Gabriel está cotado para o antepenúltimo amistoso de 2019 que a seleção brasileira fará amanhã (13) com a Nigéria, no Estádio Nacional de Singapura, depois de não ter saído da reserva no 1 x 1 com o Senegal. O artilheiro do Flamengo, com 18 gols no Brasileirão, deve atuar centralizado, com Neymar e Everton se revezando pelas pontas.

O SEGUNDO – A única vez que Brasil e Nigéria se enfrentaram foi em 11 de junho de 2003, no Estádio Nacional de Abuja, cidade da região central do país, no oeste africano, que comemorava doze anos como capital. Até 1990 a capital da Nigéria era a cidade de Lagos. E foi a primeira vitória do Brasil no ano, após 0 x 0 com China e México, e derrota (2 x 1) para Portugal.

A COPA – O amistoso com a Nigéria foi o último de preparação para a Copa das Confederações, na França, em que o Brasil foi eliminado na primeira fase, ao perder (1 x 0) para Camarões, vencer (1 x 0) os Estados Unidos e empatar (2 x 2) com a Turquia. A França foi campeã, com 1 x 0 sobre Camarões na final.

TRÁGICA – A sexta edição da Copa das Confederações foi trágica, com a morte do atacante Marc-Vivien Foé, 28 anos, da seleção de Camarões, no centro do gramado do estádio Gerland, em Lyon, aos 27 do segundo tempo do jogo das semifinais com a Colômbia. Ele sofreu infarto fulminante. Era do Manchester City e havia jogado as Copas de 98 e 2002.

BOM LEMBRAR – No único Brasil x Nigéria, em 2003, os 3 x 0 foram com os gols de Luis Fabiano e Gil, e Adriano, no segundo tempo. Os três haviam jogado em 2002 no Corinthians, dirigidos por Parreira, que dizia: “Tenho o melhor setor esquerdo do mundo”. O técnico voltaria a comandar a seleção na Copa de 2006 na Alemanha.

A SELEÇÃO – Dida (Milan), Belletti (Villarreal) depois Eduardo (Bordeaux),  Juan (Leverkusen) depois Fabio Luciano (Corinthians), Lúcio (Leverkusen) e Kleber (Corinthians) depois Gilberto (Grêmio);  Emerson (Roma), Kleberson (Atlético Paranaense), Ricardinho (São Paulo) e Ronaldinho Gaúcho (PSG); Gil (Corinthians) depois Adriano (Atlético Paranaense) e Luis Fabiano (São Paulo) depois Adriano (Parma).

ARTHUR É OUTRO EM 2019

Os analistas do prestigioso jornal Mundo Deportivo, destacam a subida do meio-campo Arthur, do Barcelona, como dos poucos que se salvaram em Brasil 1 x 1 com Senegal. Destacam que Arthur não conseguiu jogar do início ao fim, em nenhum dos 27 jogos do bicampeão espanhol, em 2018-19, devido ao mau condicionamento fisico.

SEMPRE BEM – O jornal realça a humildade de Arthur, que até contratou um personal-trainer. Com isso, aumentou o rendimento, marcou dois gols e deu duas assistências, e nas duas derrotas deste ano do Barcelona, para o Granada e o Bilbao, ele não estava em campo. “Os antes intocáveis Rakitic e Busquets estão perdendo espaço para Arthur e De Jong” (meia holandês, contratado no início do ano) – destaca o Mundo Deportivo.

ALEMÃO COMANDA NIGÉRIA

Terceira colocada na recente Copa Africana de Nações, a Nigéria é trigésima quarta do ranking da FIFA e teve boa participação na Copa do Mundo de 2018 na Rússia. Seu técnico é o alemão Gernot Rohr, 66 anos, ex-zagueiro do time bicampeão 73-74 do Bayern de Munique, com Sepp Maier, Breitner, Gerd Muller e o capitão Beckenbauer. Ele também foi bicampeão francês no Bordeaux, em 84-85, e em 86.

OS DESTAQUES – O técnico diz que sua seleção é aplicada, mas não deixa de citar os valores individuais, todos jovens. Emmanuel Dennis, 21 anos, que fez os gols do Brugge, da Bélgica, no 2 x 2 com o Real Madrid, na Liga dos Campeões; Victor Osimhen, 20 anos, goleador do Lille, da França; Samuel Chukwveze, 20 anos, ponta do Villarreal, da Espanha, e Alex Iwobi, 23 anos, um dos goleadores do Everton, de Liverpool.

Foto: Divulgação CBF