A Comissão de Arbitragem da Confederação Sul-Americana de Futebol escolheu neste domingo (17), por unanimidade, o árbitro Patrício Loustau, da Associação de Futebol Argentino (AFA), para apitar a decisão da Copa Libertadores da América, que Santos e Palmeiras disputarão dia 30, às 17 horas, sem público, no Maracanã. Dono de uma das mais prestigiosas agências de publicidade de Buenos Aires, Loustau tem 50 anos e nasceu no município de Lomas de Zamora, na zona sul da capital.

HISTÓRICOS – O árbitro Patrício Loustau, que apitará a terceira decisão entre brasileiros, dirigiu dois clássicos que entraram para a história da Libertadores: o da noite de 23 de outubro de 2019, no Maracanã, em que a goleada de 5 x 0 no Grêmio levou o Flamengo à final e ao segundo título, 38 anos depois, e o da noite de 12 de março de 2020, na Arena Grêmio, pela segunda rodada da fase de grupos, em que expulsou quatro de cada time, no 0 x 0 do primeiro Grenal da história da Libertadores.

HERDEIRO – O árbitro de Santos x Palmeiras, final da segunda Libertadores em jogo único, é o segundo dos dois filhos de Juan Carlos Loustau, um dos grandes da arbitragem argentina. Na Copa de 1990, na Itália, diante de 75 mil torcedores, no estádio de San Siro, em Milão, Loustau apitou Alemanha 2 x 1 Holanda e expulsou Rudi Voeller e Frank Rijkaard por discussão áspera. Antes de sair, o atacante alemão cuspiu na cara do volante holandês, contido por companheiros para evitar agressão.

BRASILEIRO – Bom dizer: a sugestão da escolha de Patrício Loustau para apitar Santos x Palmeiras foi de Wilson Luis Seneme, de 50 anos, presidente da Comissão de Arbitragem da Confederação Sul-Americana de Futebol desde agosto de 2016, quando substituiu o paraguaio Carlos Alarcon. Seneme é de São Carlos, a 240 km da capital, apitou o Campeonato Paulista durante 14 anos e aceitou o convite da Conmebol, um dia após Remo 2 x 2 Paysandu, final do Campeonato Paraense de 2014, seu último jogo.

Foto: Juan Mabromata/AFP