Nesta terça, 10 de setembro de 2019, faz 75 anos que aconteceu fato único na história do Campeonato Carioca, que entrou no profissionalismo em 1933. Botafogo e Flamengo jogavam na tarde ensolarada do domingo, 10 de setembro de 1944, no estádio de General Severiano lotado, na época com capacidade para 20 mil torcedores

JUROU VINGANÇA – O Botafogo havia sido goleado (4 x 1) no jogo turno, na Gávea, e jurou vingança. Fez 2 x 1 no primeiro tempo, gols de Heleno e Valsecchi, e Jaime para o Flamengo. Na volta do intervalo, devolveu os 4 x 1 com os gols de Valter e Heleno, e Jarbas fez o segundo do jogo, mas, em seguida, Geninho marcou o quinto do Botafogo.

INÍCIO DA HISTÓRIA – Os jogadores do Flamengo pediram anulação porque a bola não entrou, mas o árbitro Aristides Figueira confirmou o gol de Geninho, dizendo que a bola, após bater no travessão, caiu depois da linha, dentro do gol. Criou-se a confusão, e em poucos minutos, seguindo a ordem dos diretores Francisco AbreueMarino Machadotodos os jogadores do Flamengo sentaram em campo

A ESPERA E AS VAIAS – Esgotado o tempo de espera de 15 minutos, com os jogadores do Flamengo permanecendo sentados, o árbitro apitou e deu o jogo por encerrado. Ao se levantarem e caminharem na direção do vestiário, saíram muito vaiados. Na súmula, o árbitro confirmou o gol de Geninho, aos 31 minutos, e o resultado final Botafogo 5 x 2 Flamengo. O Tribunal da então Federação Metropolitana de Futebol homologou.

PERDEU JOGO E RENDA – Na época, em qualquer estádio, a renda era dividida. Os dirigentes do Flamengo reclamaram durante toda a semana e ficaram ainda mais irritados, porque além de perder o jogo e a metade da renda, todos os jornais passaram a chamar o clássico de Jogo do Senta. Entre os torcedores, estava Domingos da Guia, zagueiro notável, que havia saído do Flamengo para o Corinthians, após o bi 42-43.

O Flamengo foi tricampeão carioca, pela primeira vez, em 42-43-44. O técnico era Flávio Costa, que já havia dirigido o time campeão de 1939. O time tinha jogadores notáveis, destacando-se o que na época se chamava de linha média – Biguá, Bria e Jaime – e um atacante fantástico comAgustin Valido, Zizinho, Pirilo, Perácio e  Vevé (Jarbas). O argentino Valido fez o gol do título (1 x 0) na final com o Vasco, no estádio da Gávea.

COMEÇO DE TUDO – Os pesquisadores e os botafoguenses mais antigos, entre eles o saudoso amigo Luis Roberto Porto, jornalista brilhante, dizem que o Jogo do Senta foi o começo de tudo em termos de rivalidade. O auge foi em 15 de novembro de 72, dia dos 77 anos do Flamengo, que levou 6 x 0, no Maracanã, pelo Campeonato Brasileiro. A forra do Flamengo, que devolveu os 6 x 0, foi em 8 de novembro de 1981, pelo Campeonato Carioca.

BOM LEMBRAR – Nos 6 x 0 do Botafogo, três gols de Jairzinho, dois gols do argentino Rodolfo Fischer e um gol de Ferreti. Nos 6 x 0 do Flamengo, dois gols de Zico, Nunes, Lico, Adílio e Andrade, da entrada da área, faltando três minutos para o jogo acabar.

VIROU LIVRO – Anos depois, o jornalista botafoguense Paulo Cesar Guimarães, professor de jornalismo, lançou “Jogo do Senta: a verdadeira origem do chororô”, com prefácio de Luis Roberto Porto, por sua vez, autor de “Botafogo: 101 anos de histórias, mitos e superstições”. Porto foi meu colega na Rádio Nacional e depois atuou na ESPN Brasil.

Foto: ESPN