Depois do bi do São Paulo, em 92-93, o Brasil ganhou a Libertadores, por dois anos consecutivos, com técnicos portugueses no Flamengo em 2019 e no Palmeiras em 2020, sem que Jorge Jesus e Abel Ferreira tenham conseguido repetir o brilho do mineiro Telê Santana. Campeão da Libertadores 92, vencendo o Newell’s Old Boys, e da Libertadores 93, ganhando da Universidad Católica do Chile, mestre Telê foi também bicampeão mundial de clubes, nos 2 x 1 de virada no Barcelona e nos 3 x 2 no Milan.

SETE DAS 21 – Ausente da primeira Copa, em 1930, como a maioria dos europeus, que achavam o Uruguai muito longe, Portugal só participou de sete das 21 Copas do Mundo, sem conseguir vaga nas eliminatórias das seis primeiras que disputou, entre 1934 e 1962. O maior feito de que a seleção portuguesa se orgulhava, era o de ter eliminado a Itália, então bicampeã (34-38) da Copa de 1958, embora perdendo o jogo de volta pelo mesmo placar (3 x 0) que havia imposto aos italianos no jogo de ida.

COPA DE 66 – De 1954 a 1966 no Benfica, Belenenses, Porto e Sporting, o carioca Oto Glória, então aos 49 anos, assumiu a seleção, que venceu Turquia, Tchecoslovaquia e Romênia nas eliminatórias, e fez seis jogos na Copa do Mundo de 1966, só perdendo (2 x 1) para a Inglaterra na semifinal, após 3 x 1 na Hungria e no Brasil, 3 x 0 na Bulgária e 5 x 3 na Coreia do Norte, que fez 3 x 0 em 24 minutos, cedeu o empate, sob pressão, ainda no primeiro tempo, e levou a virada aos 35 do segundo.

HISTÓRICA – Portugal fez história na Copa do Mundo de 1966, com o terceiro lugar como sua melhor colocação, ao participar pela primeira vez. Saiu sob aplausos do Goodison Park, em Liverpool, após quatro vitórias, incluídos os 3 x 1 sobre o Brasil, então bicampeão, e foi ainda mais aplaudida, em Londres, ao vencer (2 x 1) a União Soviética (hoje Rússia), que tinha em Lev Yashin, o Aranha Negra, melhor goleiro do mundo de todos os tempo, que só jogava de uniforme preto.

ARTILHEIRO – Além de ter sido a melhor colocação em suas sete Copas, Portugal teve, pela única vez, o artilheiro de uma Copa, o notável Eusébio – tratado como Pelé da Europa -, com oito gols, quatro na virada de 5 x 3 sobre a Coreia do Norte, quando se tornou o quinto das Copas a fazer quatro gols em um jogo, tal como Ademir, primeiro artilheiro do Maracanã, na Copa de 50. Não à toa, Eusébio tem estátua, em tamanho natural, à frente do estádio da Luz, como maior jogador e ídolo do Benfica.

BOM LEMBRAR – Para que os mais antigos recordem e os mais novos saibam, a melhor seleção portuguesa da história, terceira colocada na Copa de 66, dirigida pelo carioca Oto Gloria, era formada, no 4-2-4 da época, por José Pereira, João Morais, Batista, Vicente e Hilário; Jaime Graça e Mario Coluna (cap); José Augusto, Eusébio, Torres e Simões. Em 28 de dezembro de 1965, então aos 22 anos, Eusébio foi o primeiro português a receber, em noite de gala em Paris, a Bola de Ouro da revista France Football.

40 ANOS DEPOIS – A segunda melhor colocação de Portugal em Copa do Mundo foi 40 anos depois, o quarto lugar em 2006, ao perder (3 x 1) para a Alemanha. O técnico era o gaúcho Luis Felipe Scolari, então aos 58 anos, e a seleção contava com valores do nível do goleiro Ricardo, que defendeu três pênaltis no jogo com a Inglaterra, Cristiano Ronaldo, Deco, Pauleta e Luis Figo, que se despediu da seleção. Portugal venceu Angola, Irã, México e Holanda.

BOM DIZER – Scolari tornou-se o primeiro técnico a ganhar 11 jogos consecutivos na história das Copas do Mundo. Em 2002, quando dirigiu o Brasil, campeão do mundo pela última vez, foram sete vitórias, e em 2006, quatro. Dos 74 jogos com a seleção portuguesa, entre 2003 e 2008, Scolari ganhou 42. Portugal não foi às Copas de 70, 74, 78, 82 e foi eliminado por Marrocos em 86. Portugal também não conseguiu classificação para as Copas de 90, 94 e 98, mas participou em 2014 e 2018.

PORTUGAL disputará as eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022 com a Sérvia, Irlanda, Luxemburgo e Azerbaijão, primeiro adversário, com quem jogará no estádio da Juventus, em Turim, devido às restrições sanitárias impostas pela Organização Mundial da Saúde. Fernando Santos, lisboeta de 66 anos, engenheiro, é técnico da seleção desde setembro de 2014 e dos 65 jogos venceu 39, ganhando o Campeonato Europeu de 2016 e a Taça das Nações 2018-19. Será que Portugal se classifica para a primeira Copa do Mundo no Oriente Médio?

Foto: UOL / Palmeiras / Twitter