O Brasil superou os 4 x 0 do Uruguai no Equador e se classificou para as quartas de final com a maior goleada (5 x 0) da Copa América 2019 sobre o Peru, na tarde deste sábado (22), na Arena Corinthians, em Itaquera, bairro da zona leste de São Paulo. A seleção já saiu para o intervalo com 3 x 0, registrado pela segunda vez em catorze jogos, o mesmo placar do intervalo da goleada do Uruguai sobre o Equador. O Brasil tem o ataque mais positivo (8) e a única defesa que ainda não foi vazada.

MUITO FÁCIL – Pressionada pela estreia ruim, em que venceu (3 x 0) a Bolívia, sem convencer, e pelo 0 x 0 com a Venezuela, em que saiu vaiada em Salvador, a seleção brasileira entrou com vontade de reabilitação ampla, impondo-se desde o início e sem dar espaço ao Peru, que se viu obrigado a jogar na defesa. E em 20 minutos, dos 12 aos 32, a seleção chegou muito fácil aos 3 x 0, com os gols Casemiro, Firmino e Everton, o mais bonito, ao sair da esquerda para a entrada da área e finalizar rasteiro no canto direito.

A TABELINHA – Com o placar praticamente definido, o Brasil voltou do intervalo bem seguro, dominou as ações no meio do campo, não deu espaço ao Peru para os avanços e completou a goleada. A troca de passes do capitão Daniel Alves e do apoiador Arthur, com o toque de Casemiro para Daniel Alves entrar na área e fazer o quarto gol com chute no alto, com certeza foi a mais bem tramada pela seleção, que chegou ao quinto gol aos 45, com o chute de efeito de Willian da entrada da área.

ANSIEDADE – Era muito visível a ansiedade de Gabriel Jesus para fazer seu gol, tanto que, ao sofrer o pênalti do goleiro Gallese, a bola lhe foi entregue para a cobrança. O atacante bateu mal no canto direito e o goleiro peruano não chegou a ter tanta dificuldade para defender. Gabriel Jesus despencou e a preocupação dos companheiros de reanimá-lo foi muito grande, com abraços e afagos assim que o árbitro apitou o fim do jogo. Nem chegou a haver tanta comemoração.

PRIMEIRO 5 x 0 – No retrospecto geral de jogos das duas seleções, foi o jogo 44, com 31 vitórias do Brasil, 4 vitórias do Peru e 9 empates. O Brasil marcou 95 gols e sofreu 29, desde o primeiro confronto, em 27 de dezembro de 1937. Começava então a série de 17 jogos pela Copa América, com vitória (3 x 2) do Brasil, que aplicou duas goleadas no Peru: 7 x 1 em 1949 e 7 x 0 em 1997. O placar de 5 x 0 foi registrado, pela primeira vez, neste sábado (22/6/2019), na Arena Corinthians. Nos 17 jogos da Copa América, o Peru só venceu o Brasil em 1953 (1 x 0), em 1975 (3 x 1) e em 2016 (1 x 0), quando eliminou o Brasil da Copa América Centenário dos Estados Unidos. Os únicos empates (0 x 0) foram em 1989 e 1993.

BRASIL – Alisson, Daniel Alves, Marquinhos, Tiago Silva e Filipe Luis (Alex Sandro, 12 do segundo tempo); Casemiro (Allan, 24 do segundo tempo), Arthur e Philippe Coutinho (Willian, 31 do segundo tempo); Gabriel Jesus, Firmino e Everton. O técnico Tite mostrou-se visivelmente aliviado, principalmente pela boa exibição, que o deixou tão alegre quanto os 5 x 0. Ele deve promover a volta de Fernandinho, substituto de Casemiro, suspenso pelo segundo cartão amarelo.

PERU – Gallese, Advíncula, Araujo, Abram e Trauco; Tapia, Yotun e Cueva (Ballon, 22 do segundo tempo); Polo, Farfan e Guerrero (Christopher Gonzalez, 9 do segundo tempo). O técnico argentino Ricardo Gareca reconheceu a superioridade do Brasil. Na atuação ruim do Peru, não há como deixar de dizer que Guerrero e Trauco foram decepcionantes. O goleiro Gallese falhou feio no lance do gol de Firmino. O futebol peruano parou no tempo.

QUATRO CARTÕES – O árbitro Fernando Andrés Rapallini, argentino de 41 anos, teve atuação boa, inclusive do ponto de vista disciplinar. Aplicou bem o primeiro amarelo em Casemiro, aos 9, por falta grosseira em Farfan, e em Yotun, aos 16, por falta dura em Arthur. No segundo tempo, o zagueiro Tiago Silva acertou a cara de Yotun com o braço aos 32 e levou o amarelo. O lateral peruano Advíncula, aos 35, foi desleal na entrada em Everton e poderia até mesmo ter sido expulso.

BRASIL 5 x 0 PERU teve renda de R$10.009.095,00, com 42.317 pagantes, na Arena Corinthians. O presidente da Fifa  Gianni Infantino, suíço-italiano de 49 anos, e o presidente da Confederação Sul Americana de Futebol Alejandro Dominguez, paraguaio de 47 anos, assistiram lado a lado. Com eles, Rogerio Langanke Cabloco, paulistano de 46 anos, presidente da CBF. 

ADVERSÁRIO DO BRASIL -O próximo jogo da seleção brasileira será quinta (27), na Arena Grêmio, com o segundo colocado do Grupo B, que só será conhecido neste domingo (23), após Colômbia x Paraguai, na Arena Fonte Nova, em Salvador, e Qatar x Argentina, na Arena Grêmio. 

Foto: Gaúcha ZH