A 1ª DECISÃO DE 2022 DO FUTEBOL BRASILEIRO JÁ TEM DATA MARCADA: domingo, 20 de fevereiro. Só falta confirmar o estádio onde Atlético Mineiro e Flamengo decidirão a Supercopa do Brasil. O Atlético, campeão brasileiro, estava garantido, mas como também ganhou a Copa do Brasil, com o 2 x 1 da noite de ontem (15), o regulamento da CBF determina que a Supercopa do Brasil seja decidida entre o campeão e o vice do Campeonato Brasileiro.

O FLAMENGO PODERÁ GANHAR PELA 3ª VEZ CONSECUTIVA A SUPERCOPA DO BRASIL, depois de ter vencido o Athletico Paranaense por 3 x 0, no domingo, 16 de fevereiro de 2020, no estádio Mané Garrincha, em Brasília, onde também venceu o Palmeiras por 6 x 5, nos pênaltis, depois de 2 x 2, no domingo, 11 de abril de 2021. A Supercopa do Brasil foi interrompida após as primeiras disputas: em 1990, Vasco 2 x 0 Grêmio, e em 1991, Corinthians 1 x 0 Flamengo.

COM TODOS OS MÉRITOS, O ATLÉTICO MINEIRO TERMINOU O ANO DE OURO de sua história de 113 anos, com a conquista da primeira Tríplice Coroa – campeão mineiro, brasileiro e da Copa do Brasil, com o maior placar agregado das finais (6 x 1) -, ao vencer o Athletico Paranaense por 2 x 1, na noite de ontem (15), na Arena da Baixada, após 4 x 0 no jogo de ida no Mineirão. Nenhum outro campeão conseguiu marcar 6 gols e sofrer apenas 1 gol nos jogos decisivos.

TRÊS E OS MESMOS PLACARES – Os três vencedores da Copa do Brasil, que ganharam os dois jogos das finais, tiveram os mesmos placares de 2 x 0 e 1 x 0. Assim foi na 1ª decisão entre equipes da mesma cidade, em 2006, Flamengo 2 x 0 e 1 x 0 no Vasco; na 2ª decisão, em 2014, Atlético Mineiro 2 x 0 e 1 x 0 no Cruzeiro, e na mais recente, em 2020, Palmeiras 2 x 0 e 1 x 0 no Grêmio, que tentava se igualar ao Cruzeiro, maior campeão da Copa do Brasil, com 6 títulos.

RECORDISTA DE NOVE TÍTULOS – Com a Copa do Brasil 2021, o zagueiro Rever, que ergueu a taça na noite de ontem (15), tornou-se o maior ganhador de títulos (9) da história do Atlético, em 308 jogos e 30 gols, e com o contrato já renovado até dezembro de 2022, a pedido do técnico Cuca: “É o melhor da posição, entre muitos bons que dirigi. Marca firme, limpo, sabe o momento certo do desarme e exerce liderança sobre os companheiros. Se quiser, será bom técnico”.

OS 10 MAIS DA TRÍPLICE COROA – Expressão criada no futebol europeu (Triple Crown, em inglês), em que só duas equipes ganharam duas vezes a Tríplice Coroa – Barcelona (2008-2009/2014-15) e Bayern Munique (2012/2013/2019-2020) -, outras cinco conquistaram uma vez: Celtic (1966-67), Ajax (1971-72), PSV (1987-88) Manchester United (1998-99) e Inter de Milão (2009-10). No Brasil, o Cruzeiro em 2003; o Palmeiras e o Flamengo, ambos em 2020.

145 MILHÕES E PARABÉNS DA FIFA – O suíço-italiano Gianni Infantino, de 51 anos, presidente da FIFA, mandou mensagem de congratulações ao Atlético Mineiro, através da via oficial da CBF, logo após o 2 x 1 da noite de ontem (15). Ele já havia parabenizado o clube mineiro pelo título de campeão brasileiro. O Atlético receberá pelos títulos de 2021 o equivalente a R$145 milhões. O presidente Sergio Coelho já antecipou que o time terá reforços pontuais para a campanha de 2022.

OS CAMPEÕES DA COPA DO BRASIL – Everson, Mariano, Igor Rabello, Junior Alonso e Arana; Allan, Jair (Tchê Tchê) e Zaracho (Savarino); Vargas (Nacho Fernandez), Hulk (Eduardo Sasha) e Keno (Calebe) – o time do técnico Cuca, que terminou 2021 com o recorde de vitórias (26); com o artilheiro do Brasil, Hulk, 36 gols em 68 jogos, que também igualou Gabriel, artilheiro do Campeonato Brasileiro e da Copa do Brasil de 2018 pelo Santos.

SÓ PELOS DOIS JOGOS FINAIS da Copa do Brasil, o Atlético Mineiro receberá R$56 milhões, e o Athletico Paranaense, R$23 milhões. O jogo da noite de ontem (15), diante de 35 mil torcedores, mostrou o Atlético Mineiro outra vez bem superior. Keno fez 1 x 0 aos 25 minutos, seu sexto gol nos últimos nove jogos, e na volta do intervalo, o artilheiro Hulk ampliou aos 31, encobrindo o goleiro com uma bela cavadinha. O meia Jaderson fez de cabeça o gol do Athletico aos 42.

ARBITRAGEM EXCELENTE – Anderson Luis Daronco, da Federação Gaúcha, foi correto na marcação das 26 faltas (8 do Atlético Mineiro); nas advertências com 5 cartões amarelos (3 do Athletico Paranaense), e na anulação dos gols de Pedro Rocha, que ajeitou a bola com a mão, quando ainda estava 0 x 0, e de Mingotti e Savarino, por impedimento, bem marcado pelos assistentes Marcelo Carvalho e Rafael Silva, ambos da Federação Paulista.

PÉSSIMO COMPORTAMENTO – Contrastando com o alto nível de educação do povo paranaense, torcedores do Athletico tiveram péssimo comportamento, quebrando os vidros do ônibus do Atlético Mineiro com pedras. Durante o jogo, atiraram tênis, copos e outros objetos, retirados do gramado sintético da Arena da Baixada pelo árbitro, que registrou na súmula. Foi a mancha negra da bela noite em que a maioria dos torcedores aplaudiu o time, apesar da derrota.

Foto: Reprodução / Thais Magalhães / CBF