Escolha uma Página

O Atlético Mineiro não teve dificuldade para se manter na liderança do Brasileiro 2020, como único invicto nos jogos em casa, ao ganhar (3 x 0) do Goiás, último colocado, com sete derrotas em doze jogos, na noite de ontem (10), no Mineirão. O time fez dois gols em cinco minutos, o primeiro de Keno, aos 42, cobrando pênalti do goleiro Tadeu em Sasha, e o segundo de Nathan, de cabeça, aos 47, e no segundo tempo, Marrony, ex-Vasco, marcou o terceiro aos 48.

A INVENCIBILIDADE – Time que mais venceu (10) e único que ainda não empatou, o líder Atlético sofreu as quatro derrotas como visitante: Botafogo 2 x 1, Internacional 1 x 0, Santos 3 x 1 e Fortaleza 2 x 1. Antes dos 3 x 0 desta noite no Goiás, as seis vitórias no Mineirão foram: 3 x 2 no Corinthians, 2 x 0 no Ceará, 3 x 0 no São Paulo, 2 x 1 no Bragantino e 3 x 1 no Grêmio. A primeira das três vitórias como visitante foi 1 x 0 no Flamengo, e 1 x 0 no Coritiba e a virada de 4 x 3 no Atlético Goianiense.

NOVO GALINHO – Lançado nos 4 x 3 sobre o Atlético Goianiense, na nona rodada, Sávio, de 16 anos e 5 meses, iniciou nos 3 x 0 sobre o Goiás, e foi substituído por Mailson no segundo tempo. O novo galinho, formado desde os 14 anos no clube, tem contrato por três anos, com opção para mais dois, e multa rescisória de R$360 milhões. É o terceiro mais jovem a estrear no Atlético em Campeonato Brasileiro, depois de Marcelo Oliveira, aos 15 e 2 dias, e de Reinaldo, aos 16 anos e 17 dias.

OS LÍDERES – Everson, Guga, Rever, Igor Rabelo e Guilherme Arana; Jair (Borrero), Nathan (Allan) e Hyoran (Fábio Santos); Sávio (Mailton), Sasha (Marrony) e Keno – os líderes do Brasileiro 2020 têm 30 pontos em 14 jogos – 10 vitórias, 4 derrotas, ataque mais positivo (26), sofreram 16 gols – e farão o próximo jogo com o Fluminense, quarta (14), no Mineirão. O técnico Jorge Sampaoli classificou a atuação “como completa” e disse que Tadeu, goleiro do Goiás, impediu a goleada.

CAMISA 13 – O Atlético ofereceu ao atacante Rafael Moura, do Goiás, a camisa 13 com o nome da mãe dele, Junia, que morreu de câncer no início do mês. Formado na base do clube, dos 9 aos 16 anos, ele já atuou em 10 times, mas sempre revelou ser atleticano e foi do time campeão mineiro de 2017. Aos 37 anos, ele diz que ainda se sente motivado para jogar até os 40, só lamentando a fase porque passa o Goiás, último com 9 pontos em 12 jogos e defesa mais vazada (25).

Foto: UOL