O ZAGUEIRO MARQUINHOS, da seleção brasileira, capitão e ídolo do PSG, foi o único a escapar da revolta dos torcedores, que só entraram no estádio aos 30 minutos do 1º tempo do jogo desta 6ª feira (11), em que o time venceu o Rennes por 1 x 0, e manteve a liderança do Campeonato Francês com 13 pontos de vantagem sobre o vice-líder Olympique Marselha. Os torcedores preferiram ficar protestando forte do lado de fora do Parque dos Príncipes.

“NOSSA PACIÊNCIA TEM LIMITE”, estava escrito em uma das faixas. “Cantamos com paixão para jogadores sem motivação. Parem de nos tratar como tolos e bobos”. O ex-lateral Leonardo, da seleção brasileira, que voltou ao clube contratado pelo bilionário Nasser Al-Khelaifi, e é um de seus principais assessores, também é um dos alvos dos torcedores: “Mercenários pagos em excesso. Chegou a hora do teu adeus, Leonardo”.

O PSG ESTREOU A CAMISA em homenagem ao mítico manto do Chicago Bulls, equipe que popularizou a NBA no mundo, nos anos 90, graças ao astro Michael Jordan, mas os torcedores estão ainda mais revoltados porque não tem o azul, cor tradicional do clube, substituído pelo amarelo. A camisa do PSG é azul de Paris e vermelho de Saint Germain, distrito dos arredores de Paris, onde foi fundado. O branco também é uma das cores da capital francesa.

O PROTESTO DOS TORCEDORES, da forma como foi feito, assustou a cúpula do clube, sobretudo pelo que escreveram em uma das faixas: “Dirigentes sem respeito, jogadores sem vontade e uma camisa sem nossas cores”. Em tom de ironia, estava escrito em outra faixa: “Essa é a única tríplice coroa do PSG”. Antes do próximo jogo pelo campeonato, o time fará 3ª feira (15), em seu estádio, o jogo de ida das oitavas de final da Liga dos Campeões com o Real Madrid.

É POSSÍVEL QUE O TÉCNICO Zinèdine Zidane, de 49 anos, seja o substituto do argentino Maurício Pochettino, da mesma idade, que deve sair em maio, quando termina a temporada 2021-22. Zidane é o único que ganhou três vezes consecutivas a Liga dos Campeões, dirigindo o Real Madrid em 2015-16-17 e 18, mas ele ainda não quis assumir compromisso porque pode substituir Didier Deschamps, seu companheiro campeão do mundo em 98, no comando da seleção francesa, após a Copa de 2022.

NO PSG DESDE JULHO DE 2013, comprado da Roma por 30 milhões de euros, o zagueiro Marquinhos entende que o momento pede equilíbrio e calma de todos os jogadores, diante da revolta dos torcedores, mesmo com o time na liderança do campeonato. Seis vezes campeão francês, da Copa e da Supercopa da França, o paulistano Marquinhos, de 27 anos, já formou dupla com David Luiz e Tiago Silva. Ele já disputou 315 jogos e marcou 27 gols pelo PSG.

Foto: Terra | But! Football Club