Escolha uma Página

Doze anos depois de terem decidido a Copa América de 2007, que o Brasil ganhou (3 x 0) em Maracaibo, na Venezuela, com os gols de Julio Baptista, Roberto Ayala (contra) e Daniel Alves, Brasil e Argentina farão terça (2 de julho) uma semifinal inédita do maior torneio de seleções da América do Sul, no Mineirão. É a terceira semifinal consecutiva da Argentina, após perder em 2015 e 2016 para o Chile, depois de ganhar (2 x 0) da Venezuela, na bela tarde desta última sexta (28) de junho no Maracanã. R$9.198.480,00. 42.485 pagantes.

LETRA DO ARTILHEIRO – A Argentina fez um gol em cada tempo e o primeiro logo aos nove minutos do atacante Lautaro Martinez, desviando de letra o chute de fora da área de Aguero. Foi o sexto gol em dez jogos, tornando Lautaro Javier Martinez, de 21 anos, o artilheiro da seleção desde que o técnico Lionel Scaloni, de 41 anos, assumiu após a eliminação para a França na Copa do Mundo de 2018. Lautaro Martinez começou no Racing de Buenos Aires, em 2015, e joga desde 2018 na Internazionale de Milão.

EM SEIS MINUTOS – O segundo gol, aos 29 do segundo tempo, foi do meia Lo Celso, de 23 anos, completando de canhota, sozinho na pequena área, a falha do goleiro Fariñez, que rebateu chute fraco de Aguero. Foi o segundo gol que marcou em 15 jogos pela seleção, seis minutos após substituir Acuña. Giovani Lo Celso saiu do Rosário Central para o Paris Saint Germain, que o vendeu em abril de 2019 ao Betis, de Sevilha, após menos de um ano depois de ter sido emprestado.

ARGENTINA – Franco Armani, Foyth, Pezzella, Otamendi e Tagliafico; Paredes, De Paul e Acuña (Lo Celso, 23 do segundo tempo); Messi, Lautaro Martinez (Di Maria, 19 do segundo tempo) e Aguero (Dybala, 40 do segundo tempo). Décimo terceiro jogo do técnico Lionel Scaloni, com 13 escalações diferentes! Assim tem sido, bem antes dele assumir, nos últimos 41 jogos da seleção argentina. Pressionados, os técnicos se veem obrigados a mudanças, em busca de resultados que agradem os torcedores.

VENEZUELA – Fariñez, Hernandez, Chancellor, Mago (Soteldo, 10 do segundo tempo) e Rosales (Seijas, 40 do segundo tempo); Moreno, Herrera, Rincon e Murillo; Machis (Josef Martinez, 27 do segundo tempo) e Rondon. O técnico Rafael Dudamel, de 46 anos, comanda a seleção desde abril de 2016, depois de tê-la defendido como o maior goleiro da história da Venezuela, de 1993 a 2010, em 56 jogos e de ter marcado, de falta, o único gol. 

31 FALTAS, 5 CARTÕES – Wilmar Roldan, de 39 anos, da Federação Colombiana e desde 2008 na Fifa, teve arbitragem segura. Marcou 31 faltas, 16 da Venezuela, que cometeu 19 no primeiro tempo. Dos cinco cartões amarelos, aplicou quatro no primeiro tempo: Rincon, aos 11, por falta em De Paul; Lautaro Martinez, aos 15, por falta em Rosales; Acuña, aos 41, por falta em Murillo, e Rondon, aos 43, por falta em Paredes. Soteldo, aos 49, foi o único advertido com cartão no segundo tempo, por falta em Dybala. 

Foto: Lucas Uebel/Getty Images

ATÉ O HINO – Sobre Messi, tudo é pressão. Clarin, um dos principais jornais de Buenos Aires, destaca em sua ed:ição online: “Enfim, Messi cantou o Hino”. Alguns argentinos chegam a dizer que por viver em Barcelona desde os 14 anos (ele está com 32), Messi perdeu a identidade de origem. Sem perder a tranquilidade, o craque já ressaltou assim vezes: “Cantar ou não cantar, não vai me fazer ser mais ou ser menos argentino. Cada um tem sua reação. Eu não sei cantar nem gosto de cantar, mas desta vez senti vontade de cantar”.

ANTONELLA e os filhos Tiago e Mateo foram ao Maracanã, acompanhados do pai de Messi, que antes e depois do jogo fez aceno e mandou beijo. O craque do Barcelona, artilheiro do Campeonato Espanhol 2018-2019 e pela sexta vez Chuteira de Ouro da Europa, disse que “sabemos da importância e da dificuldade do jogo com o Brasil, uma seleção que merece respeito”. A Argentina tenta recuperar o título da Copa América, que ganhou pela última vez em 1993 na final com o México, no Equador.

A CAMPANHA – A Argentina não começou bem a Copa América 2019, perdendo (2 x 0) para a Colômbia e depois ficou no 1 x 1 com o Paraguai. Só conseguiu vencer (2 x 0) o Qatar e nesta sexta (28), no Maracanã, repetiu o placar sobre a Venezuela. Desde 1975, foi o sexto jogo que a Argentina ganhou da Venezuela, com 20 gols marcados e apenas 3 gols sofridos. Apesar da vitória desta sexta, Clarin não deixou de alfinetar Messi: “Cantou o Hino, mas ainda não estreou na Copa América”.

O BRASIL vai disputar a semifinal, depois de se manter invicto em cinco jogos: 3 x 0 na Bolívia, 0 x 0 com a Venezuela, 5 x 0 no Peru e 0 x 0 com o Paraguai, que eliminou (4 x 3) nos pênaltis. Do primeiro jogo, em 20/9/1014, Argentina 6 x 1, ao último, em 16/12/2018, Brasil 1 x 0, o equilíbrio é a tônica dos 105 jogos entre as duas seleções. O Brasil ganhou 41 e marcou 163 gols e a Argentina venceu 38 e marcou 160 gols, registrando-se 26 empates.

TRÊS GOLS TRÊS GOLS – Foram poucos os que conseguiram marcar três gols em um só jogo: Pelé, em 16/4/63, nos 5 x 2 da Copa Roca; Rivaldo, em 7/9/99, nos 4 x 2, em amistoso em Porto Alegre, e Ronaldo Fenômeno, em 2/6/2004, nos 3 x 1 pelas eliminatórias para a Copa do Mundo de 2006.Mendez, em 14/2/1945, nos 4 x1 do Sul-Americano Extra; Sanfilippo, em 22/12/59, nos 4 x 1 do Sul-Americano Extra, e Messi, em 9/6/2012, nos 4 x 3 do amistoso em Nova Jersey, nos Estados Unidos. 

SUPERCLÁSSICO DAS AMÉRICAS – A denominação dos jogos entre Brasil e Argentina passou a ser a de Superclássico das Américas, por jogada de marketing dos promotores, a partir de 2011, quando fizeram o primeiro confronto após a extinção da Copa Roca, criada em 1914, em homenagem ao general Julio Roca – 1843-1914 -, sétimo presidente da República Argentina – 1880 a 1886 -, torcedor do River e apaixonado por futebol.

CIDADE GAÚCHA – Julio Argentino Roca era considerado grande amigo do Brasil, tanto que a cidade gaúcha de Conventos Vermelhos teve o nome trocado para Roca Salles, após Julio Roca ter visitado o Brasil em 1899 e Campos Salles – 1841-1913 -quarto presidente do Brasil – 1898 – 1902 -, ter retribuído a visita à Argentina, em 1990. A cidade de Roca Sales fica a 143 km da capital Porto Alegre. Roca Salles é a cidade onde nasceu Leandro Pedro Vuaden, um dos bons árbitros do Brasileirão 2019.

Foto: goal.com