BEM DIFERENTE do que houve na Argentina, a festa do Marrocos pelo 4º lugar histórico na Copa de 2022, nesta 3ª feira (20) foi movimentada, mas tranquila. Os jogadores e o técnico foram saudados desde o desembarque no aeroporto de Rabat, capital e segunda maior cidade do país, até o Palácio Real de Mechouar.

NO TRAJETO DE 9 quilômetros, muitos aplausos e a bandeira nacional agitada, aos gritos repetidos de Maghreb (nome árabe do Marrocos), com vários torcedores sem conseguir conter as lágrimas. O presidente Fauzi Lekjaa, da Federação Marroquina de Futebol, mostrava toda a felicidade, sorrindo e acenando o tempo todo.

COM A ESCOLTA da Guarda Real, o técnico Walid Regragui, que se tornou herói nacional, ao levar a seleção ao 4º lugar da Copa do Mundo, pela primeira vez na história do futebol da África, foi o primeiro a ser condecorado com a medalha de honra, entregue pelo Rei Mohamed VI.

O ZAGUEIRO E CAPITÃO Romain Saiss, de 32 anos, titular da seleção desde 2012, ofereceu à família do Rei Mohamed VI uma bola e uma camisa autografadas pelos jogadores e o técnico, e as réplicas da taça do 4º lugar e da própria Copa. A família real destacou estar vivendo momentos felizes com a glória do futebol marroquino.

O TÉCNICO Walid Regragui, de 47 anos, ex-lateral, nascido na França, tem o dom de saber motivar. Um momento marcante na solenidade foi quando ele cerrou os punhos, disse e repetiu a plenos pulmões: “Tahalaa bialayman” (Tenha fé, em árabe), ao falar que Marrocos foi 4º em 2022 e pode ser campeão do mundo em 2026.

A SELEÇÃO DE MARROCOS terá pouco tempo de descanso. Na segunda quinzena de janeiro começará a disputar as eliminatórias da Copa Africana das Nações, que será realizada entre janeiro e fevereiro de 2024. Dia 19 os marroquinos jogarão em casa com o Sudão e dia 23 serão visitantes no jogo com Gana, na capital Acra.

Foto: FADEL SENNA/AFP, Divulgação