Roberto Tobar escalado para Brasil x Paraguai, amanhã (27), na abertura das quartas de final da Copa América, na Arena Grêmio, em Porto Alegre, tem retrospecto esportivo obscuro, que inclui álcool, apostas e corrupção. Há oito anos, foi suspenso por oito meses pela Federação Chilena de Futebol, por se envolver em escândalo, durante o campeonato de 2011. A decisão atingiu o diretor do Colegiado de Árbitros, Mario Sanchez, que foi demitido.

Roberto Tobar e mais quatro assistentes foram suspensos por oito meses, após diversas reuniões clandestinas em que jogavam cartas, ingeriam bebidas alcoólicas e indicavam, a dedo, os árbitros que deviam atuar no Campeonato Chileno. Os que não seguissem as orientações durante os jogos, eram punidos com viagens para o interior do país, onde os jogos eram sempre muito mais complicados, alguns até com ameaça à integridade fisica.

CHAMOU PARA BRIGAR – Uma das atuações desastrosas de Roberto Tobar, que vai apitar Brasil x Paraguai, foi a do empate (1 x 1) do The Strongest (o mais forte, em inglês) com o São Paulo, pela Copa Libertadores, em 21 de abril de 2016. O meia-atacante Pablo Escobar, do time boliviano, disse ter sido muito ofendido pelo árbitro, que no túnel de acesso, do campo ao vestiário, até o chamou para brigar fora do estádio. Nesse jogo, Tobar expulsou o atacante argentino JonathanCalleri, do São Paulo, só por ter reclamado de pontapés que levou.

BOCA x RIVER – Roberto Andrés Tobar Vargas, de 41 anos, ariano de 13 de abril de 1978, é engenheiro em gestão de Informática e árbitro Fifa desde 2011. Depois de vários jogos das Copas Libertadores e Sul-Americana, apitou em 2018 o que considera ter sido o  mais importante de sua carreira: Boca 2 x 2 River, primeiro jogo da decisão da Libertadores, no estádio de La Bombonera. Espera incluir no currículo a Copa do Mundo de 2022, de vez que até hoje só apitou jogos de eliminatórias.

OS ASSISTENTES de Roberto Tobar em Brasil x Paraguai, amanhã (27), às 21h30m, na Arena Grêmio, em Porto Alegre, também serão chilenos, Christian Schiemann e Claudio Rios, assim como o responsável pelo VAR, Julio Bascuñan, que apitou o jogo de estreia do Brasil, 3 x 0 na Bolívia, no Morumbi. Só o quarto árbitro não é do Chile, Roddy Zambrano, de 40 anos, da Federação Equatoriana e da Fifa desde 2012.

ARGENTINA x VENEZUELA – sexta (28), às 16 horas, no Maracanã, será apitado por Wilmar Roldan, de 39 anos, da Federação Colombiana. No mesmo dia, o argentino Néstor Pitana, de 44 anos, árbitro da final da Copa do Mundo de 2018 – França 4 x 2 Croácia -, apitará Colômbia x Chile, na Arena Corinthians.

URUGUAI x PERU -O último jogo das quartas de final da Copa América 2019, sábado (29), na Arena Fonte Nova, em Salvador, terá arbitragem de Wilton Pereira Sampaio, de 37 anos, natural de Teresina de Goiás (28/12/81), e da Fifa desde 2013.

BOM DIZER – A primeira semifinal, terça (2 de julho), às 21h30m, no Mineirão, será entre o vencedor de Brasil x Paraguai e Argentina x Venezuela. Quarta (3), a segunda semifinal, às 21h30m, na Arena Grêmio, entre o vencedor de Colômbia  x Chile e Uruguai x Peru. Sábado (6), a decisão do terceiro lugar, às 16 horas, na Arena Corinthians, e a final, domingo (7), às 17 horas, no Maracanã.

Foto: Geraldo Bubniak/AGB