Dario Benedetto comemora após marcar gol para o Boca Juniors, em partida contra o Palmeiras, válida pela semifinal da Copa Libertadores da América – 24/10/2018 (Alejandro Pagni/AFP)

Com os 2 x 0 que impôs ao Palmeiras na noite de ontem (24), diante de 60 mil torcedores no estádio de La Bombonera, em Buenos Aires, o Boca Juniors será finalista da Libertadores 2018, mesmo que perca por um gol o jogo de volta, na próxima quarta (31), na Allianz Arena, em São Paulo. Os gols foram do atacante Dario Benedetto, de cabeça, aos 38, após escanteio, e de fora da área, aos 43, com chute forte no canto direito, ambos no segundo tempo.

O GOLEADOR – Dario Ismael Benedetto, 28 anos, 1,75m, é de Berazategui – capital nacional do cristal -, cidade industrial e comercial de 180 mil habitantes, na região metropolitana, 26 km ao sudeste de Buenos Aires. Formado em 2005 na base do Arsenal de Sarandi, profissionalizou-se em 2008 e ganhou a Copa Argentina em 2012. De 2013 a 2015 jogou no Tijuana, da maior cidade do estado mexicano da Baixa Califórnia – a 200 km de Los Angeles – e em 2015 e 2016, no América do México. Campeão argentino 2016-17 pelo Boca, time mais popular do país.

DARIO BENEDETTO – autor dos gols – começou a decidir o jogo 7 minutos após entrar no lugar de Ramon Ábila, ex-Cruzeiro. Weverton mandou a escanteio, em grande defesa, o chute do lateral-esquerdo uruguaio Lucas Olaza. A cobrança foi do meia colombiano Sebastián Villa e Benedetto subiu mais que Felipe Melo para cabecear no canto direito, aos 38. No segundo gol, ele deu um drible curto em Luan e chutou forte, de pé direito, um pouco antes da meia-lua, no canto direito, aos 43.

PODE IGUALAR – Enquanto o Grêmio, com vantagem do empate no jogo de volta com o River Plate, tenta o quarto título para se tornar o maior campeão brasileiro da Libertadores – São Paulo e Santos foram três vezes -, o Boca Juniors quer igualar o feito do Independiente, maior campeão da Libertadores com 7 títulos, o último em 1984. O Boca Juniors ganhou seis, sendo dois consecutivos – 77/78 e 2000/01 – e em 2003 e 2007.

FIM DOS 100% – Depois de cinco vitórias, com 12 gols marcados e só 1 sofrido, o Palmeiras perdeu a invencibilidade como visitante na Libertadores 2018. O Palmeiras, ainda com Roger Machado como técnico, havia ganho (2 x 0) do Boca, na fase de grupos, em La Bombonera. Foi nos 3 x 1 sobre o Alianza Lima que sofreu o único gol como visitante.

Técnico do Boca Juniors Guillermo Barros Schelotto (Esq.) e Técnico Luiz Felipe Scolari (Foto: ALEJANDRO PAGNI / AFP)

CORDIALIDADE – O jogo foi pegado, disputado em todos os espaços do campo, mas terminou em clima de cordialidade, com vários jogadores trocando camisas e os técnicos se cumprimentando. O ex-meia-atacante Guillermo Schelotto, 45 anos, técnico do Boca, quase 25 anos mais novo que Luis Felipe Scolari, que vai fazer 70, dia 9 de novembro, trocou aperto de mão com o treinador do Palmeiras, que o afagou com a mão direita no rosto.

NADA PERDIDO – Vários jogadores do Palmeiras fizeram questão de dizer que em São Paulo o time pode reverter: “Claro que ficou mais difícil, impossível esconder, mas nosso time tem pegada” – resumiu o atacante Dudu. O goleiro Weverton citou que “antes do jogo com o Boca, temos uma grande decisão sábado no Maracanã”, referindo-se ao jogo com o Flamengo, que poderá reduzir a um ponto a diferença, ou o Palmeiras ampliar a vantagem para sete pontos.