Escolha uma Página

QUATRO MESES depois de ganhar pela primeira vez a Libertadores, com 2 x 1 no Boca, em 4 de novembro de 2023, o Fluminense conquistou na noite de ontem (29) o segundo título internacional inédito, o da Recopa Sul-Americana. E ao vencer a LDU por 2 x 0, estabeleceu no Maracanã o recorde de público de 2024 do futebol brasileiro, com 61.217 tricolores em delírio, que incentivaram o time do início ao fim.

O DESTAQUE da última noite de fevereiro de 2024 no Maracanã foi Jhon Arias, autor dos gols no 2º tempo, com uma cabeçada forte e certeira, no canto esquerdo, aos 31, completando cruzamento de Samuel Xavier, e aos 44 minutos, cobrando de pé direito, no ângulo direito, o pênalti de Valverde em Renato Augusto, rente à linha da grande área, marcado no ato com precisão.

O COLOMBIANO Jhon Arias, de 26 anos, é o único a fazer gol em todas as competições, desde que estreou no Fluminense em 26 de de agosto de 2021, no 1 x 2 com o Atlético Mineiro pelas quartas de final da Copa do Brasil. Jhon Arias marcou na Copa Sul-Americana de 2022, e em 2022 e 2023, nos campeonatos Carioca e Brasileiro; na Copa do Brasil, Libertadores e Mundial de clubes.

BOM DIZER: Jhon Arias é o de melhor custo-benefício do elenco do Fluminense, que o comprou do modesto Patriotas FC, da cidade de Tunja, a 150 km da capital Bogotá, por 600 mil dólares, o equivalente em julho de 2021, a R$3.100 mil. Jhon Arias marcou o 1º gol pelo Fluminense no 1 x 1 com o Juventude, pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro, em 2 de setembro de 2021.

O FLUMINENSE teve dificuldade para furar a retranca da LDU, que jogava pelo empate, por ter vencido no Equador por 1 x 0, mas em momento algum do jogo deixou de ter tranquilidade para reverter o placar. E mais: não se contentou com o empate, que levaria à prorrogação, nem mesmo com 10, desde os 34 do 2º tempo, ainda 0 x 0, quando Kennedy foi bem expulso por pisar na perna de adversário caído.

KENNEDY FOI A única mudança na volta do intervalo, quando substituiu Felipe Melo, que passou a braçadeira de capitão a André, que recuou para a zaga, mas se soltando aos poucos, sempre que havia espaço para apoiar. Mas foram as três alterações simultâneas, aos 21 minutos, quando saíram Diogo Barbosa, Ganso e Keno, entrando Marcelo, Renato Augusto e Douglas Costa, que tornaram o time mais rápido e criativo.

OS CAMPEÕES DA RECOPA Sul-Americana, primeiro título internacional de 2024 de um time brasileiro: Fabio, Samuel Xavier (Guga, última substituição aos 39 do 2º tempo), Tiago Santos, com atuação irretocável, Felipe Melo (Kennedy) e Diogo Barbosa (Marcelo); André, Martinelli e Ganso (Renato Augusto); Keno (Douglas Costa), Cano e Jhon Arias, o melhor em campo com todos os louvores.

O FLUMINENSE tornou-se o time brasileiro com mais conquistas internacionais no Maracanã: a Copa Rio de 1952, com a participação de mais sete equipes estrangeiras, em que venceu o Corinthians na decisão por 2 x 0; a Libertadores de 2023 e a Recopa Sul-Americana de 2024.

OS OUTROS CAMPEÕES internacionais no Maracanã: Palmeiras, da Copa Rio de 1951 e da Libertadores de 2020; Santos, campeão mundial de clubes de 1963; Botafogo, campeão da Copa Conmebol de 1993, dirigido por Carlos Alberto Torres, o capitão do tri, e Flamengo, campeão da Recopa Sul-Americana de 2020.

BOM LEMBRAR O TIME do Fluminense do primeiro título internacional no Maracanã, a Copa Rio de 1952: Castilho, Píndaro e Pinheiro; Jair Santana, Edson e Bigode; Telê, Didi, Marinho, Orlando e Quincas. Técnico – Zezé Moreira. Foi a partir da Copa Rio que surgiram outras competições internacionais: a Copa dos Clubes Campeões da Europa; a Liga dos Campeões da Europa, criada em 1955.

FLUMINENSE 2 x 0 LDU, na noite de ontem (29), no Maracanã, registrou R$5.897.327,50. 56.050 pagantes. 61.217 presentes. O presidente Alejandro Dominguez, da Confederação Sul-Americana de Futebol, que comandou no gramado a cerimônia de premiação, entregou ao presidente do Fluminense um cheque de 1.800 mil dólares, enquanto o do presidente da LDU foi de 800 mil dólares. O árbitro argentino Facundo Tello teve atuação segura.

A TAÇA DA RECOPA SUL-AMERICANA foi entregue precisamente às 23h48min pelo presidente da Conmebol a André e Felipe Melo, ambos com a faixa amarela de capitães, que ladeando Fernando Diniz. O técnico repetiu o que fez após a conquista da Libertadores, voltando a comemorar com abraços dos torcedores.

O FLUMINENSE foi provocado, horas antes do jogo, por uma faixa exibida em voo na orla de Copacabana, com o escudo da LDU e as fotos estampadas da Libertadores de 2008 e da Recopa Sul-Americana de 2009, em decisões que o time equatoriano ganhou em decisões com o tricolor carioca no Maracanã, e uma faixa com os dizeres: “Voltei, meu filho”. O sobrevoo da faixa, em avião comercial bimotor, foi atribuído a torcedores do Flamengo.

A RECOPA SUL-AMERICANA dá ao Fluminense o direito de uma nova decisão internacional importante, com o campeão da Liga Europa, cujo campeão de 2024 só será conhecido no próximo 21 de maio. O jogo faz parte do acordo entre a Uefa e a Conmebol e tem o nome de Desafio dos Campeões. No primeiro, em 2023, na Espanha, o Sevilha ganhou a taça ao vencer nos pênaltis (4 x 1) o Del Valle do Equador, após 1 x 1 nos 90 minutos.

Fotos: Divulgação/X/@ConmebolRecopa e Lucas Mercon / Fluminense