Escolha uma Página

REINCIDENTE EM PROVOCAR adversários – jogadores e torcedores -, o atacante Gabriel foi denunciado pelo procurador-geral do Tribunal de Justiça Desportiva do estado do Rio de Janeiro, um dia após marcar o gol da vitória do Flamengo sobre o Vasco, no primeiro jogo das semifinais do Campeonato Carioca. A punição prevista é de até seis jogos.

DE ACORDO COM A DENÚNCIA, o atacante do Flamengo levou a mão direita ao ouvido, em frente ao espaço do estádio reservado aos torcedores do Vasco, como que pedindo para ouvir alguma vibração. Foi então que os torcedores jogaram alguns objetos na direção do jogador, o que levou o procurador-geral a denunciá-los, podendo o Vasco ser multado em até R$100 mil.

GABRIEL PODERIA SER o segundo desfalque na reta final do Carioca, de vez que o Flamengo não terá o meia Arrascaeta, convocado pelo técnico Diego Alonso para os dois últimos jogos do Uruguai nas eliminatórias, dia 24 com o Peru, e dia 29 com o Chile. O Flamengo poderia ficar também sem Everton Ribeiro, Gabriel e Pedro, mas não foram convocados pelo técnico Tite.

O ZAGUEIRO PABLO, campeão brasileiro de 2017 no Corinthians, apresentou-se nesta 5ª (17), ao Flamengo dizendo que “darei a vida por esse clube em que tanto queria jogar”. Pablo é maranhense, tem 30 anos, 1,88m e estava no Lokomotiv Moscou desde 2020. Rescindiu o contrato, que iria até 2024, após a invasão da Ucrânia, e foi indicado ao Flamengo pelo técnico Paulo Sousa, que o dirigiu no francês Bordeaux.

DESDE NOVEMBRO SEM CLUBE, após perder a final da Libertadores para o Palmeiras, no Uruguai, o técnico Renato Portaluppi reapareceu fazendo um esclarecimento: “Não fui demitido; pedi demissão e um dia vou voltar a dirigir o Flamengo porque sou competente”. O treinador ganhou 25 dos 38 jogos, mas saiu criticado por não ter ganhado título.

SOBRE O TELÃO PEDIDO pelo técnico português Paulo Sousa para analisar e corrigir falhas, Renato disse: “Ele está certo, trouxe uma ideia da Europa e foi atendido por ser estrangeiro. Mas se um treinador brasileiro chegar num clube e pedir um telão, será chamado de professor Pardal. Essa é a diferença de tratamento. O estrangeiro é prestigiado; o brasileiro é questionado”.

Foto: Divulgação