O jogo de amanhã, terça (13), em Lima, será o décimo segundo Peru x Brasil das eliminatórias, nenhum mais marcante que o da  tarde do domingo, 21 de abril de 1957, diante de 120 mil pagantes no Maracanã. O Brasil venceu (1 x 0) com o gol de falta, que Didi batizou de folha-seca, aos 38 do segundo tempo, sem que o goleiro Rafael Asca esboçasse defesa, limitando-se a olhar a bola passar sobre a barreira, descaindo em seu canto esquerdo. O gol que levaria a seleção ao primeiro título mundial em 1958.

BOM LEMBRAR – Uma semana antes, no Estádio Nacional de Lima, 42 mil torcedores viram o 1 x 1 do histórico primeiro Peru x Brasil das eliminatórias. O meia Alberto Terry fez 1 x 0 aos 8 e o centroavante Indio empatou aos 48 do primeiro tempo. A seleção foi a mesma nos dois jogos, no 4-2-4 da época: Gilmar (Corinthians), Djalma Santos (Portuguesa), Bellini (Vasco), Zózimo (Bangu) e Nilton Santos (Botafogo); Roberto (Corinthians) e Didi (Botafogo); Joel, Evaristo, Indio (Flamengo) eGarrincha (Botafogo).

BEM ESTRANHO – Principalmente para os mais novos, Garrincha na ponta-esquerda é bem estranho, de vez que ele se tornou consagrado como o maior ponta-direita da história. No entanto, Joel – 404 jogos, 244 vitórias, 115 gols – era o melhor do futebol carioca, que o Flamengo vendeu ao Valencia, após o primeiro tricampeonato no Maracanã (53-54-55). Joel, Rubens, Indio, Evaristo e Zagalo, época de cinco atacantes, 228 gols em 84 jogos no tri, quando foi criada a expressão Rolo compressor.

OSWALDO BRANDÃO (1916-1989), gaúcho de Taquara, era o técnico, que depois lançaria Zico, Falcão e Roberto Dinamite. Um dos treinadores notáveis da história, Brandão foi recordista de jogos no Palmeiras (585) e no Corinthians (441), pondo fim em 77 ao jejum de 22 anos sem o título paulista. Na época em que o calendário não era tão intenso, ele dirigiu a seleção em 40 jogos – 27 vitórias, 7 empates, 6 derrotas -, entre 17/11/55 e 20/2/77, demitido após 0 x 0 com a Colômbia, no estádio El Campin, em Bogotá. Na época, empatar com a Colômbia, era inaceitável. Mesmo na Colômbia.

OITO SEM GOL – Nos 11 jogos de eliminatórias com o Peru, o Brasil ganhou8 sem sofrer gol: 21/4/57, Maracanã – 1 x 0. 10/7/77, Cali, Colômbia – 1 x 0. 4/6/2000, Lima – 1 x 0. 25/4/2001, Morumbi.27/3/2005, Goiânia – 1 x 0. 1/4/2009, Porto Alegre – 3 x 0.  17/11/2015, Salvador – 3 x 0. 15/11/2016, Lima – 2 x 0. Todos os outros jogos terminaram 1 x 1.

O RECORDE – O último Peru x Brasil de eliminatórias foi em 16 de novembro de 2016, em Lima, com 2 x 0, gols no segundo tempo: Gabriel Jesus aos 12 e Renato Augusto aos 36. Alisson, Daniel Alves, Marquinhos, Miranda e Filipe Luis; Fernandinho, Paulinho, Renato Augusto e Philippe Coutinho (Douglas Costa); Neymar e Gabriel Jesus. O técnico Tite igualou o recorde de João Saldanha, técnico das eliminatórias de 1969, quando classificou a seleção com 6 vitórias em 6 jogos para a Copa de 1970.

DOIS EM COPA –Brasil e Peru só se enfrentaram duas vezes em Copas do Mundo: 14/6/70, no estádio Jalisco, em Guadalajara, Brasil 4 x 2, gols de Tostão (2), Rivelino e Jairzinho. Félix (Fluminense), Carlos Alberto (Santos), Brito (Flamengo), Piazza (Cruzeiro) e Everaldo (Grêmio) depois Marco Antonio (Fluminense); Clodoaldo (Santos),  Gerson (São Paulo) depois Paulo Cesar (Botafogo) e Rivelino (Corinthians); Jairzinho (Botafogo), Tostão (Cruzeiro) e Pelé (Santos). Técnico – Zagalo. Bom lembrar: o bicampeão mundial Didi era o técnico do Peru.

OITO ANOS depois, Brasil 3 x 0 Peru, no dia 14 de junho, na Copa do Mundo de 1978, no estádio da cidade de Mendoza. Dois gols de Dirceu e um gol de Zico, de pênalti. Leão (Palmeiras), Toninho (Flamengo), Oscar (São Paulo), Amaral (Corinthians) e Rodrigues Neto (Botafogo); Batista (Internacional), Cerezo (Atlético Mineiro) depois Chicão (São Paulo) e Dirceu (Vasco); Gil (Botafogo) depois Zico (Flamengo), Roberto Dinamite (Vasco), Jorge Mendonça (Palmeiras) e Técnico – Claudio Coutinho

RESUMO – Entre jogos oficiais e amistosos, desde 23 de dezembro de 1937, em Buenos Aires, no Campeonato Sul-Americano – hoje Copa América -, quando o Brasil venceu o primeiro jogo (3 x 2) -, 45 jogos, 32 vitórias e 98 gols do Brasil, 4 vitórias e 30 gols do Peru, e 9 empates.

Foto: Torcedores