A SELEÇÃO BRASILEIRA é a única das três já classificadas para as oitavas de final da Copa do Mundo de 2022, sem sofrer gol em dois jogos, ao vencer a Suíça por 1 x 0, gol do volante Casemiro, aos 38 do 2º tempo da noite desta 2ª feira (28), no estádio 974 do Catar, assim chamado pelo número de contêineres usados na construção. Foi a segunda vitória com gols marcados no 2º tempo.

A VITÓRIA SOBRE A SUÍÇA foi a 59ª em 78 jogos desde 2016 sob o comando de Tite, que se vencer Camarões, 6ª feira (2), será o primeiro técnico a terminar a fase de grupos com 100% de aproveitamento. O Brasil completou 17 jogos sem derrota – 14 vitórias, 3 empates -, batendo o recorde de 16 jogos da Alemanha, de 1990 a 2010, quando perdeu para a Sérvia (1 x 0).

O BRASIL GANHOU o primeiro jogo com a Suíça em Copa do Mundo, depois de 2 x 2 na Copa de 50 e 1 x 1 na Copa de 2018. Desde a estreia, em 14 de setembro de 2011, em Rosário, no 0 x 0 do Superclássico das Américas com a Argentina, Casemiro fez 336 jogos pela seleção e marcou 31 gols, o primeiro em sua segunda Copa do Mundo: “Uma emoção diferente por ter sido o único da nossa vitória”.

ÚNICO DO MEIO-CAMPO do início ao fim, Casemiro disse que “as dificuldades já eram esperadas porque a Suíça joga com cautela e só gosta dos contra-ataques”. Ele disse que “o Tite pediu que jogássemos com paciência porque não seria nada fácil furar o bloqueio”. Casemiro fez o gol aos 38 do 2º tempo, de pé direito e o goleiro Yan Sommer, que joga no alemão Borussia Monchengladbach, só olhou.

SEM NEYMAR, em tratamento intensivo da torção do tornozelo, a seleção rendeu bem abaixo da estreia, e entre os que menos produziram, Paquetá, substituído por Rodrygo no intervalo, e Fred, que saiu aos 13 do 2º tempo para a entrada de Bruno Guimarães. Raphinha e Richarlison, bem apagados, ficariam além do que mereciam, substituídos aos 28 minutos por Antony e Gabriel Jesus, que pouco acrescentaram.

THIAGO SILVA, zagueiro com mais gols (7) da seleção, completará o 11º jogo como capitão, 6ª feira (2) com Camarões, igualando-se a Dunga, campeão em 94, e Cafu, campeão em 2002, último a erguer a taça. Foi o 111º jogo de Thiago Silva pela seleção e ele disse que “o Brasil saberá dosar as energias para chegar à final porque o intervalo entre os jogos, a partir das oitavas, vai diminuir”.

A SELEÇÃO DA 2ª VITÓRIA, sem sofrer gol: Alisson, Militão, Marquinhos, Thiago Silva (c) e Alex Sandro (Alex Telles); Casemiro, Fred (Bruno Guimarães) e Paquetá (Rodrygo); Raphinha (Antony), Richarlison (Gabriel Jesus) e Vinicius Jr. O Brasil só precisa do empate para ser 1º do Grupo G, com a projeção de jogue com Portugal no mata-mata das oitavas de final.

 BRASIL 1 x 0 SUÍÇA registrou 46.649 espectadores no estádio 974 e foi bem apitado pelo salvadorenho Ivan Barton, que marcou 27 faltas (10 do Brasil) e advertiu com cartão amarelo o lateral suíço Riedel, aos 5 do 2º tempo, e dois minutos depois, o meia Fred. O Brasil cometeu 10 das 27 faltas. O gol de Vinicius Jr, aos 18 do 2º tempo, foi bem anulado por impedimento de Richarlison no início da jogada.

  • TITE BEIJOU o filho Matheus Bacchi após o gol e abraçou a todos da comissão técnica. O técnico disse que “a saída de Paquetá foi por opção tática e a entrada de Rodrygo para ajudar a furar o bloqueio, tanto que a assistência do gol foi dele”. Tite fez questão de ressaltar: “A Suíça teve a defesa menos vazada das eliminatórias da Europa”. O lateral Alex Sandro sentiu um desconforto e pediu para sair.
  • DOS 26 CONVOCADOS, Tite utilizou 19 nos dois primeiros jogos. Os goleiros Ederson e Weverton terão menos chance com a titularidade absoluta de Alisson, mas o lateral Daniel Alves, o zagueiro Bremmer, o meia Everton Ribeiro e o atacante Pedro poderão ter chance. Com a seleção classificada, o técnico não quis antecipar se poupará algum titular do jogo com Camarões.
  • LADO A LADO na tribuna do estádio 974, o meia Kaká sorri, Cafu fez sinal de positivo, Roberto Carlos sorriu e Ronaldo Fenômeno aplaudiu o gol de Casemiro. Titulares do último título, em 2002, eles foram da seleção campeã do mundo com mais vitórias (sete), superando as seis da Copa de 70, ainda com 16 seleções. 
  • REPETINDO o final dos 2 x 0 na Sérvia, na estreia, os jogadores da seleção se aproximaram dos torcedores, atrás do gol que Alisson defendeu no 2º tempo, para comemorarem o 1 x 0 na Suíça. Entre os mais descontraídos, e que gostam de levar o samba no pé, Rodrygo, que, embora paulistano. um dia pretende participar do desfile do Carnaval carioca.
  • L’EQUIPE, um dos jornais esportivos mais lidos da Europa, elogiou a vitória, mas fez referência ao magro 1 x 0 na Suíça com bom humor francês: “Existe vida sem Neymar, mas é menos bonita”. O inglês The Guardian seguiu na mesma batida: “O gol de Casemiro foi bonito, mas o futebol do Brasil fica mais feio sem Neymar”. O espanhol Mundo Deportivo ressaltou: “O futebol do Brasil é o melhor da Copa”.
  • NA ARGENTINA, o diário Olé escreveu: “Por uma genialidade de Casemiro, o Brasil venceu a Suíça e está nas oitavas”. Clarin, o mais antigo jornal argentino, resumiu: “O Brasil tem bons atacantes, mas quem decidiu foi um volante”. 
  • A SEGUNDA VAGA do Grupo G do Brasil nas oitavas de final será decidida 6ª feira (2). A Suíça, com 3 pontos, é a favorita do jogo com a Sérvia, que só tem 1 ponto, igual a Camarões, que precisa vencer o Brasil, único com a classificação garantida.

Nesta 2ª (28), Camarões reagiu e marcou três gols em um jogo de Copa do Mundo, pela primeira vez, empatando (3 x 3) com a Sérvia.

Foto: CARL RECINE/REUTERS, Fabrice COFFRINI / AFP, Divulgação