O TIME NÃO ESTÁ BEM, MAS O ARTILHEIRO EDU, da Série B, com 16 gols, está em alta, e viveu uma noite diferente, na décima vitória, ontem (15), por 3 x 1, de virada, sobre o Remo, no estádio Augusto Bauer, em Brusque, a cidade dos tecidos, no belo Vale do Itajaí, em Santa Catarina. Carioca de 28 anos, formado no Vasco, clube do coração da família, ia a todos os jogos em São Januário, levado pelo pai Eduardo, e vibrou com muitas vitórias, com belos gols de Romário. 

DOIS MINUTOS – O visitante Clube do Remo, de Belém, foi superior no primeiro tempo e fez 1 x 0, gol do volante Pingo, de cabeça, aos 14 minutos. Edu liderou o Brusque na volta do intervalo e a virada veio em dois minutos, com os gols do zagueiro Luisão aos 11 e do meia Tiago aos 13. Faltava o dele e o artilheiro demorou, mas não falhou, marcando o terceiro, de cabeça, nos acréscimos, aos 49 minutos, o que serviu para completar o alívio, em jogo de muito desgaste, provocado pelo campo pesado, porque chove todos os dias em Brusque há três semanas.

DOIS PÊNALTIS – Estava 1 x 1 quando Edu não aproveitou a chance da virada e de ampliar a vantagem na artilharia. O goleiro Tiago Coelho, de 26 anos, 1,86m, defendeu o pênalti que ele bateu colocado, mas sem muita força. A volta por cima veio nos acréscimos, com o gol que marcou de cabeça aos 49, e com o pênalti que defendeu aos 55, ao ser improvisado, depois que o técnico Waguinho Dias havia feito as cinco substituições. O goleiro Ruan Carneiro cometeu o pênalti e saiu de ambulância, após o choque em que bateu a cabeça com Rafael Jansen, e Edu terminou como goleiro.

INTUIÇÃO – O artilheiro revelou boa intuição como “goleiro”, para defender o pênalti batido pelo experiente meia-atacante gaúcho Felipe Gedoz, de 28 anos, um dos artilheiros remistas. Edu havia batido no canto esquerdo o pênalti que o goleiro Tiago Coelho defendeu, e disse ter tido a intuição de que a bola seria chutada por Felipe Gedoz do seu lado esquerdo, e se deu bem. Saltou no momento certo, defendeu e foi sufocado pelos abraços dos companheiros. O técnico não perdeu a chance de fazer a graça: “Pensei que tivesse só um artilheiro, mas tenho também um bom goleiro”.

REPETECO – O próximo jogo do Brusque é com o Botafogo, quarta (20), no estádio Nilton Santos, e o artilheiro Edu diz que quer o repeteco, da noite de ontem (15) e do jogo do turno, no sábado, 17 de julho, em que o Brusque ganhou de virada (2 x 1): “Como no jogo com o Remo, saímos perdendo por 1 x 0 (gol de Diego Gonçalves), mas viramos com o gol do Tiago e com o que marquei no finalzinho. Só espero que na próxima quarta não precise ter que defender pênalti”…

HISTÓRICO – Só uma vez campeão catarinense (1992, invicto), é a quarta vez do Brusque na Série B, após 97, 2008 e 2015. Os brusquenses sempre lembram da final da Série D de 2019, na Arena da Amazônia, com recordes de renda e público: R$1.192.010,00 (44.896 pagantes), com ingresso ao preço médio de 26 reais. Depois de ida e volta 2 x 2 com o Manaus, o Brusque venceu nos pênaltis (6 a 5), na primeira final de Campeonato Brasileiro com uma árbitra, Edina Alves da Silva, paranaense de 39 anos. Um mês depois, ela seria a primeira brasileira a apitar uma semifinal da Copa do Mundo feminina: Estados Unidos 2 x 1 Inglaterra, dia 18 de julho, em Lyon, na França.

Foto: Lucas Gabriel Cardoso/Brusque