O Botafogo conseguiu ganhar três jogos consecutivos pela primeira vez no Brasileirão 2019, e com o 1 x 0 da noite de ontem (27), na Arena Condá, não só ficou mais aliviado, com 42 pontos, como também provocou o primeiro rebaixamento da Chapecoense, que estava na Série A desde 2014.

PRIMEIRO GOL – O gol que deu a décima terceira vitória ao Botafogo foi o primeiro como profissional do atacante Rhuan, aos nove minutos do segundo tempo, encobrindo o goleiro, após bela assistência do meia João Paulo. Rhuan é carioca, 19 anos, e saiu do sub-20, treinado por Marcos Soares, para o time principal em agosto de 2018.

DUAS VITÓRIAS –  O Botafogo subiu mais uma posição e terminou a rodada em décimo terceiro, por ter mais duas vitórias (13 a 11) que o Atlético Mineiro, também com 42 pontos, após o único empate (1 x 1) da noite de ontem (27), em Salvador. Cazares fez o gol do Atlético aos 9, e Elber empatou para o Bahia aos 19, ambos no segundo tempo.

QUARTO 1 x 0 -Das 13 vitórias do Botafogo, quarta por 1 x 0 e a primeira no returno, em que o time havia perdido sete jogos como visitante, sem fazer gol em cinco. O Botafogo realiza uma de suas piores campanhas como visitante, com apenas três vitórias no Brasileirão 2019, uma delas sobre o CSA (2 x 1) e a outra sobre o Fluminense (1 x 0).

GATITO BEM – O goleiro Gatito completou três jogos sem sofrer gol, depois de 2 x 0 no Avaí, em Florianópolis; 1 x 0 no Corinthians, quando voltou dos amistosos com a seleção paraguaia, e o 1 x 0 na Chapecoense, em que não chegou a ser tão exigido. É consenso que a defesa melhorou com Marcelo no lugar do argentino Joel Carli, outra vez na reserva.

VANTAGEM – Foi o décimo Chapecoense x Botafogo na Arena Condá, agora com 6 vitórias do Botafogo, três da Chapecoense e um empate. No Brasileirão, o desempate foi favorável ao Botafogo com a terceira vitória. A Chapecoense venceu dois jogos e até hoje não houve empate no oeste catarinense. No turno, no estádio Nilton Santos, 0 x 0.

BOTAFOGO – Gatito, Fernando, Marcelo, Gabriel e Yuri; Cicero, Alex Santana e João Paulo (Jean, 19 do segundo tempo); Rhuan, Diego Souza (Vinícius, 43 do segundo tempo) e Igor Cassio (Luis Fernando, intervalo). Foi a quarta vitória em 10 jogos do técnico Alberto Valentim, que sofreu seis derrotas desde que voltou ao Botafogo.

Dos três jogos finais, o Botafogo fará dois no estádio Nilton Santos, no próximo fim de semana com o Internacional, e na última rodada com o Ceará. Será visitante na penúltima rodada quando jogará com o Atlético Mineiro, em Belo Horizonte.

CHAPECOENSE – João Ricardo, Eduardo, Douglas, Maurício Ramos (Camilo, 16 do segundo tempo) e Bruno Pacheco; Marcio Araújo, Roberto (Gustavo Campanaro, 33 do segundo tempo), Renato (Artur Gomes, 26 do segundo tempo) e Amaral; Henrique Almeida e Everaldo. Técnico – Marquinhos Santos, terceiro a dirigir o time no campeonato.

REBAIXADA – Penúltima colocada com 28 pontos em 35 jogos, a Chapecoense foi rebaixada pela primeira vez faltando três rodadas. Só venceu seis jogos, três como mandante, e das 19 derrotas, 10 foram em casa. O saldo negativo é de 22 gols, com 27 marcados e 49 sofridos, terceira defesa mais vazada.

TRÊS CARTÕES – O árbitro Anderson Luis Daronco, da Federação Gaúcha e da FIFA, teve atuação correta, em jogo que não chegou a ter rendimento prejudicado pela chuva na Arena Condá, em Chapecó, no oeste de Santa Catarina. O zagueiro Gabriel foi o único do Botafogo advertido com cartão amarelo. Os da Chapecoense, Maurício Ramos e Bruno Pacheco. 

Foto: Gazeta Esportiva