A primeira vitória da Argentina, depois de perder (2 x 0) da Colômbia e empatar (1 x 1) com o Paraguai, foi dedicada ao capitão Messi, que vai completar 32 anos nesta segunda-feira (24), com permissão especial para passar o dia com a mulher Antonella e os filhos Thiago (6), Mateo (3) e Ciro (1 ano e cinco meses). A família do craque assistiu os 2 x 0 sobre o Qatar, na tarde deste domingo (23) na Arena Grêmio, em Porto Alegre, e antes do jogo, no intervalo e depois da vitória, Messi fez acenos com sorriso.

NO MARACANÃ – Com a vitória, a Argentina se classificou em segundo lugar no Grupo B, com 4 pontos, e jogará nas quartas de final com a Venezuela, que ficou em segundo no Grupo A – Brasil em primeiro com 7 pontos -, sexta (28), no Maracanã. Há 26 anos sem o título, que ganharam pela última vez em 1993, os argentinos se mostram reanimados e garantem que estarão na final de 7 de julho. O técnico Lionel Scaloni, de 41 anos – o mais jovem da Copa América – disse ter visto o time “com bons sinais de recuperação”.

JOVEM E VETERANO – A Argentina fez 1 x 0 logo aos três minutos com Lautaro Martinez, de 21 anos, que marcou o quinto gol em nove jogos pela seleção. Ele é da Inter de Milão desde 2018. Na volta do intervalo, o segundo gol foi de Sergio Aguero, de 31 anos, aos 36 minutos: 40 gols em 93 jogos pela seleção. Ele usa na camisa Kun, apelido de garoto, por causa de personagem com esse nome nos desenhos japoneses que via na televisão, em Buenos Aires. Bicampeão inglês, Aguero é o maior artilheiro do Manchester City, com 231 gols em 338 jogos desde 2006.

ARGENTINA – Franco Armani, Saravia, Foyth (Pezzella), Otamendi e Tagliafico; Paredes, Lo Celso (Acuña) e De Paul; Messi (cap), Aguero e Lautaro Martinez (Paulo Dybala). 

A CAMISA 10 – Os jogadores do Qatar tentaram de todas as formas a camisa 10 de Messi, mas o craque havia prometido ao técnico Felix Sanchez, que conhece desde os tempos em que trabalhou nas divisões de base do Barcelona. Além de ter oferecido a camisa ao treinador, ele também presenteou o irmão dele, Frederico Sanchez, assistente-técnico da seleção.

O Qatar foi eliminado com apenas um ponto, dos 2 x 2 com o Paraguai, único jogo em que fez gol, depois de perder (1 x 0) da Colômbia e de 2 x 0 da Argentina. Pela primeira vez campeã da Ásia, a seleção voltará à Copa América em 2020. O objetivo do técnico espanhol Felix Sanchez é manter a seleção em atividade para se preparar bem para a Copa do Mundo de 2022, a primeira a ser disputada no Oriente Médio. Bom lembrar: o Qatar ganhou a Copa da Ásia 2019 com 7 vitórias em 7 jogos, marcou 19 gols e sofreu apenas 1 gol.

CINCO CARTÕES – Em sua terceira Copa América, o árbitro Julio Alberto Bascuñan, de 41 anos, da Federação Chilena, teve atuação segura, apesar de algumas reclamações, principalmente de jogadores do Qatar. No primeiro tempo, ele advertiu com cartão amarelo os argentinos Lo Celso, aos 41, por falta em Boudiaf, e Foyth, aos 44, por falta em Akram Afif. No segundo tempo, três jogadores do Qatar: Almoez, aos 5, por falta em Messi; Boudiaf, aos 28, por falta em Paredes, e Al Harah, aos 32, por falta em De Paul.

BRASIL x ARGENTINA – São acentuadas as chances de Brasil e Argentina se enfrentarem nas semifinais da Copa América 2019. O adversário do Brasil só será conhecido na noite desta segunda (24), no encerramento do Grupo C: Chile x Uruguai, no Maracanã, às 20 horas, e no mesmo horário, Equador x Japão, no Mineirão. Se o Brasil ganhar e a Argentina vencer a Venezuela na próxima sexta (28), no Maracanã, Brasil e Argentina se enfrentarão na primeira terça (2) de julho, também no Maracanã.

Foto: UOL Esporte