A ENTRADA DURA de Daniel Alves no tornozelo de Pedro, no segundo treino com bola no CT da Juventus, em Turim, não só levou os jornais italianos ao registro, mas também a um pedido de desculpa ao atacante da seleção brasileira. Durante 2019-20, em sua curta temporada na Fiorentina, Pedro foi alvo de críticas bem pesadas.

POR NÃO TER FEITO gol nem dado assistência, em quatro jogos pela Viola, como a Fiorentina é tratada, pela cor violeta da camisa, Pedro entrou na seleção dos piores da temporada, ganhando o prêmio depreciativo “Bidone d’oro” (A leixeira de oro). Antes, Rivaldo, Felipe Melo e Gabriel, seu atual companheiro de time, ganharam.

A CRÍTICA MUDOU desde o primeiro treino (2ª feira, 14), em que Pedro fez gol de letra, e os jornais italianos se referiram à importância da participação do atacante nas conquistas recentes. Em setembro de 2019, Pedro saiu do Fluminense para a Fiorentina, que o emprestou ao Flamengo em janeiro de 2020.

O ANO PROVEITOSO fez com que o Flamengo exercesse o direito de compra por 14 milhões de euros, então R$87 milhões. Pedro tornou-se importante, com gols e assistências, sendo o único do Flamengo a marcar quatro gols em um jogo da Libertadores. Não haverá surpresa alguma em que seja estrela da seleção na Copa.

FAVORITOS DE MESSI

NA ÚLTIMA CHANCE de ganhar o único título que falta em sua carreira, Messi atribui ao Brasil, à Inglaterra e à França, atual campeã, o favoritismo da Copa de 2022: “São seleções de muita técnica e com jogadores do mais alto nível”. A Argentina estreia 3ª feira (22), com a Arábia Saudita e depois joga com México e Polônia.

A BRUXA DA FRANÇA

O MEIA-ATACANTE Christopher Nkunku, 25 anos, artilheiro do Alemão pelo Leipzig com 12 gols, quarto cortado da seleção francesa, com entorse do joelho esquerdo, em choque com o volante Eduardo Camavinga, 20 anos, do Real Madrid. Antes dele, o zagueiro Kimpembe (PSG), volante Kanté (Chelsea) e o meia Pogba (Juventus).

O ARTILHEIRO BENZEMA, em tratamento de problema muscular desde o início de novembro, é outra grande preocupação do técnico Didier Deschamps. A França é do Grupo D com Austrália, adversário de estreia, 3ª feira (22), Dinamarca e Tunísia.

Fotos: Twitter e O Tempo