Escolha uma Página

THIAGO SILVA confirmou no início da noite de hoje (3) o que havia prometido em 2008, depois de 146 jogos, 14 gols e campeão da única Copa do Brasil do Fluminense em 2007: “Um dia eu volto. Nos momentos mais difíceis da minha vida, o Fluminense me abriu as portas e me tratou sempre com respeito e carinho. A gratidão está acima de tudo. Serei grato ao Fluminense para sempre”.

A GRATIDÃO do carioca Thiago Emiliano da Silva, virginiano do último dia, 22 de setembro, do ano de 1984, em que o Fluminense foi bicampeão carioca e campeão brasileiro, começou em 2006, quando se recuperou da tuberculose, contraída em 2004 no Dinamo de Moscou, sem ter jogado pelo time russo. O apelido de Monstro lhe foi dado pelos tricolores, por atuações notáveis e marcantes.

THIAGO SILVA saiu do Fluminense no final de 2008, por 8 milhões de euros, para o Milan, que defendeu em 119 jogos, com 6 gols, campeão italiano e da Supercopa da Itália em 2010-11. Ele resume: “O Milan é um clube em que sempre me senti bem. Os torcedores são apaixonados, mas respeitam os profissionais”.

A CAMISA DO PSG foi a que Thiago Silva mais vestiu: 315 jogos, 17 gols e 23 títulos, 7 de campeão francês; 5 Copas e 5 Supercopas da França, e 6 Supercopas da Liga Francesa, de 2012-13 a 2019-20. No Chelsea, última escala da Europa, de 2020 a 2024, 147 jogos, 8 gols, a Bola de Ouro de melhor jogador do Mundial de clubes (2020-21); a Champions e a Supercopa da Europa.

  • THIAGO SILVA estreou na seleção em 2008, aos 23 anos, disputando dois Jogos Olímpicos consecutivos: bronze em 2008 em Pequim, prata em 2012 em Londres. Em 2013, no Brasil, capitão e campeão da Copa das Confederações.
  • AO GANHAR a Copa América de 2019, tornou-se o zagueiro com mais jogos (113) e o sexto que mais vestiu a camisa da seleção, depois de Cafu (150), Roberto Carlos (132), Daniel Alves (127), Neymar (125) e Rivellino (120).
  • EM 2022, NO CATAR, em sua 4ª Copa do Mundo consecutiva, Thiago Silva passou a ser o capitão brasileiro com mais jogos (12) em Copas, superando os capitães campeões do mundo, Dunga (1994) e Cafu (2002), que usaram a braçadeira em 11.
  • EMOTIVO, Thiago Silva também não esquece do primeiro apelido (Rato), quando começou jogando descalço nos campos de várzea da Comunidade de Urucânia, no bairro de Paciência, na Zona Oeste do Rio.

Fotos: Divulgação