Tão importante quanto começar bem com os 3 x 0 na estreante Jamaica, foi o Brasil ter iniciado a oitava Copa do Mundo Feminina com a artilheira, a atacante Cristiane, de 34 anos, que marcou os três gols em seu último ano como jogadora da seleção. O Brasil foi superior na maior parte do jogo e já saiu para o intervalo com 2 x 0, além de não ter aproveitado um pênalti, que a goleira da Jamaica defendeu na cobrança de Andressa. O próximo jogo será com a Austrália, que estreou perdendo (2 x 1) para a Itália.

CRISTIANE Rozeira de Souza Silva, paulista de Osasco, vai comemorar 35 anos no próximo sábado (15). Iniciou no Juventus, da capital paulista, em 2005-06, quando foi para a Alemanha e jogou no Potsdam e no Wolfsburg. Em 2007 e 2008 ganhou a chuteira de bronze como terceira melhor do mundo. Jogou no Paris Saint Germain e no Changchun Yatai, da China, voltando ao Brasil em janeiro de 2019 para encerrar a carreira no São Paulo, em mais um ou dois anos.

A MAIS VELHA – Cristiane tornou-se a mais velha a marcar três gols em um jogo de Copa do Mundo, aos 34 anos e 25 dias, além de passar a ser a primeira a fazer gol em três Copas diferentes (2007, 2011 e 2019). Depois de Sissi e Pretinha, é a terceira da seleção brasileira a marcar três gols em um jogo. O primeiro, aos 16 minutos, de cabeça, em cruzamento de Andressa, o que repetiu logo aos 4 do segundo tempo, e o terceiro aos 18, em primorosa cobrança de falta.

OUTRO RECORDE – O Brasil poderia ter saído com 2 x 0 para o intervalo, mas Andressa bateu rasteiro e fraco o pênalti no canto direito e a goleira Schneider defendeu sem tanta dificuldade. A meia-atacante baiana Formiga bateu neste domingo (9) o próprio recorde de jogadora mais velha em uma Copa, aos 41 anos e 98 dias. Foi a única da seleção advertida com cartão amarelo pela árbitra Riem Hussein, aos 13 do segundo tempo, por um carrinho na meia Shaw. Bom lembrar: o recorde anterior era da americana Christie Rampone, aos 40 anos e 12 dias, na Copa de 2015. E bom dizer: a árbitraRiem Hussein, de 39 anos, é alemã de ascendência palestina e foi jogadora de times da segunda divisão da Alemanha.

BRASIL – Barbara, Letícia, Kathellen (Daiane), Monica e Tamires; Thaísa, Formiga, Andressa e Debinha; Bia (Geyse) e Cristiane (Ludmila). A atacante Marta, mesmo sem condições de jogo – dores na coxa – ficou no banco de reservas. Técnico – Oswaldo Alvarez, de 62 anos, paulista de Monte Azul, que iniciou a carreira em 92 no Mogi Mirim. Seu primeiro time grande foi o Atlético Paranaense, em 99, depois Corinthians e São Paulo. Comandou duas vezes os arquirrivais Guarani e Ponte Preta, e dirigiu o Tokyo Verde, em 2005, deixando boa impressão no Japão.

SEM ESTACIONAMENTO – O estádio dos Alpes, em Grenoble, cidade do sudeste francês, inaugurado em fevereiro de 2008, com 20.068 lugares, é um dos raros do mundo sem estacionamento. A cidade é visitada por mais de três milhões de turistas por ano, boa parte de esquiadores. Grenoble é tratada como a capital dos Alpes franceses. Importante centro científico do país, recebe 60 mil universitários pela qualidade do ensino e 16% são estrangeiros. 18 mil espectadores assistiram Brasil 3 x 0 Jamaica.

Foto: Jornal Hoje em Dia