A Comissão de Arbitragem da Confederação Sul-Americana aprovou sem restrição a atuação do árbitro Leodan Gonzalez, da Associação Uruguaia, no jogo de ida da decisão da Recopa Sul-Americana, em que Independiente del Valle e Flamengo empataram (2 x 2) na noite de anteontem (19), no Estádio Olímpico Atahualpa, em Quito, capital do Equador. A Comissão é presidida desde agosto de 2016 pelo ex-árbitro brasileiro Wilson Luiz Seneme.

PÊNALTI – Além dos cinco da equipe do árbitro de video, a Comissão teve mais três observadores, que fizeram a análise em pontos estratégicos do estádio. No lance do pênalti, que resultou no gol do empate final, nenhum teve dúvida de que o lateral Rafinha, do Flamengo, cometeu falta clara, ao derrubar o atacante Jacob Murillo. A marcação instantânea e firme do árbitro foi aprovada por todos os observadores da Conmebol.

IMPEDIMENTO – Entre os lances revistos, o da anulação do gol de Bruno Henrique, por impedimento. A Comissão de Arbitragem viu e reviu cinco vezes e concluiu: os pés do jogador do Flamengo estavam no próprio campo, mas o corpo estava inclinado após a linha divisória, já no campo defensivo do Independiente. Os observadores elogiaram a marcação do assistente Nicolás Taran, que no ato acenou o impedimento, e a confirmação do árbitro. 

OITO CARTÕES – A Comissão de Arbitragem analisou também os oito cartões amarelos e considerou que todos foram aplicados com acerto pelo árbitro Leodan Gonzalez, com atuação 100% aprovada. O único cartão do primeiro tempo foi para o meia Gerson, do Flamengo, pela falta em Jhon Sanchez. Bom lembrar: lance do gol de Jacob Murillo, em cobrança no ângulo, que deu a vantagem ao Independiente, antes da saída para o intervalo.

BRAÇO NA CARA – Caicedo e Pellerano, que sofreu e converteu o pênalti, foram punidos com cartão por falta em Diego. Guerrero, por falta em Bruno Henrique, e Cabeza, por discussão com Willian Arão. Filipe Luis deixou o braço aberto na cara de Preciado e poderia até ter sido expulso, mas só levou o amarelo. Os dois últimos cartões, foram para Rafinha, que cometeu o pênalti, e Gustavo Henrique, que reclamou da marcação.

PRESIDENTE – Wilson Luiz Seneme, de 49 anos, preside a Comissão de Arbitragem da Conmebol desde agosto de 2016, quando substituiu o paraguaio Carlos Alarcon Rios, doze anos integrante da Comissão da FIFA, em quatro Copas do Mundo e que se retirou após os Jogos Olímpicos de 2016 no Brasil. Paulista de São Carlos, Seneme apitou 14 anos, em várias decisões estaduais, nacionais e em 31 jogos internacionais. Entrou na FIFA em 2006 e continua como um dos dez membros da Comissão de Arbitragem.

  • ARGENTINO APITA A FINAL DO DIA 26

Fernando Andrés Rapallini, de 41 anos, há nove anos na Associação do Futebol Argentino (AFA) e desde 2014 na FIFA, apitará a final da Recopa Sul-Americana na próxima quarta (26), no Maracanã. É o primeiro jogo do Independiente del Valle e o segundo do Flamengo que vai apitar, menos de um ano depois do 24/7/2019, em Guaiaquil, onde o Emelec venceu (2 x 0) o jogo de ida das oitavas de final da Libertadores.

BRASIL 5 x 0 – Único jogo da seleção brasileira que Fernando Rapallíni apitou foi o último da fase de grupos da Copa América, no sábado, 22 de junho de 2019, na Arena Corinthians. O Brasil confirmou o amplo favoritismo e goleou (5 x 0), em sua histórica vitória de número 100 no maior torneio de seleções do continente. Em Flamengo x Independiente del Valle serão seus assistentes Diego Bonfá e Gabriel Chance, e no VAR, Mauro Vigliano, também argentino. Bom dizer: Rapallíni é construtor de piscinas em Buenos Aires.