Foto: Tite observa treinamento no MK Stadium, na Inglaterra. FRANK AUGSTEIN AP

Jogar com a inexpressiva seleção de Camarões, nada representa para a seleção brasileira no último amistoso de 2018, na noite desta terça (20), no estádio Milton Keynes Don – 30.500 lugares, todos com assento -, na pequena Milton Keynes, cidade de 190 mil habitantes, 70 km ao sudeste de Londres, capital da Inglaterra, onde fica a fábrica da equipe austríaca Red Bull Racing, participante do Mundial de Fórmula 1. Fundado em 1967, o clube disputa a segunda divisão desde 2004.

SEXTO JOGO – Brasil e Camarões jogarão pela sexta vez. Na primeira, em 24/6/94, em Palo Alto, na Califórnia, pela Copa do Mundo, o Brasil venceu (3 x 0), assim como na última, em 23/6/2014, em Brasília, onde a vitória foi mais ampla (4 x 1), também na fase de grupos da Copa do Mundo. O segundo jogo, em 13/11/1996, em Curitiba, foi um amistoso que o Brasil ganhou (2×0). Os outros dois foram pela Copa das Confederações, em 31/5/2001, em Kashima (Japão), Brasil 2 x 0, e a única vitória de Camarões (1 x 0), em 19/6/2003, no estádio de Saint Denis, nos arredores de Paris.

MUDANÇAS – O goleiro reserva Ederson, do Manchester City, campeão inglês, terá nova chance, saindo Alisson, titular desde a última Copa, que joga no Liverpool. O ex-corintiano Pablo, zagueiro do francês Bordeaux, substituirá Miranda, da Inter de Milão, que será poupado “por ter mais idade e estar desgastado”, como frisou o próprio técnico. Alex Sandro, lateral-esquerdo da Juventus, campeã da Itália, substituirá Filipe Luis, do Atlético de Madrid.

Foto: Lucas Figueiredo / CBF

ATACANTES – É certo que Neymar e Firmino iniciarão, mas a outra vaga no ataque pode ser de Willian, do Chelsea de Londres, ou de Richarlison, do Everton, de Liverpool. Mesmo que não comece, Richarlison vai entrar no decorrer do jogo, como aconteceu na vitória (1 x 0) sobre o Uruguai, na última sexta (16), no estádio do Arsenal. O técnico também deixou em aberto o terceiro nome do meio-campo – Allan, do Napoli, que entrou no segundo tempo do jogo com o Uruguai, ou Rafinha, meia do Barcelona -, com Walace (Hannover) e Arthur (Barcelona) mantidos.

PROVÁVEL – Sem a definição também do lateral-direito, a seleção deve iniciar com Ederson, Danilo ou Fabinho, Marquinhos, Pablo e Alex Sandro; Walace, Arthur e Allan ou Rafinha; Willian (Richarlison), Firmino e Neymar. No segundo tempo, o zagueiro Dedé pode entrar no lugar de Marquinhos. O jogador do Cruzeiro deixou claro que prefere atuar pelo lado direito da zaga. Como se trata de amistoso, o limite de substituições é de cinco.

CAMARÕES – É a quinta seleção africana que o Brasil enfrenta desde que Tite assumiu em 2016. Apesar de seu histórico em Copas do Mundo – participou de sete e obteve a melhor colocação em 90, na Itália, em quinto lugar -, Camarões não vive boa fase com o técnico Seedorf, 42 anos, campeão em três dos maiores times europeus – Ajax, Real Madrid e Milan – e que brilhou de 2012 a 2014 no Botafogo, com 24 gols em 81 jogos.

A seleção de Camarões perdeu o último amistoso, sexta (16), em Casablanca, para a seleção do Marrocos (2 x 0), depois de ganhar sem brilho da seleção do Malawi (1 x 0) e de dois empates (1 x 1) com a ainda menos expressiva seleção das Ilhas Comores.

NEM SEMPRE – Certa vez conversei com Nilton Santos e quis saber dele “se basta ter sido bom jogador para ser bom técnico”, e ele me respondeu: nem sempre. É o que parece acontecer com Seedorf, único da história do futebol mundial que ganhou a Liga dos Campeões da Europa em três times diferentes: Ajax – 94-95, Real Madrid – 97-98, e Milan – 2002-03 e 2006-07, no time em que mais atuou: 432 jogos, 62 gols, de 2002 a 2012. No total da carreira, de 1990 a 2014, Seedorf fez 887 jogos e 145 gols.

Foto: site / portaldoholanda.com.br

QUARTA CHANCE – Seedorf está tendo na seleção de Camarões a quarta chance como técnico. Não obteve resultados favoráveis no Milan e menos ainda no Shenzen, da segunda divisão da China, ficando em torno de cinco meses no comando de cada time. Na temporada 2017-18, no Deportivo La Coruña, sua passagem foi ainda pior: perdeu 50% dos jogos (8), só conseguindo 6 empates e apenas 2 vitórias. O time da Galícia foi rebaixado para a Série B.

CAMARÕES será sede da próxima Copa Africana de Seleções, o que lhe garante participação, sem depender de eliminatórias. Seedorf encontrou a seleção com vários estrangeiros, inclusive os três goleiros, Kameni (Fenerbahçe, Turquia), Onana (Ajax, Holanda) e Ondoa (Ostende, Bélgica). Há outros jogadores que atuam na França, Holanda e Alemanha, mas sem a qualidade técnica para formar uma seleção competitiva. Bom dizer: Camarões ganhou cinco vezes a Copa Africana de Seleções, a última em 2007.

A SELEÇÃO de Camarões deve usar no amistoso com o Brasil o primeiro uniforme – camisa verde, calção vermelho e meia amarela – com a seleção brasileira jogando de meia branca, calção azul e camisa amarela, seu uniforme principal. O segundo uniforme de Camarões é todo amarelo e o terceiro, todo branco. Qualquer que seja o utilizado, o goleiro joga todo de preto ou todo de azul.

BOM DIZER: a República de Camarões, na costa oeste da África, é um dos países de maior diversidade cultural do continente, com 230 grupos étnicos, que falam 250 línguas e dialetos nativos. Camarões atrai muito os turistas europeus e mais de 40 por cento do seu território são cobertos por florestas tropicais.