A Comissão de Arbitragem da Conmebol anunciou na noite de ontem (4) que o árbitro Roberto Tobar, de 41 anos, da Federação Chilena, apitará a decisão da Copa América Brasil x Peru, domingo (7), no Maracanã. Ele esteve envolvido em 2012 em escândalos e corrupção no futebol chileno e foi suspenso por oito meses, por participar do Clube do Pôquer. Os árbitros da Federação jogavam pôquer e ingeriam bebida alcoólica em um clube noturno da capital Santiago, promovendo muitas apostas.

Roberto Tobar é tido como árbitro que cria muitos problemas com os jogadores e um dos casos que mais chamaram a atenção em sua carreira foi o do jogo The Strongest x São Paulo, em 2016, no estádio Hernan Siles, em La Paz, pela Copa Libertadores. Jogadores do time boliviano o acusaram de terem sido chamados para a briga, enquanto se dirigiam ao vestiário em um túnel estreito. No ano seguinte, ele teve que parar um River x Wilstermann, em Buenos Aires, após sentir uma lesão muscular.

O árbitro da final Brasil x Peru é da Fifa desde 2001 e na Copa América de 2019 apitou nas quartas de final Brasil 0 x 0 Paraguai, em que o Brasil se classificou (4 x 3, nos pênaltis), na noite de 27 de junho, na Arena Grêmio. Ele chegou a marcar um pênalti do zagueiro Balbuena em Firmino, mas não confirmou após rever o lance no árbitro de video, determinando falta fora da área e expulsando o jogador paraguaio, pelo segundo cartão amarelo.

TERCEIRO LUGAR – O jogo de amanhã (6), que Argentina eChile disputarão pelo terceiro lugar, na Arena Corinthians, será apitado por Mario Diaz de Vivar. O árbitro da Associação  Paraguaia tem 35 anos, é da Fifa desde 2013, professor de Educação Física em Assunção, e só apitou dois jogos internacionais pelas eliminatórias da Copa do Mundo de 2018: Bolívia 2 x 2 Equador, em 2016, e Brasil 3 x 0 Bolívia, em 2017.