Seis anos depois de ganhar (3 x 0) da Espanha, na final de 30 de junho de 2013 da Copa das Confederações, seu último título, a seleção brasileira volta ao Maracanã no primeiro domingo (7) de julho de 2019 para decidir a Copa América com Chile, atual bicampeão, ou Peru, que decidirão a outra vaga na noite de hoje (3), na Arena Grêmio. O lateral Daniel Alves, hoje capitão, e o zagueiro Tiago Silva, que era o capitão em 2013, são os únicos remanescentes da seleção dirigida pelo técnico Luiz Felipe Scolari. 

BOM LEMBRAR – O Brasil fez 2 x 0 no primeiro tempo, gols de Fred aos 2 e Neymar aos 44, e logo na volta do intervalo, Fred marcou o terceiro gol aos 3 minutos. Foi o quarto título, terceiro consecutivo, após ganhar em 1997, 2005 e 2009. Brasil – Julio Cesar, Daniel Alves, Tiago Silva (cap), David Luiz e Marcelo; Paulinho (Jadson), Luis Gustavo e Oscar; Hulk (Jô), Fred (Hernanes) e Neymar, eleito melhor jogador do torneio

Foto: Gulf News

BEM MELHOR – O Brasil foi bem melhor que a Argentina, na noite de ontem (3), no Mineirão, e mereceu a vaga para voltar à final da Copa América depois de 12 anos, quando ganhou o último título em 2012, vencendo (3 x 0) a própria Argentina, na decisão em Maracaibo, na Venezuela. Gabriel Jesus fez 1 x 0 aos 19 do primeiro tempo, com passe rasteiro de Firmino, a quem retribuiu para que marcasse o segundo gol, aos 25 do segundo tempo, depois de uma arrancada do próprio campo.

BRASIL – Alisson, Daniel Alves (cap), Marquinhos (Miranda, 19 do segundo tempo), Tiago Silva e Alex Sandro; Casemiro, Arthur e Philippe Coutinho; Gabriel Jesus (Allan, 35 do segundo tempo), Firmino e Everton (Willian, intervalo). Foi o jogo 41 do técnico Tite, com 32 vitórias, 7 empates, 2 derrotas e 2 gols sofridos. Na Copa América 2019, o Brasil ainda não sofreu gol e marcou 10 (4 no primeiro tempo). A decisão de domingo (7) com Chile ou Peru será às 17 horas, no Maracanã.

Foto: The Seattle Times

ARGENTINA – Armani, Foyth, Pezzella, Otamendi e Tagliafico (Dybala, 40 do segundo tempo); Paredes, De Paul (Lo Celso, 21 do segundo tempo) e Acuña (Di Maria, 14 do segundo tempo); Messi (cap), Lautaro Martinez e Aguero. O técnico Lionel Scaloni foi advertido com cartão amarelo aos 29 do segundo tempo, após três reclamações. A Argentina decidirá o terceiro lugar, sábado (6), com o perdedor de Chile x Peru, às 16 horas, na Arena Corinthians. A Argentina completou 11 jogos sem vencer o Brasil como visitante, ao sofrer a nona derrota na noite de ontem (2), no Mineirão.

NOVE CARTÕES – O árbitro Roddy Zambrano, do Equador, advertiu três com cartões amarelos no primeiro tempo: Tagliafico, logo aos oito minutos, por falta em Gabriel Jesus, e Acuña e Daniel Alves, aos 39, por troca de ofensas e empurrões. No segundo tempo, Foyth, aos 4, por falta em Willian; Acuña, aos 9, por falta em Daniel Alves; Lautaro Martinez, aos 13, por falta em Firmino; Allan, aos 37, por falta em Aguero; Aguero, aos 48, por falta em Daniel Alves, e mais o cartão amarelo do técnico argentino.

Foto: Express Digest / Reuters

O árbitro Roddy Zambrano teve atuação confusa e se deixou envolver pelas seguidas reclamações dos jogadores. Está longe do nível dos europeus, que não permitem a aproximação do jogador nem conversam, restringindo-se às marcações e fazendo o jogo ter sempre desenrolar muito rápido. O padrão da arbitragem sul-americana precisa de uma boa reciclagem.  BRASIL 2 x 0 ARGENTINA, com R$18.744.445,00. 52.235 pagantes.

Foto: A Tarde – UOL