Já eliminado com a derrota da última sexta (31) para a Cabofriense – 1 x 0 em São Januário -, o Vasco iniciou fevereiro da mesma forma como terminou janeiro, perdendo de novo por 1 x 0 neste domingo (1) para o Botafogo, no estádio Nilton Santos. O jogo teve três bolas na trave no primeiro tempo, e o gol foi do meia Igor Cassio, aos 45 do segundo tempo, depois que a bola bateu em seu peito, na volta do chute defendido pelo goleiro.

COM 9 PONTOS, o Botafogo pode perder a vice-liderança do Grupo A para o Flamengo, com 7, que vai escalar o time titular, pela primeira vez no campeonato de 2020, no jogo desta segunda (3) com o Resende, penúltimo do Grupo B e ainda sem vitória, às 20 horas, no Maracanã. A tendência é que o Flamengo se iguale em vitórias (3) e ultrapasse o Botafogo no saldo de gols (ambos têm 1, o Botafogo com 6 a 5 e o Flamengo com 4 a 3).

BOM LEMBRAR – Disputada desde 1965, ano do IV Centenário do Rio de Janeiro, com o Vasco campeão ao vencer (2 x 0) o Botafogo, a Taça Guanabara tem no Flamengo o maior vencedor com 21 títulos, último em 2018. O Vasco, campeão em 2019, é o segundo com 13 títulos. O Fluminense, 10; último em 2017, e o Botafogo, 8; último em 2015. Os outros vencedores foram o América, em 1974; o Americano, em 2002, e o Volta Redonda, em 2005.

DESFIGURADOS – Em flagrante desrespeito ao público, que está se afastando cada vez mais de um campeonato a cada ano mais desvalorizado, Botafogo e Vasco se apresentaram com a maioria de reservas, o que o Flamengo também adotou nas primeiras rodadas, sob pretexto de que terão estreia quarta (5) na Copa do Brasil, o Botafogo com o gaúcho Caxias, e na Copa Sul-Americana, o Vasco com o boliviano Oriente Petrolero.

VERGONHOSO – Um clássico tradicional e cuja história se tornou marcante pela participação de alguns dos nomes expressivos do futebol mundial – Ademir, Bellini, Vavá, Romário, Nilton Santos, Garrincha, Jairzinho e outros inesquecíveis -, não pode ter, como o deste primeiro domingo (2) de fevereiro de 2020, 11.725 pagantes e renda de R$241.940,00. Vergonhoso para clubes da grandeza e da expressão de Botafogo e Vasco, que têm nome a zelar.

BOTAFOGO – Gatito, Fernando, Benevenuto, Kanu e Guilherme; Tiaguinho, Alex Santana (Caio Alexandre, 34 do segundo tempo) e Bruno Nazario; Luis Fernando (Rhuan, 37 do segundo tempo), Navarro (Igor Cassio, 19 do segundo tempo) e Luis Henrique. Técnico – Alberto Valentim. O Botafogo estreia quarta (5) na Copa do Brasil, em que só o campeão tem vaga na Libertadores, com o Caxias, no estádio Centenário, em Caxias do Sul, na Serra Gaúcha.

VASCO – Lucão, Caio Tenório, Ulisses, Miranda e Alexandre; Andrey, Marcos Júnior e Juninho (Caio Lopes, 10 do primeiro tempo); Vinícius (Talles, 26 do segundo tempo), Tiago Reis e Ribamar (Marrony, 17 do segundo tempo). Técnico – Abel Braga. O Vasco estreia quarta (5) na Copa Sul-Americana com o Oriente Petrolero, em São Januário. O jogo de volta será dia 19, no estádio Ramon Tahuichi Aguillera, em Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia. Sem altitude.

O MAIS JOVEM – O Vasco promoveu a estreia de Lucão, seu goleiro mais jovem do século 21, aos 18 anos e 11 meses. Natural de Barra Mansa, 1,90m, Lucas Alexandre Galdino Azevedo foi campeão sul-americano sub-17 e desponta como uma das mais seguras promessas da posição do futebol brasileiro. Lucão estuda no Colégio Vasco da Gama e tem orientação segura dos pais Vanda e Alexandre em sua formação.

Foto: Futebol Interior