ANTES E ACIMA DE TUDO, A NOVA GESTÃO DO CRUZEIRO NÃO TRATOU FÁBIO com o respeito que o profissional com mais de 17 anos de história no clube merecia. Pelo contrário, foi tratado com indiferença e frieza, como se fosse descartável. A proposta para que a dívida de mais de R$10 milhões, que tem a receber, ficasse com o clube e não com a empresa que está assumindo, é indecorosa. Fábio fez muito bem em não aceitar.

FÁBIO TAMBÉM AGIU CERTO EM REJEITAR a proposta da nova gestão para que deixasse o clube após o Campeonato Mineiro, com final marcado para 3 de abril. Tudo o que ele queria, como deixou bem claro, era encerrar com a dignidade que sempre teve ao longo de uma carreira decente e correta, tanto que aceitou a redução de salário. Os 976 jogos e os 12 títulos, resumem bem o que Fábio deixou marcado no Cruzeiro, com o reconhecimento dos torcedores.

A DEMONSTRAÇÃO DE SOLIDARIEDADE, que recebeu nesta 5ª feira (6), na Praça Sete, marco zero de Belo Horizonte, foi outra prova clara do sentimento de insatisfação dos torcedores. O futebol, como tudo na vida, pode passar por mudanças, que nem sempre significam evolução. Os novos gestores do Cruzeiro estão iniciando mal e precisam rever conceitos. Fábio foi tratado com desrespeito, injustiça e grosseria, que um profissional de nível tão elevado não merece.

Foto: Correio Brasiliense