O PRIMEIRO GOL QUE O BRASIL sofreu na Copa de 2022, na derrota desta 6ª feira (2) para Camarões por 1 x 0, depois de 2 x 0 na Sérvia e 1 x 0 na Suíça, não tirou a seleção do 1º lugar do Grupo G, mas pode impedi-la, na sequência da busca da sexta estrela, a ser a única sem o título invicto, como foram as de 58-62-70-94-2002.

A SELEÇÃO QUE PERDEU para Camarões por 1 x 0, foi a primeira que iniciou um jogo do Brasil, só com reservas, em 22 Copas do Mundo. Dois titulares entraram no 2º tempo: o zagueiro Marquinhos, no meio-campo, ao substituir aos 10 minutos o lateral Alex Telles, e o ponta Raphinha, aos 34 minutos, no lugar de Antony. 

COM OS CASOS MÉDICOS, a seleção ficou sem Danilo e Alex Sandro, obrigando o técnico a improvisar Militão na lateral-direita, e a recorrer a Alex Telles, que também se lesionou. Neymar, a referência, viu o jogo das cadeiras, ao lado de Danilo e Alex Sandro, e no final, entrou em campo só para se solidarizar.

NÃO É SÓ DEPENDÊNCIA, sem Neymar, a seleção fica mesmo sem referência. Quando saiu, Tite recorreu a Rodrygo, Gabriel Jesus, o menos efetivo com mais minutos, e Pedro, que teve a primeira chance, mas nenhum respondeu à altura. Neymar está sendo preparado, mas não se sabe em que condições vai voltar.

A SELEÇÃO DA 1ª DERROTA para uma seleção africana em Copa do Mundo: Ederson, Daniel Alves (c), Militão, Bremmer e Alex Telles (Marquinhos); Fabinho, Fred (Bruno Guimarães) e Rodrygo (Everton Ribeiro); Antony (Raphinha), Gabriel Jesus (Pedro) e Martinelli. Técnico – Tite.

CAMARÕES 1 x 0 BRASIL registrou 75 mil torcedores no estádio Lusail. O árbitro Ismail Elfath, de 40 anos, nasceu em Casablanca, a maior cidade do Marrocos, e vive nos Estados Unidos desde os 18 anos, quando se naturalizou norte-americano. Ele marcou 14 faltas de cada seleção e expulsou Aboubakar pelo 2º amarelo, ao tirar a camisa para comemorar o gol.

DEVIS EPASSY, de 28 anos, 1,87m, goleiro reserva de Camarões brilhou com seis excelentes defesas, duas desviando para escanteio chute e cabeçada de Martinelli. Ele é do Abna, da Arábia Saudita, e ganhou a posição depois que André Onana, titular da Inter de Milão, foi desligado, após discordar do plano de jogo do técnico.

                                   O GOL E A EXPULSÃO DE ABOUBAKAR

O GOL DE CAMARÕES, aos 43 minutos do 2º tempo, foi de Vincent Aboubakar, de cabeça, no canto esquerdo, quase tocando na trave, ao completar o cruzamento da direita do atacante Jerome Mbekeli, de 24 anos, do Colombe, da capital Yaoundé. O goleiro Éderson estava no meio do gol e não teve ação, só olhou a bola entrar.

VINCENT ABOUBAKAR, de 30 anos, 1,84m, é aquariano de 22 de janeiro de 1992, natural da capital Yaoundé. Ele joga no Al Nassr, de Riad, nove vezes campeão da Arábia Saudita, que teve no ex-meia Marcelinho Carioca o brasileiro mais famoso, e foi dirigido por Mano Menezes, Zagallo e Ricardo Gomes, hoje observador da CBF.

O ÚNICO BRASILEIRO do time de Aboubakar é o atacante baiano Anderson Talisca, de 28 anos, ex-seleção brasileira sub-20, Benfica e Besiktas, no Al Nassr desde junho de 2021. Alguns brasileiros passaram pelo time saudita, já dirigido por Zagallo e Mano Menezes, mas o que mais se destacou foi o meia Marcelinho Carioca.

ABOUBAKAR JÁ VESTIU a camisa de seis equipes, mas diz que viveu momentos felizes durante as seis temporadas em Portugal, entre 2014 e 2020. Foi duas vezes campeão da Primeira Liga, da Taça e da Supertaça com o FC Porto: “Pinto da Costa é um senhor presidente” – recorda o atacante, que fez 58 gols em 125 jogos no Porto.

ABOUBAKAR repetiu Zidane depois de quatro Copas. Desde Itália x França, final de 2006, um jogador não marcava um gol e era expulso no mesmo jogo, como aconteceu com Zidane, ao dar uma cabeçada no peito do zagueiro Marco Materazzi, e com Aboubakar, ao tirar a camisa após marcar o gol da vitória no Brasil.

APÓS CAMARÕES 1 x 0 BRASIL, Aboubakar teve outra boa notícia, a de provável parceiro de Cristiano Ronaldo, que está acertando com o Al Nassr. No distrato com o Manchester United, o ciclo europeu do artilheiro português parece ter acabado, mas o saldo bancário, não. Ele vai ganhar 200 milhões de euros (R$1 bilhão), por ano, até junho de 2025. 

Fotos: R7 , JC On line e Divulgação