O Bahia está nas oitavas de final da Copa Sul-Americana, com a goleada de 4 x 0 sobre o FC Melgar, do Peru, na noite de ontem (5), na volta triunfal à Arena Fonte Nova, em Salvador, utilizada desde março como hospital de campanha, com 240 leitos, em apoio ao combate à Covid-19. Pela derrota por 1 x 0 no primeiro jogo, em Lima, o Bahia precisava vencer pelo menos por dois gols, mas em 24 minutos marcou os quatro gols e saiu para o intervalo com a classificação já garantida.

SEM BAIANO – Nenhum baiano entre os três artilheiros que marcaram os quatro gols do Bahia. O atacante Fessim, de 21 anos, autor do primeiro, aos 12, e do terceiro, aos 35, ambos de canhota, é paraibano de Campina Grande e está emprestado pelo Corinthians. O apoiador Gregore, de 26 anos, que usou a cabeça para fazer 2 x 0 aos 20, é mineiro de Juiz de Fora, e o atacante Gilberto, de 31 anos, que fechou a goleada, é de Piranhas, município do sertão de Alagoas, a 266 km da capital Maceió.

SÉTIMA VEZ – A goleada de 4 x 0 sobre o Melgar foi a décima segunda vitória do Bahia em 26 jogos na Copa Sul-Americana, desde o primeiro, em 1 de agosto de 2012, que perdeu (2 x 0) para o São Paulo, também na Arena Fonte Nova. Desde então, 12 vitórias, 4 empates, 10 derrotas em sete participações no segundo torneio mais importante de clubes da América do Sul. O adversário do Bahia nas oitavas de final será o Union de Santa Fé, Argentina, que no início de 2020 eliminou o Atlético Mineiro.

DOUGLAS, Nino Paraíba, Lucas Fonseca, Juninho e Juninho Capixaba; Gregore (Ronaldo), Elias e Daniel (Rodrigo); Fessin (Alesson), Elber (Rossi) e Gilberto (Saldanha) – o time do Bahia, do técnico Mano Menezes, gaúcho de 58 anos, otimista para conquistar o décimo quinto título de sua carreira, no comando da primeira equipe do Nordeste que dirige. O Union Santa Fé, próximo adversário do Bahia, classificou-se ao vencer (2 x 1) o Emelec, na noite de ontem (5), no Equador, após perder (1 x 0) o primeiro jogo na Argentina.

15 DE ABRIL – Club Atlético Union, da cidade de Santa Fé, só tem um título em sua história de 91 anos, o de campeão da segunda divisão, em 1966. Na primeira divisão, foi terceiro em 1978, e vice-campeão em 1979, em sua única decisão. Os jogadores mais importantes de sua história são os campeões do mundo Leopoldo Luque, atacante em 78, e Pumpido, goleiro em 86. O nome do estádio é em homenagem ao dia e ao mês, 15 de abril, em que o clube foi fundado em 1929.

BOM DIZER – A cidade de Santa Fé, no Centro-Leste da Argentina, tem a nona maior população país, com 3.700 mil habitantes, e está distante 470 km da capital Buenos Aires. Referência em educação, Santa Fé recebe o reconhecimento mundial pela excelente qualidade de ensino e tem na Universidade Nacional do Litoral uma das mais respeitadas do planeta. E mais: é tratada como o berço da Constituição porque foi em Santa Fé, em 1853, que a Constituição da República Argentina foi assinada.

Foto: Jornal Correio