O Botafogo voltou a vencer depois de duas derrotas e um empate, e com os 2 x 1 no Atlético Mineiro, na tarde deste domingo (8), no estádio Nilton Santos, terminou a décima oitava rodada se mantendo bem no meio da tabela, em décimo lugar. Foi a quinta vitória em nove jogos como mandante, segunda por 2 x 1.

VANTAGENS – O Botafogo saiu para o intervalo com duas vantagens, com o gol de Diego Souza, aos 44, convertendo o pênalti, cometido com o braço, ao desviar a falta batida pelo lateral Gilson, por seu ex-zagueiro Igor Rabeloexpulso após a revisão do árbitro de video, porque já havia sido advertido com cartão amarelo. 

SEGUNDO GOL – O Botafogo não fez bom primeiro tempo e foi dominado na maior parte, mas cresceu na volta do intervalo com mais um em campo e chegou ao segundo gol, que lhe deu mais tranquilidade para administrar a vantagem. Em contra-ataque, Alex Santana aproveitou o lançamento do chileno Valencia e fez 2 x 0 com chute forte no alto.

QUINTA SEGUIDA – Embora com muita disposição, o Atlético Mineiro, com menos um, não teve como evitar a quarta derrota consecutiva, segunda sem fazer gol. Só nos acréscimos foi que o argentino Franco Di Santo, 30 anos, que estava há quatro temporadas no alemão Schalke-04, fez o que os mais antigos tratavam como gol de honra, já aos 48 minutos.

BOTAFOGO – Diego Cavalieri, Fernando (Gustavo, 14 do segundo tempo), Joel Carli (cap), Marcelo e Gilson; Alex Santana, João Paulo (Valencia, 14 do segundo tempo), Cicero e Marcinho; Luis Fernando e Diego Souza (Vinícius, 33 do segundo tempo). O técnico Eduardo Barroca acertou na improvisação do lateral Marcinho no meio-campo. Foi bem.

O Botafogo terminou a rodada em décimo com 26 pontos – 8 vitórias, 2 empates, 8 derrotas, mas ainda com saldo negativo de 1 gol – marcou 18 e sofreu 9 -, e termina o turno com o Ceará, domingo (15), em Fortaleza, e abre o returno com o São Paulo, no estádio Nilton Santos.

ATLÉTICO – Wilson, Patric, Rever (cap), Igor Rabelo e Fabio Santos; Jair (José Welison, 34 do primeiro tempo), Elias, Juan Cazares e Vinícius; Chará (Franco Di Santo, 33 do segundo tempo) e Ricardo Oliveira (Leonardo Silva, 44 do primeiro tempo), quando o técnico Rodrigo Santana precisou recompor a defesa com a expulsão de Igor Rabelo.

O Atlético, apesar da quarta derrota consecutiva, continua em oitavo lugar com 27 pontos – 8 vitórias, 3 empates, 7 derrotas – e com saldo de três gols (23 marcados, 20 sofridos). Faz o último jogo do turno com o Internacional, domingo (15), em Belo Horizonte, e abre o returno com a Chapecoense, na Arena Condá, no oeste catarinense.

SETE CARTÕES – Braulio Machado da Silva, da Federação Catarinense, teve atuação muito boa. Aplicou cartões amarelos em Fernando, Joel Carli e Luis Fernando, do Botafogo, e em Rever, Fabio Santos e Igor Rabelo, punido com expulsão após o segundo cartão amarelo. 

PROTESTO – Os torcedores do Botafogo deixaram claro o apoio aos jogadores, há dois meses sem salário e há três meses sem direito de imagem, e protestaram contra o presidente Nelson Mufarrej Filho. R$213.474,00. 10.678 pagantes no estádio Nilton Santos. Foi o terceiro jogo de 2019 entre os times e o Atlético havia eliminado o Botafogo da Copa Sul-Americana, com 1 x 0 e 2 x 0.

Foto: Uol Esporte