OS TORCEDORES DO SENEGAL não pararam de batucar no Estádio Internacional do Khalifa, em Doha, antes e depois da vitória da noite desta 3ª feira (29) sobre o Equador por 2 x 1. A seleção se classificou em 2º do Grupo A para o mata-mata das oitavas de final com a Inglaterra, 1ª do Grupo B, ao vencer o País de Gales (3 x 0).

SENEGAL ESTREOU em Copa do Mundo com vitória sobre a França por 1 x 0, no jogo isolado de abertura, 6ª feira, 31 de maio de 2002, no estádio Sangam, em Seul. Foi a primeira Copa na Ásia e em dois países, Coreia do Sul e Japão. O gol foi do volante Papa Bouba Diop, aos 30 minutos, que virou ídolo por ser o 1º do Senegal em Copa.

O ÍDOLO DO SENEGAL foi homenageado no jogo desta 3ª feira (29), com cartazes com sua foto e por centenas de torcedores com a camisa 19, número que ele usou em 63 jogos e marcou 11 gols, entre 2001 e 2008. Papa Diop jogou na Suíça, França, Inglaterra e Grécia, e morreu em 2020, aos 42 anos, de esclerose lateral amiotrófica.

NA BRAÇADEIRA do zagueiro Koulibaly, capitão da seleção, além do número 19, foi também colocada uma foto do rosto de Papa Bouba Diop. Os torcedores saíram às ruas da capital Dacar e de todas as cidades para comemorar. A lingua oficial é o francês e o lema do Senegal é Un peuple, un but, une foi (Um povo, uma meta, uma fé”.

Senegaleses lotam as ruas da capital.

OS GOLS DO SENEGAL na vitória sobre o Equador por 2 x 1 foram de jogadores que atuam na Inglaterra. O ponta Ismaila Sarr, de 24 anos, do Watford, 4º entre os 24 da Série B, marcou de pênalti aos 44 do 1º tempo, e o zagueiro Koulibaly, de 25 anos, do londrino Chelsea, 8º da Premier League, fez o da vitória aos 25 do 2º tempo.

SENEGAL x INGLATERRA, domingo (4), será mais um jogo inédito na história das 22 Copas do Mundo. As seleções só se enfrentaram na categoria sub-23, em dois jogos no Torneio de Toulon e um jogo na Copa Quatro Nações. O técnico Gareth Southgate admitiu o favoritismo da Inglaterra, mesmo sem ter visto Senegal jogar.

O EQUADOR participou pela quarta vez da Copa do Mundo, e antes da derrota para o Senegal, havia vencido na estreia o Catar por 2 x 0 e empatado o segundo jogo com a Holanda em 2 x 2. O técnico argentino Gustavo Julio Alfaro, ex-meia de 60 anos, assumiu a seleção em agosto de 2020 e entregou o cargo após a eliminação.

A MAIOR REPERCUSSÃO da eliminação foi no Chile, que acusou o Equador de escalar o ponta Byron Castillo com documentação falsa em oito jogos das eliminatórias, mas a Fifa não acolheu. Os jornais chilenos La Cuarta e Meganotícias usaram a eliminação em tom de deboche: “Já se foram?”

HOLANDA ABRE O MATA-MATA

A HOLANDA venceu nesta 3ª feira (29) o Catar por 2 x 0 e se classificou em 1º no Grupo A, em sua 11ª participação. Os holandeses fazem o jogo de abertura do mata-mata das oitavas de final com os Estados Unidos, 2º do Grupo B, sábado (3). A Holanda foi vice em 74, 78 e 2010, e 3º em 2010 ao vencer o Brasil por 3 x 0.

NO GRUPO A, os holandeses venceram o Senegal e o Catar por 2 x 0 e empataram em 1 x 1 com o Equador. No Grupo B, depois de 1 x 1 com o País de Gales e 0 x 0 com a Inglaterra, os Estados Unidos ficaram em 2º com a única vitória, nesta 3ª (29), sobre o Irã por 1 x 0, gol do atacante Christian Pulisic, que joga no londrino Chelsea.

ESTADOS UNIDOS 1 x 0 IRÃ foi marcado por muitas gentilezas no estádio Al Thumama, incluindo o clima amigável dos jogadores e dos torcedores, que o árbitro espanhol Antonio Mateu Lahoz fez questão de registrar na súmula do jogo, assistido por 42.127. O Irã não conseguiu chegar às oitavas em sua sexta Copa.

HAVIA TENSÃO por parte dos jogadores iranianos, sob ameaça do governo de tortura e até de morte, caso não tivessem bom comportamento, principalmente durante a execução do hino nacional. O Irã vive dias de muitos protestos, incluídos os que reivindicam o fim da repressão às mulheres.

OS TÉCNICOS Gregg Berhalter, ex-zagueiro de 49 anos, e Carlos Queirós, ex-goleiro de 69 anos, trocaram cumprimentos e sorrisos pouco antes do jogo, em nível técnico razoável, com os norte-americanos bem superiores e merecendo até placar mais amplo. Das 24 faltas, 10 foram do Irã.

Fotos: R7, Jornal do Comércio, e Goal