O Botafogo voltou a se isolar na liderança dos empates com o 1 x 1 da noite deste último domingo (27) de setembro com o Atlético Goianiense, que manteve a invencibilidade nos jogos com os cariocas, depois de 3 x 0 no Flamengo, 2 x 1 no Vasco e 1 x 1 com o Fluminense, a quem eliminou da Copa do Brasil, com a virada (3 x 1) da última quinta (24), no mesmo Estádio Olímpico de Goiânia. O Botafogo é antepenúltimo, com 11 pontos, só dois a mais que o Goiás e o Bahia, novo lanterna.

SEM FORÇA – A falta de força ofensiva do Botafogo, único dos 20 da Série A que só ganhou um jogo, está claramente demonstrada na média inferior a um gol por jogo, com 10 gols marcados em 11 jogos. O time até consegue a vantagem, como no primeiro tempo do jogo da noite deste domingo (27), mas não mantém, como outra vez se viu, logo na volta do intervalo, ao sofrer o gol de empate aos cinco minutos, marcado de carrinho por seu ex-atacante Hyuri, após cruzamento do ponta Janderson.

O BOTAFOGO fez o gol praticamente no último lance do primeiro tempo, quando o lateral-esquerdo Victor Luis aproveitou bem o pênalti cometido pelo lateral-direito João Victor, ao desviar a bola com a mão. No segundo tempo, o gol que sofreu logo aos cinco minutos mostrou que o time sofreu o impacto do empate, e bem pior que isso, não teve capacidade para se reorganizar. O empate acabou sendo justo, mesmo que o segundo tempo do Atlético Goianiense tenha sido um pouco melhor.

TRÊS PÊNALTIS – O experiente Leandro Vuaden, de 45 anos, árbitro da Federação Gaúcha, fez bem em ignorar os três pênaltis reclamados: o lateral João Victor, do Goiás, caiu na área; não houve intenção de Forster, zagueiro do Botafogo, de usar a mão para desviar o chute de Marlon (a bola bateu na mão de Forster), e o zagueiro Davi Souza, do Botafogo, não teve razão em pedir pênalti, depois que a bola bateu no braço do zagueiro Gilvan.

BOTAFOGO – Diego Cavalieri, Kanu, Forster e Davi Souza; Kevin, Caio Alexandre (Otávio), Renteria, Bruno Nazario (Davi Araújo) e Victor Luis; Mateus Babi e Pedro Raul (Kalou, que merecia ser expulso nos acréscimos do segundo tempo, pela falta grosseira no volante Edson, aos 48). O próximo jogo é com o lanterna Bahia, quarta (30), no estádio Nilton Santos. É o jogo adiado da primeira rodada porque o Bahia, ainda dirigido pelo técnico Roger Machado, estava disputando as finais do campeonato estadual.

ATLÉTICO GOIANIENSE é décimo terceiro com 13 pontos, igual ao Grêmio, mas uma posição acima por ter mais uma vitória (3 a 2). O próximo jogo do time dirigido pelo paulista Vagner Mancini é quarta (30), na Arena Corinthians, também relativo à primeira rodada e adiado devido ao surto do novo coronavírus em Goiânia.

GOIÁS SAI DA LANTERNA – Na Arena Castelão, em Fortaleza, o Goiás fez 1 x 0 logo no primeiro minuto, com Rafael Moura aproveitando o rebote do goleiro Fernando Prass, mas o Ceará virou na volta do intervalo, com os gols de Charles aos 8 e Vinícius aos 28, mas nos acréscimos, aos 47, Davi Duarte empatou e o Goiás passou a lanterna ao Bahia, ambos com duas vitórias e com saldo negativo: o do Goiás é de 2 (13 a 15) e o do Bahia é de 7 (12 a 19).

Foto: O Popular