O Botafogo iniciou junho com boa vitória – 1 x 0, gol de Diego Souza aos 13 do segundo tempo – e manteve o Vasco, ainda sem vencer, na lanterna do Brasileirão 2019, neste domingo (1) com tempo nublado. Foi o tricentésimo jogo no estádio Nilton Santos e o Botafogo conseguiu a vitória 168, dedicada ao goleiro Gatito, que completou 100 jogos e só voltará ao time em julho, após defender a seleção do Paraguai na Copa América. R$644.632,00. 16.829 pagantes.

TERCEIRA VITÓRIA – Foi a que o Botafogo conseguiu como mandante, depois de 3 x 2 no Bahia, 1 x 0 no Fortaleza e no Vasco. No Rio, sem ter o mando, também venceu (1 x 0) o Fluminense, no Maracanã, e a única derrota que sofreu em seu estádio (1 x 0) foi para o líder Palmeiras. O Botafogo apresentou ligeira superioridade sobre o Vasco, sobretudo após o intervalo com Pimpão no lugar de Luis Fernando. O Vasco teve a melhor chance do primeiro tempo com o chute de Tiago Reis na trave aos 34.

BOTAFOGO – Gatito, Fernando, Joel Carli, Gabriel e Gilson; Gustavo (Alan Santos, 22 do segundo tempo), João Paulo e Cicero (Jean, 39 do segundo tempo); Luis Fernando (Pimpão, intervalo), Diego Souza e Erik. Técnico – Eduardo Barroca. Com a quarta vitória, o Botafogo soma 12 pontos e espera pelos outros resultados para saber em que posição terminará a sétima rodada. O time zerou o saldo de gols, que estava negativo: 6 x 6. Os dois últimos jogos, antes da Copa América, serão com o CSA, em Maceió, e com o Grêmio no Rio.

VASCO – Sidão, Pikachu, Werley, Ricardo e Danilo; Felipe Bastos (Andrey, 23 do segundo tempo), Lucas (Yan Sasse, 18 do segundo tempo) e Marcos Júnior; Rossi, Tiago Reis (Talles, 14 do segundo tempo) e Marrony. Técnico – Vanderlei Luxemburgo. Com três empates e a quarta derrota, o Vasco permanece em último lugar com saldo negativo de 8 gols (5 a 13). Os dois últimos jogos antes da Copa América serão em São Januário, com o Internacional e o Ceará.

CINCO CARTÕES – O árbitro Vinícius Dias, da Federação Paulista, teve boa atuação e advertiu quatro com cartão amarelo, o primeiro logo aos três minutos para Rossi, que ajeitou a bola com o braço; o segundo para Felipe Bastos aos 36, por falta dura em Gilson, e o terceiro do Vasco, ainda no primeiro tempo, para Lucas, por falta ao Luis Fernando, aos 11. Os do Botafogo foram para Erik, por reclamação, aos 42 do primeiro tempo, e para Gatito, nos acréscimos, por retardar o jogo aos 48 minutos.

DOMINGO TRISTE – No intervalo foi respeitado um minuto de silêncio pela morte do ex-atacante Luizinho Lemos, que jogou no Botafogo em 78-79. Dos 434 gols da carreira, Luizinho marcou 311 como maior artilheiro do América, que defendeu em 73-74 e 82-84, e foi artilheiro do Campeonato Carioca de 1974 com 20 gols e de 1983 com 22. Luizinho ganhou no América a Taça Guanabara de 74 e a Copa dos Campeões em 82.

Luizinho havia colocado dois stents em 2010 e 2010, e sofreu infarto dia 25 de maio, no estádio Joaquim Flores, do EC Nova Cidade, em Nilópolis, aos 22 do segundo tempo, após a parada técnica do jogo com o Nova Cidade, pela primeira rodada da Série B1, segunda divisão do Rio de Janeiro. Atendido pelo médico Alvaro Chaves e levado ao Hospital Municipal Juscelino Kubitschek, o ex-atacante melhorou pouco e morreu neste primeiro domingo de junho (2), aos 68 anos. Luizinho nasceu em 3 de outubro de 1952, em Niterói, e era irmão dos ex-atacantes Caio e Cesar (ex-Flamengo e Palmeiras).

Foto: Paraíba Online