Escolha uma Página

O Botafogo fez 1 x 0 com o gol de cabeça de Mateus Babi aos 44, sofreu o empate aos 46 com o gol de Ytalo, e aos 41 do segundo tempo, levou a virada (2 x 1) do Bragantino, com o gol de Claudinho, de pênalti, aos 41 minutos, no jogo que completou a rodada 21 do Campeonato Brasileiro, na noite de ontem (16), no estádio Nilton Santos. Como há coisas que só acontecem ao Botafogo, foi a primeira vitória do Bragantino como visitante, depois de cinco derrotas e cinco 1 x 1.

POR TABELA – O Bragantino não só saiu do rebaixamento e manteve o Botafogo em penúltimo, como também, por tabela, atingiu o Vasco, que caiu para décimo sexto com 22 pontos, igual ao Athletico Paranaense, primeiro do rebaixamento, só se salvando por diferença de um gol no saldo negativo: o Vasco tem menos 4 (22 a 26) e o Athletico menos 5 (16 a 21). O Bragantino, com 23 pontos, é décimo quinto, mas também com saldo negativo de 3 gols (25 a 28).

BEM FRACO – Botafogo e Bragantino fizeram jogo bem fraco, com pequena melhora no fim do primeiro tempo, quando marcaram os gols. O de Mateus Babi, do Botafogo, aos 44, foi em cabeçada de estilo, bem colocada no contrapé do goleiro Cleiton, após o cruzamento sob medida do lateral Victor Luis. O Bragantino teve reação imediata e empatou aos 46, com Ytalo finalizando da entrada da área, no canto, após falhas da defesa, a última de Benevenuto, que errou na rebatida.

TRAVESSÃO – Os times fizeram início movimentado, mas diminuíram o ritmo ainda na metade do primeiro tempo. Houve pouca mudança de empenho na volta do intervalo, e em uma das raras chances de gol, Bruno Nazario acertou o travessão, depois que o goleiro Cleiton desviou sua cabeçada, após cruzamento do atacante Eber Bessa, pela primeira vez titular em três jogos. O gol da vitória do Bragantino, aos 41, foi de pênalti – toque do zagueiro Kanu -, que Claudinho cobrou no meio do gol de Cavalieri.

QUARTA DERROTA – O Botafogo sofreu a quarta derrota em 11 jogos no estádio Nilton Santos: 1 x 2 Bahia, 0 x 2 Internacional, 2 x 3 Vasco e 1 x 2 Bragantino. Dos 11 empates, cinco também foram em seu estádio: 0 x 0 Coritiba, Santos e Goiás; 1 x 1 Fluminense e 2 x 2 Ceará. As duas únicas vitórias foram por 2 x 1, no Atlético Mineiro e no Palmeiras. No jogo do turno, em Bragança Paulista, Bragantino e Botafogo empataram (1 x 1).

BOTAFOGO – Diego Cavalieri, Kevin, Benevenuto, Kanu e Victor Luis; Zé Welison, Caio Alexandre (Pedro Raul) e Honda; Bruno Nazario (Rhuan), Eber Bessa (Davi Araújo) e Mateus Babi (Kalou). O time foi dirigido por Emiliano Diaz, filho do técnico Ramon Diaz, argentino de 61 anos, que se recupera de cirurgia. Não se viu evolução alguma no desempenho. O treinador é igual aos outros: colocou dois atacantes faltando cinco minutos para o final, sem tempo para que pudessem melhorar a atuação do time.

BRAGANTINO – Cleiton, Aderlan, Leo Ortiz, Ligger e Weverson (Luan Candido); Ryller (Mateus Jr), Raul e Cuello (Helinho); Artur, Ytalo (Chrigor) e Claudinho. Técnico – Maurício Barbieri. O Bragantino desempatou a estatistica, até então com seis vitórias de cada time e seis empates, e também se igualou ao Botafogo com quatro vitórias, nos nove jogos em que o Botafogo teve o mando de campo: agora, quatro vitórias de cada time e um empate no estádio Nilton Santos.

A PRIMEIRA – Depois de dez jogos como visitante, o Bragantino conseguiu a primeira vitória em sua volta à Série A do Campeonato Brasileiro de 2020. Os cinco empates, todos por 1 x 1, foram com Santos, Athletico Paranaense, Vasco e Flamengo, e quatro, das cinco derrotas, por 2 x 1 para o Bahia, Atlético Mineiro, Atlético Goianiense e Grêmio, e por 3 x 0 para o Fortaleza.

TRÊS CARTÕES – O árbitro Rodolpho Toski Marques, da Federação Paranaense e da FIFA, teve boa atuação e só aplicou três cartões amarelos em jogadores do Bragantino: Leo Ortiz, Cuello e Helinho. Aplicou sempre bem a lei da vantagem e o VAR confirmou seu acertou na marcação do pênalti cometido com o braço pelo zagueiro Kanu. O Botafogo volta domingo (22) ao estádio Nilton Santos para o jogo com o Fortaleza, e o Bragantino recebe sexta (20) o Bahia, em Bragança Paulista.

BAHIA QUEBRA TABU – Depois de 35 anos, o Bahia voltou a vencer o Coritiba no estádio Couto Pereira, na noite desta segunda (16), com o gol da virada (2 x 1) marcado com estilo e com efeito, de curva, pelo lateral-esquerdo Zeca, aos 27 do segundo tempo. O Coritiba fez 1 x 0 logo aos 2 minutos, com o gol de Giovanni Augusto, que teve outro anulado, aos 36, por toque de Neilton no início do lance. Antes da saída para o intervalo, Elber empatou para o Bahia aos 37.

SEGUNDA FORA -Douglas, Nino, Lucas Fonseca, Anderson (Juninho) e Mateus Bahia (Zeca); Gregore, Ronaldo e Daniel (Rodriguinho); Fessin (Rossi), Gilberto e Elber (Marco Antonio) – o time da terceira vitória consecutiva do Bahia, que manteve o nono lugar com 28 pontos em 21 jogos – 8 vitórias, 4 empates, 9 derrotas -, mas ainda com saldo negativo de dois gols (28 a 30). O próximo jogo do time comandado pelo técnico gaúcho Mano Menezes será sexta (20) com o Bragantino, em Bragança Paulista.

O CORITIBA não contou com nove titulares nem com o técnico Rodrigo Santana, infectados pela Covid-19, e o time foi dirigido pelo ex-atacante Pachequinho, integrante permanente da comissão técnica como funcionário do clube, desde que encerrou a carreira. A equipe caiu para o décimo oitavo lugar, com 20 pontos, igual ao Botafogo, penúltimo, mas com mais duas vitórias (5 a 3) que o alvinegro carioca. 

Foto: Yahoo Esportes