DIFERENTE DO FLAMENGO, que tem torcida e não tem estádio, o River Plate iniciará em março as obras de ampliação do Monumental de Nuñez, em Buenos Aires, que será o maior da América do Sul, passando dos atuais 72.054 para 81 mil lugares. Vai superar os 80 mil do Estádio Monumental de Lima, no Peru, e os 78.838 do Maracanã, o maior do mundo até 2007, com o recorde de 183.341 pagantes, em Brasil 1 x 0 Paraguai, em 31 de agosto de 1969. 

O MONUMENTAL DE NUÑEZ foi inaugurado em 25 de maio de 1938, na festa dos 37 anos do River, com vitória por 3 x 1 em amistoso com o Peñarol. Em 1958, com a venda do meia Omar Sívori para a Juventus, as obras da arquibancada, em forma de ferradura, foram concluídas com 100 mil lugares. Com a Copa do Mundo de 1978, a FIFA pediu e a capacidade foi reduzida para 76.600, com quase todos os torcedores sentados, em 9 dos 38 jogos.

NA COPA DE 1978, ÚNICA QUE A ARGENTINA promoveu e primeira que ganhou, a abertura Alemanha 0 x 0 Polônia e a final de 25 de junho, Argentina 3 x 1 Holanda, foram os jogos mais relevantes. Mas a decisão do 3º lugar, Brasil 2 x 1 Itália, figurou entre os mais disputados, e registrou o gol mais bonito, o da vitória da seleção brasileira, marcado pelo lateral-direito carioca Nelinho, então no Cruzeiro, em primorosa cobrança de falta, com muito efeito, no ângulo.

O RIVER GANHOU 3 DAS 4 LIBERTADORES em seu estádio, em 86 e 96, derrotando o América de Cali, e em 2015 vencendo o Tigres do México. A de 2018, com 3 x 1 no Boca, foi ganha no Santiago Bernabeu, estádio do Real Madrid, na única final da Libertadores realizada na Europa, devido à falta de segurança em Buenos Aires, provocada por conflito de torcedores. Bom dizer: próximo ao Rio da Prata, o estádio do River é chamado de Monumental de Nuñez, mas fica no vizinho Belgrano, também um bairro nobre da bela capital argentina.

Foto: Divulgação