Apesar de todos os títulos do Flamengo, Jorge Jesus continua isolado em Portugal. E não é só pela quarentena que o novo coronavírus impôs também ao futebol, mas porque não figura nos planos de nenhum clube europeu. Todos, mesmo com a pausa forçada dos campeonatos, em franca atividade, cuidando da reestruturação de seus elencos. Se não aceitar a contraproposta do Flamengo, terá que esperar pelo auxílio-desemprego.

ELEVADA – Com razão, o Flamengo considerou elevada a proposta de sete milhões de euros/ano, o que representa, de acordo com o câmbio atual, em torno de R$3.300 mil/mês. E ele ainda quer que o Flamengo pague os impostos.  O valor aumentaria ainda mais com a renovação dos contratos de seus assistentes. Jorge Jesus quer aproveitar os resultados das conquistas e que o clube reconheça a importância do seu trabalho, mas Flamengo tem um limite.

SEM CHANCE -A única porta que poderia se abrir, seria a do Benfica, onde ganhou três títulos entre 2009 e 2015, antes de sair para o Sporting, onde só conquistou uma inexpressiva Copa da Liga, entre 2015 e 2018. Mas, pelo que se diz em Lisboa, Jesus teve saída tumultuada do Benfica e o presidente Luis Felipe Vieira não terá o apoio dos conselheiros para sua volta. E o Sporting já contratou Ruben Amorim para a temporada 2020-2021.

FC PORTO – Jorge Jesus, que em julho vai completar 66 anos, só dirigiu os dois times mais conceituados de Lisboa, depois de início discreto na terceira força, o Belenenses, que comandou de 2006 a 2008, sem nada ganhar. O Porto, que divide com o Benfica a disputa dos títulos, nunca pensou em contratá-lo. Sergio Conceição está com a renovação decidida para 2020-2021, independente do desfecho do campeonato, ainda dependendo de finalização.

SELEÇÕES – Duas das dez seleções sul-americanas, que disputarão as eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022, são dirigidas por técnicos portugueses: Carlos Queiroz, ex-goleiro de 67 anos, com a da Colômbia, desde 2019, e José Peseiro, ex-atacante de 59 anos, com a da Venezuela. As duas se enfrentarão na rodada de abertura. Bom dizer: Peseiro trabalhou como adjunto de Queiroz, em 2003-2004, no Real Madrid.

POR QUE – é uma pergunta que não quer calar -, Jorge Jesus nunca dirigiu uma seleção? Portugal tem técnicos em times de ponta, tipo Paulo Fonseca, na Roma, e Nuno Espírito Santo, no Wolverhampton, mas Jesus nunca conseguiu contrato com time europeu fora de Portugal. Nem mesmo os títulos do Flamengo abriram as portas para que entrasse em um grande da Europa, seu antigo sonho de consumo.

Foto: Fox sports