COMO NOS CONTA A HISTÓRIA, O BOTAFOGO nem sempre consegue estrear com vitória, como no primeiro título carioca do bicampeão mundial Nilton Santos, em que sofreu a única derrota de 1948 por 4 x 0 para o São Cristóvão, em General Severiano, embora tenha sido o único jogo de que não participou, e em 1962, quando ganhou o primeiro bi no Maracanã, mas começou perdendo por 1 x 0, no Maracanã, para o Campo Grande, que estreava na 1ª divisão.

MENOS MAL QUE NA ESTREIA DE 2022, em que foi visitante, jogando em casa, porque o Boavista vendeu o mando de campo, o Botafogo não perdeu na noite de ontem (25), no estádio que tem o nome do mestre, maior lateral do mundo de sempre, titular em todos os jogos das duas primeiras Copas que o Brasil ganhou, e que nunca beijou a camisa para mostrar amor ao clube, porque em quase 20 anos de carreira notável não vestiu outra em 723 jogos.

O BOTAFOGO NÃO FEZ BOA ESTREIA, e só conseguiu empatar com o gol de cabeça do lateral piauiense Carlinhos, de 35 anos, completando cruzamento de Diego Gonçalves, aos 33, quatro minutos após o zagueiro carioca Kadu Fernandes, de 26 anos, marcar o gol do Boavista, aos 29, depois de cabeçada de Di Maria na trave. Na volta do intervalo, as cinco substituições do técnico Enderson Moreira nada acrescentaram ao rendimento discreto e improdutivo do Botafogo.

O GOLEIRO GATITO voltou sem ser tão exigido e sem culpa no gol; o lateral Rafael iniciou, mas não voltou para o 2º tempo, com fortes dores na perna. O meia Juninho, ex-capitão do sub-20, e seu substituto Rikelmi, outro estreante, têm que render mais, assim como os atacantes Matheus Nascimento e Gabriel Conceição, que o substituiu. A saída de Rafael Navarro, campeão e artilheiro do time na Série B, deixou o Botafogo sem aquele homem de área que decide.

DIFERENÇA ALVINEGRA – Enquanto o Botafogo estreou com R$92.040,00, 2.734 pagantes, o Corinthians estreou no Campeonato Paulista com R$1.307.561,00, 23.903 pagantes, no 0 x 0 da noite de ontem (25), na Arena Corinthians, com a Ferroviária de Araraquara. Aliás, não é só o alvinegro carioca; o alvinegro paulista também nem sempre estreia com vitória, tanto que repetiu o 0 x 0 do primeiro jogo de 2021 com o Bragantino.

É IMPORTANTE QUE O BOTAFOGO apresente uma equipe mais forte. A que estreou no 1 x 1 com o Boavista – Gatito, Rafael (Daniel Borges), Kanu, Joel Carli e Carlinhos; Fabinho, Romildo e Juninho (Rikelmi); Diego Gonçalves (Felipe Ferreira), Mateus Nascimento (Gabriel Conceição) e Luis Fernando (Ronald) – é bem modesta para as pretensões do clube na temporada 2022. O gestor John Textor precisa investir, muito e rápido.

BOAVISTA 1 x 1 BOTAFOGO ficou 12 minutos interrompido no 1º tempo, por falha em alguns refletores. O gramado está melhor que em 2021 e a arbitragem de Paulo Renato Coelho foi boa, com acerto nos cartões amarelos aplicados em Di Maria – segundo ele, pela semelhança com o craque argentino do PSG -, único advertido do Boavista, do técnico Leandrão, e em Gabriel Conceição e Joel Carli, que se excedeu na reclamação.

Foto: UOL