O Brasil abre as quartas de final da Copa América 2019, quinta (27), às 21h30m, na Arena Grêmio, em Porto Alegre, com o Paraguai, único sem vitória, entre os oito classificados da fase de grupos. Nos dois últimos jogos que disputaram pela Copa América, o Brasil foi eliminado pelo Paraguai nas quartas de final, nos pênaltis, após 0 x 0 em 2011 na Argentina e 1 x 1 em 2015 no Chile

EMPATE DECIDIU – O adversário do Brasil nas quartas de final seria o vencedor de Japão x Equador, mas o 1 x 1 da noite de ontem (24), no Mineirão, eliminou as duas seleções, e o Paraguai, mesmo sem vencer – 2 x 2 com o Qatar e 1 x 1 com a Argentina, e a derrota (1 x 0) para a Colômbia, classificou-se como um dos melhores terceiros colocados, apesar do saldo negativo de 1 gol (2 marcados, 3 sofridos). Com duas vitórias – 3 x 0 na Bolívia e 5 x 0 no Peru, e o 0 x 0 com a Venezuela -, o Brasil é franco favorito.

UM DOS PIORES – Japão e Equador fizeram um dos piores jogos da Copa América e mereceram o castigo da eliminação na noite de ontem (24), no Mineirão. O placar do primeiro tempo permaneceu até o fim, sem que na volta do intervalo as seleções criassem outras chances de gol. Com um belo gol de cobertura, que marcou da meia-lua, o atacante Nakajima fez 1 x 0 aos 15 minutos, e Ángel Mena, aos 36, empatou na pequena área, aproveitando o rebote do goleiro, após chute do zagueiro Arboleda.

JAPÃO – Kawashima, Iwata, Niochida Ueda, Tomiyasu e Sugioka; Shibasaki (cap), Itakura (Maeda), Miyoshi e Nakajima; Kubo e Okazaki (Akiko Ueda). Técnico – Hajime Moriyasu. O melhor resultado obtido pelo Japão nos três jogos da fase de grupos da Copa América foi o empate (2 x 2) com o Uruguai, em que esteve duas vezes em vantagem. A estreia foi decepcionante, com a goleada (4 x 0) que levou do Chile, e na despedida o 1 x 1 com o Equador, depois de também começar ganhando. O Japão tem volta certa à Copa América em 2020, na sequência da preparação para os Jogos Olímpicos que promoverá pela segunda vez, desde 1964.

EQUADOR – Dominguez, Velasco, Mina, Arboleda e Cristian Ramirez; Gruezo, Orejuela, Jhegson Mendez (Preciado)e Romario Ibarra (Antonio Valencia); Ángel Mena (Chicaiza) e Enner Valencia. Técnico – Hernan Gomez. O Equador também foi eliminado sem vitória. Perdeu para o Uruguai (4 x 0) e para o Chile (2 x 1) e encerrou a participação na Copa América 2019 com o 1 x 1 com o Japão. 

MENOR PÚBLICO – Japão 1 x 1 Equador, no Mineirão quase vazio, registrou o menor público da Copa América 2019: 2.106 pagantes, com R$301.525,00. Alguns torcedores equatorianos fizeram fotos com o meia Juan Cazares, do Atlético Mineiro, não convocado para a seleção, que assistiu ao lado do meia Tiago Neves, do Cruzeiro, em autêntica trégua à rivalidade.

FERNANDO RAPALLÍNI, da Argentina, teve boa arbitragem e só mostrou três cartões amarelos, o único do primeiro tempo para o zagueiro  Tomiyasu, por uma sola no atacante Enner Valencia, advertido aos 38 do segundo tempo, por falta no atacante Kubo, e Chicaiza, aos 47, por falta em Akiko Ueda. 

Foto: Folha Vitória