O reconhecimento ao profissional é algo da mais alta importância no futebol europeu. O Campeonato Espanhol, um dos mais vistos do mundo, será encerrado no próximo fim de semana (18 e 19), com o FC Barcelona campeão com muita antecedência. Depois de nove temporadas, a despedida do zagueiro uruguaio Diego Godin, de 33 anos, deu o toque sentimental à penúltima rodada, em que o Atlético de Madrid empatou (1 x 1), em casa, com o Sevilha, e confirmou o vice-campeonato.

Um abraço afetuoso e demorado de dois ídolos da história do clube, levantou 68 mil torcedores no moderno e confortável Wanda Metropolitano, estádio do Atlético de Madrid, para aplaudir ao mesmo tempo Diego Godin e Luis Pereira, hoje aos 69 anos e gerente de futebol, que de 74 a 80 fez 143 jogos, marcou 14 gols e foi campeão espanhol na temporada 76-77. Cobri muitos jogos de Luis Pereira, no Palmeiras, no Flamengo e na seleção brasileira, em minha segunda Copa do Mundo, em 74.

OITO TÍTULOS – Diego Godin disputou 388 jogos e marcou 27 gols pelo Atlético de Madrid, onde chegou em 2010, após três anos no Villarreal – 166 jogos -, que o comprou do Nacional de Montevidéu. Ganhou oito títulos, incluídos dois vice da Liga dos Campeões da Europa, e muito mais que isso, o respeito por sua conduta profissional irrepreensível e por suas atuações sempre em evolução a cada jogo. Não à toa, chorou na última entrevista, e ao receber a placa do clube, entregue por Luis Pereira, zagueiro recordista de gols (35) pelo Palmeiras, que defendeu em 497 jogos, entre 68 e 74.

A HOMENAGEM a Diego Godin foi no último jogo que disputou no estádio do Atlético de Madrid, de vez que o time, na última rodada, vai jogar em Valencia com o Levante. Com certeza, o zagueiro uruguaio dará sequência na Internazionale de Milão ao nível de atuações que sempre cumpriu. Faltando o jogo final, Godin foi um dos destaques da campanha do Atlético de Madrid – 75 pontos em 22 vitórias, 9 empates, 8 derrotas, 53 gols pró, 27 gols contra -, sob o comando do argentino Diego Simeone.

LUIS PEREIRA, baiano de Juazeiro, três vezes campeão brasileiro com o Palmeiras, em uma das fases mais brilhantes da história do futebol do novo líder do Brasileirão 2019, segue um trabalho de gerenciamento no Atlético de Madrid. Em campo, foi um dos grandes e aprendeu não só jogando como com os (excelentes) técnicos que teve, entre eles Zagallo, na Copa de 74. Luis Edmundo Pereira, aos 69 anos, é um passado sempre presente no coração dos palmeirenses.