre outros, Osvaldo Oliveira – do primeiro título mundial de clubes, na final de 2000 no Maracanã com o Vasco -, Evaristo de Macedo, Vanderlei Luxemburgo, Jairo Leal, Ademar Braga e Carlos Alberto Parreira. Apesar de algumas vezes convidado, Zagallo não pôde aceitar, e só tempos depois foi para a Portuguesa, único time paulista que dirigiu.

REENCONTRO – Com tempo curto para as comemorações do tricampeonato, o Corinthians volta à sua Arena, no bairro de Itaquera, na zona leste da capital paulista, quarta (24), para o segundo jogo com a Chapecoense, pela Copa do Brasil. Com a derrota no jogo de ida (1 x 0) o time precisa ganhar por dois gols ou decidir nos pênaltis, se vencer só por um gol. A estreia no Brasileirão 2019 será domingo (28), na Arena Fonte Nova, em Salvador, com o Bahia.

Foto: Marcos Ribolli