Escolha uma Página

A SELEÇÃO BRASILEIRA pode cair duas posições e encerrar o turno das eliminatórias fora da vaga para a Copa do Mundo de 2026, se não vencer a Argentina, na noite de hoje (21), no Maracanã. Quinto, com 7 pontos, o Brasil pode ser ultrapassado pelo Equador, 6º com 5 pontos, se vencer em casa o Chile, 8º com 5 pontos, e pelo Paraguai, 7º com 5 pontos, se ganhar em casa da Colômbia, 3º com 9 pontos.

É O PIOR INÍCIO DO BRASIL nas eliminatórias, em que pela primeira vez perdeu dois jogos consecutivos e só conseguiu 1 ponto dos 6 últimos pontos disputados. Será o 109º Brasil x Argentina das eliminatórias, com 43 vitórias do Brasil, 39 da Argentina e 26 empates, e o 5º das eliminatórias no Brasil, onde a Argentina ainda não venceu: 1 empate, 3 derrotas. O último Argentina x Brasil, das eliminatórias, foi em 16 de novembro de 2021, em San Juan: 0 x 0.

O ÚLTIMO BRASIL x ARGENTINA, no Maracanã, foi na decisão da Copa América, na noite do sábado, 10 de julho de 2021, com a lotação limitada de 7.800 torcedores, devido à pandemia do novo coronavírus. Di Maria fez o gol aos 22 minutos do 1º tempo, encobrindo o goleiro Ederson com um toque de alta classe e categoria. O único titular daquela noite foi o zagueiro Marquinhos, que na noite de hoje (21) será o capitão, tal como no jogo anterior com o Uruguai.

SEM VINICIUS JR, que voltou para Madrid, onde continua o tratamento para se recuperar do estiramento muscular na coxa, o técnico Fernando Diniz vai aproveitar o entrosamento de Gabriel Jesus com Gabriel Martinelli, ambos do Arsenal de Londres. A outra mudança é a troca do lateral-esquerdo Renan Lodi, mal no jogo com o Uruguai, por Carlos Augusto, da Inter de Milão. O Brasil tem 7 pontos, 2 vitórias, 2 derrotas, 1 empate, saldo de 2 gols (8 a 6).

A SELEÇÃO FOI ANUNCIADA com Alisson, Emerson Royal, Marquinhos (c), Gabriel Magalhães e Carlos Augusto; André, Bruno Guimarães e Rodrygo; Raphinha, Gabriel Jesus e Gabriel Martinelli. Antes da volta às eliminatórias, em setembro, a seleção fará dois amistosos em março, na Europa, com a Inglaterra, no Estádio de Wembley, nos arredores de Londres, e com a Espanha, no Estádio Santiago Bernabeu, do Real Madrid.

O TÉCNICO FERNANDO DINIZ disse sobre as duas derrotas consecutivas: “Contra o Uruguai marcamos bem e criamos pouco, e contra a Colômbia, ao mesmo tempo, criamos e cedemos muitas situações. O que estamos buscando é que a seleção saiba se defender e atacar no mesmo nível. O jogo com a Argentina, entre as melhores do mundo, será ainda mais complicado, mesmo em casa e com o apoio da torcida”.

DINIZ DISSE TAMBÉM: “Estou feliz, muito feliz por participar de um jogo dessa envergadura, desse tamanho. A Argentina é campeã da Copa América, campeã do mundo, tem jogadores em todos os principais campeonatos europeus, e com relação ao Messi, temos que nos preocupar, sim. É um jogador com enorme poder de decisão, mas não só precisamos evitar que crie, e ao mesmo tempo, precisamos jogar e manter nossas caracteristicas”.

O TÉCNICO LIONEL SCALONI disse que “a derrota do Brasil para a Colômbia foi enganosa porque o Brasil dominou 80% do jogo”. Sem mistério com relação à formação, o ex-lateral-direito de 45 anos, confirmou Emiliano “Dibu” Martinez, Molina, Cristian Romero, Otamendi e Tagliafico; De Paul, Enzo Fernandez, Mac Allister e Paredes; Messi (c) e Julian Alvarez. Brasil x Argentina será apitado pelo chileno Piero Maza, de 39 anos, árbitro Fifa desde 2018.

Foto: Terra