Alegra-me registrar os 31 anos hoje, 10 de abril de 2020, de Everton Ribeiro, o jogador mais lúcido do Flamengo. É um conceito que tenho do futebol inteligente que ele joga, sem individualismo, sempre para o time. Com nível técnico bem acima da média, posicionamento correto,  passes e finalizações com rara precisão. Seu desempenho se baseia na eficiência, em muita simplicidade e discrição, sem o ridículo de alguns que gostam de se exibir.

A MELHOR – Desde a estreia, em 25 de junho de 2017, em Salvador, quando deu a assistência para o gol do colombiano Berrio, no 1 x 0 sobre o Bahia, levando o Flamengo ao terceiro lugar do Brasileirão, Everton Ribeiro mostrou ter sido a melhor contratação do Flamengo, que adquiriu 100% dos direitos econômicos, por modestos seis milhões de euros pagos ao Al Ahli, na época o equivalente a 22 milhões de reais.

GOL DO ANO – Com certeza, a atuação de Everton Ribeiro, com dois gols, em 25 de novembro de 2018, no Mineirão, foi das mais primorosas. O lance da caneta no lateral Egídio e o gol no ângulo, nos 2 x 0 no Cruzeiro, valeram o prêmio de gol do ano do Brasileirão. Everton Ribeiro havia saído em 2015, bicampeão do Cruzeiro, mantendo o respeito aos torcedores, que o aplaudiram pela atuação e pelos gols.

CINCO TÍTULOS – A qualidade do futebol de Everton Ribeiro está registrada nos três títulos – Carioca, Brasileiro e Libertadores – de 2019, e nos dois da abertura de 2020 – Recopa Sul-Americana e Supercopa do Brasil -, em que voltou a se destacar como figura da mais alta importância. No Flamengo, desde 2017, 26 gols em 173 jogos, com atuações sempre do mais elevado nível técnico.

BOM DIZER – O bom retrospecto de Everton Ribeiro não é recente. Em 2007, aos 18 anos, foi campeão da Copa São Paulo e logo promovido ao time titular do Corinthians por Paulo Cesar Carpegiani, único técnico do Flamengo campeão da Libertadores e do Mundial de clubes no mesmo ano (1981), campanhas que cobri como repórter. Everton Ribeiro saiu do Corinthians para o Coritiba, em fevereiro de 2011, por 1.300 mil reais.

DUAS FINAIS – Com atuações excepcionais de Everton Ribeiro, o Coritiba chegou, pela primeira vez, a duas finais consecutivas da Copa do Brasil. Em 2011, perdeu (1 x 0) para o Vasco, campeão, no Rio, mas ganhou (3 x 2) em Curitiba. Em 2012, o Coritiba voltou a decidir a Copa do Brasil, perdendo (2 x 0) para o Palmeiras, em São Paulo, e 1 x 1, em Curitiba.

ELOGIO FIFA – Em 2013, o Cruzeiro pagou 4 milhões de reais ao Coritiba. Everton Ribeiro ganhou elogio no portal da FIFA pelo gol que fez nos 2 x 1 no Flamengo, no Mineirão, em 21 de agosto. Ele deu lençol no marcador, e antes que a bola tocasse no gramado, finalizou. O Cruzeiro o homenageou com uma placa no estádio. Everton Ribeiro foi campeão mineiro invicto, campeão brasileiro com quatro rodadas de antecedência e a Bola de Ouro 2013.

BICAMPEÃO – O sucesso de Everton Ribeiro e do Cruzeiro continuou em 2014. O Cruzeiro foi bicampeão brasileiro, com 2 x 1 no Goiás, faltando duas rodadas, e Everton Ribeiro, craque do campeonato. Em 31 jogos fez seis gols e teve participação direta em 25% dos 67 gols que o Cruzeiro marcou em 38 jogos. Em fevereiro, ele trocou a camisa azul 17 do Cruzeiro pela 8 vermelha do Al Ahli, dos Emirados Árabes, que pagou 15 milhões de euros. 

SELEÇÃO – Na carreira de Everton Ribeiro, 595 jogos, 104 gols, 129 assistências. Campeão sul-americano sub-20 em 2009, foi convocado pela primeira vez para a seleção principal em 2014, pelo técnico Dunga, para os amistosos com Colômbia e Equador. Participou da Copa América 2015 no Chile, e em março foi convocado por Tite para os primeiros jogos das eliminatórias para a Copa de 2022, com Bolívia e Peru, que serão reprogramados.

FAMÍLIA – Everton Augusto de Barros Ribeiro, ariano de 10 de abril de 1989, 1,74, canhoto, é de Arujá, no Alto Tietê, região metropolitana de São Paulo, a 41 km da capital. Casado com Marília, Everton Ribeiro é pai de Baby Guto, como o filho, que vai completar dois anos em maio, é tratado carinhosamente pelos pais e pelos avós, Américo e Rita de Cássia, pais do camisa 7 do Flamengo.

Fotos: CBF, Edson Aipim/AgNews,