Escolha uma Página

O Bayern Munique, único campeão invicto e com 100% de aproveitamento na história da Liga dos Campeões da Europa, venceu (2 x 0) o Al Ahly, campeão da África, na noite de ontem (8), e decidirá o Mundial de clubes da FIFA 2020, quinta-feira (11), com o Tigres, campeão da Concacaf, que na outra semifinal, domingo (7), eliminou (1 x 0) o Palmeiras, campeão da Libertadores. Dirigido pelo técnico carioca Ricardo “Tuca” Ferreti, de 66 anos, o Tigres é o primeiro time mexicano a disputar a decisão.

O ARTILHEIRO – Robert Lewandowski, vencedor atual da Bola de Ouro de melhor jogador da Europa, marcou um gol em cada tempo, aos 17, com chute no meio do gol, após jogada de Gnabry, e aos 41, de cabeça, depois do cruzamento de Sané. Há 16 jogos consecutivos fazendo gol, o artilheiro do Bayern chegou aos 28 gols em 29 jogos, e se diz ansioso pela final, por ser um título que falta em sua carreira. Hoje (9) faz um ano do único jogo em que Lewandowski não marcou pelo menos um gol.

TROCA DE CORES – O Al Ahly, campeão do Egito e nove vezes campeão africano, jogou de vermelho, cor original do Bayern, que perdeu o sorteio e teve que jogar de uniforme branco, no estádio Ahmed bin Ali, em Al Rayyan, cidade mais populosa depois de Doha, capital do Catar, sede da Copa do Mundo 2022. Foram liberados 12 mil ingressos dos 21.500 da capacidade total do estádio, que receberá alguns jogos da Copa, com o distanciamento entre os torcedores muito bem controlado.

NOVO VALOR – Comprado do Espanyol de Barcelona em outubro, o volante espanhol Marc Roca, de 24 anos, 1,84m, canhoto, estreou fora da Alemanha, causando boa impressão pela precisão no desarme e nos passes. Ele substituiu o alemão Goretzka, de 26 anos, que ficou em Munique, recuperando-se da Covid-19. Marc Roca foi comprado pelo Bayern, depois da saída do meia brasileiro Thiago Alcântara, negociado com o Liverpool, a pedido do técnico alemão Jurgen Klopp.

O DOMÍNIO – O Bayern confirmou a superioridade, com domínio quase total do jogo e sem que seu goleiro Manuel Neuer, capitão do time desde 2017, fizesse uma única defesa difícil. A diferença na precisão dos passes foi acentuada e os alemães acertaram mais 344 que os egipcios (674 a 270). Sem aplicar sequer um cartão, o árbitro Mohammed Abdula Hassan, de 42 anos, natural de Dubai, capital dos Emirados Árabes, só marcou 20 faltas (6 do Bayern). Ele atuou na Copa do Mundo 2018.

O TÉCNICO – Sul-africano de 56 anos, Pitso Mosimane é o técnico do Al Ahly, que decidirá o terceiro lugar com o Palmeiras. Ele dividiu a carreira de volante, entre 82 e 89, no Jomo Cosmos e Mamelodi Sundowns, e encerrou no Ionikos, da Grécia, seu único time na Europa. Diz que aprendeu muito como assistente de Parreira e Joel Santana na seleção da África do Sul na Copa 2010. A derrota para o Bayern não o abateu: “Perdemos para o campeão europeu e que deve ser também o campeão do mundo”.

A REAÇÃO – O tabloide alemão The Bild (A Imagem), editado desde 1952 e líder de vendas na Alemanha e em boa parte da Europa, destaca em sua edição desta terça (9): “O Bayern, ao contrário do Palmeiras, não falhou”. O jornal destaca que “a vitória dos campeões europeus foi simples e fácil, mesmo que o placar não tenha refletido a enorme superioridade”. No México, o diário esportivo ESTO ressaltou: “Missão complicada para os Tigres. O Bayern é uma equipe quase imbatível”.

Foto: KARIM JAAFAR / AFP