Com três gols do meia Lucas Moura, todos de pé esquerdo, o Tottenham ganhou de virada (3 x 2) do Ajax, que saiu para o intervalo com 2 x 0, na noite desta quarta (8), diante de 55 mil torcedores na Arena Cruyff, em Amsterdam. O Tottenham, do norte de Londres, vai disputar pela primeira vez a final da Liga dos Campeões, com o Liverpool, que tenta o sexto título, na segunda final entre ingleses, na história do maior torneio de clubes do mundo.

A primeira final da Champions entre ingleses, foi em 26 de maio de 2008, no estádio Luzhniki, em Moscou – palco da final da Copa do Mundo de 2018 -, e o Manchester United foi campeão vencendo o Chelsea, de Londres – 6 x 5 nos pênaltis, depois de 1 x 1 -, em jogo repleto de emoções, assistido por 67.310 pagantes. Tottenham x Liverpool, sábado, 1 de junho, no estádio Wanda Metropolitano – 68 mil lugares -, do Atlético de Madrid, será a sexta da história entre equipes do mesmo país.

MENOS DE UM MÊS – Lucas Moura já havia entrado para a história centenária do Tottenham, ao se tornar o primeiro a marcar três gols em um jogo, no novíssimo estádio do clube, na goleada (4 x 0) sobre o Huddersfield, em 17 de abril, pelo Campeonato Inglês 2018-19, no sábado, 17 de abril. É a segunda vez que ele leva a bola do jogo como recordação, prêmio concedido nos torneios da Europa ao jogador que faz três gols em um jogo.

35 JOGOS, 16 GOLS – Lucas Moura chegou ao Tottenham, comprado do Paris Saint Germain, em janeiro de 2018 e tem contrato até 2023. Na virada desta quarta (8) sobre o Ajax, ele completou 35 jogos e marcou seu décimo sexto gol com a camisa do Tottenham. Lucas joga na Europa desde 2013, quando foi vendido pelo São Paulo ao PSG por 43 milhões de euros – 110 milhões de reais -, após disputar 128 jogos e marcar 33 gols, entre 2010 e 2013, pelo tricolor paulista. Lucas Rodrigues Moura da Silva nasceu em 13/8/92 na capital paulista, formando-se na base do Juventus, Corinthians e São Paulo, onde se profissionalizou.

GRUPO DOS CINCO – Lucas Moura também conseguiu se tornar o quinto a entrar no grupo seleto de notáveis que marcaram três gols em um só jogo das semifinais da Liga dos Campeões. 1 – Alessandro Del Piero – Juventus – 290 gols em 705 jogos, de 1993 a 2012. 2 – Ivica Olic, croata – Bayern de Munique -, 23 gols em 80 jogos, de 2009 a 2012. 3 – Robert Lewandowski – Borussia Dortmund -, 74 gols em 131 jogos, de 2010 a 2014, quando se transferiu para o Bayern de Munique. 4 – Cristiano Ronaldo – Real Madrid –, 450 gols em 438 jogos, de 2009 a 2018, quando saiu para a Juventus. 

A GRANDE VIRADA – Ajax, campeão da Holanda, havia ganho (1 x 0, gol do meia Van de Beek) o jogo de ida, em Londres, só precisava do empate para ser finalista e fez 2 x 0 no primeiro tempo. O zagueiro e capitão De Ligt marcou de cabeça logo aos 5 minutos, no canto direito do goleiro Lloris, após escanteio do lateral Mazraoui. O segundo gol foi do meia marroquino Ziyech, aos 35, de canhota, no canto esquerdo, após excelente assistência de Van de Beek.

NA VOLTA DO INTERVALO, a entrada do atacante espanhol Fernando Llorente no lugar do meia Wanyama, prendeu mais os zagueiros do Ajax e o Tottenham passou a ter mais chances, tanto que Lucas Moura – o nome do jogo – marcou dois gols em quatro minutos, aos 10 e aos 14, e fez o da classificação aos 35. Todos os gols do meia brasileiro foram de pé esquerdo. O Ajax tentou atacar mais após os 2 x 2, mas parou nas defesas do capitão Hugo Lloris, francês, goleiro campeão do mundo em 2018. 

CINCO AMARELOS – Atuação excelente do alemão Felix Brych, de 43 anos, nascido em 3/8/75, em Munique, onde tem escritório de advocacia. Fifa desde 2007, apitou na Copa de 2014 no Brasil. Calmo e seguro, Brych só fez uma advertência com cartão amarelo no primeiro tempo, ao meia Sissoko, do Tottenham, por falta no lateral argentino Tagliafico. 
No segundo tempo, Dolberg, Ziyech e o goleiro Onana, por demorar a repor a bola em jogo, todos do Ajax, e o lateral Danny Rose, do Tottenham, por atirar a bola com as mãos no gramado, inconformado com a marcação de uma falta, foram advertidos.

TOTTENHAM – Hugo Lloris (cap), Trippier (Erik Lamela, 35 do segundo tempo), Vertoghen, Alderwireld e Danny Rose (Ben Davies, 37 do segundo tempo); Wanyama (Llorente, intervalo), Sissoko, Eriksen e Dele Ali; Son e Lucas Moura. 

AJAX – Onana, Mazraoui, De Ligt (cap), Blind e Tagliafico; De Jong, Schone (Joel Veltman, 14 do segundo tempo), Van de Beek e Ziyech (Magallán, 44 do segundo tempo); Dolberg (Sinkgraven, 21 do segundo tempo) e Dusan Tadic. 

TÉCNICO CHOROU – Maurício Pochettino, argentino de 47 anos, técnico do Tottenham desde 2014 e com contrato recém renovado até 2022, não resistiu à emoção: chorou muito e deitou com a cara no gramado. Ao se levantar, correu para abraçar a todos os jogadores e o primeiro foi o goleiro Hugo Lloris, a quem deu a braçadeira de capitão, após o título mundial de 2018. O abraço em Lucas – autor dos três gols – foi o mais demorado e, bem à moda argentina, beijou o meia brasileiro no rosto.

JORNAIS INGLESES – Com muitas fotos e altos elogios, os jornais ingleses ressaltam a atuação do Tottenham, resumindo que “a vontade de ser finalista, pela primeira vez em mais de 100 anos, foi fundamental para a grande virada”. The Guardian publica foto de Lucas Moura correndo para comemorar o terceiro gol: “Um hat-trick que vai ficar na história do Tottenham”. Por sua vez, o jornal The Sun, exalta: “Tottenham honrou o nome do futebol inglês pela segunda noite consecutiva e recoloca o melhor da Europa na final dos campeões”.

ESTÁTUA PARA LUCAS – O meia Christian Eriksen, dinamarquês de 27 anos, não fez por menos após o jogo: “Lucas merece uma estátua no novo estádio do Tottenham. Se não fosse ele, não estaríamos pela primeira vez numa final da Champions”. Eriksen foi jogador do Ajax, de 2010 a 2013, marcando 32 gols em 163 jogos. Ele joga no Tottenham desde 2013, com 65 gols em 272 jogos. É considerado pelos torcedores do norte de Londres, “o jogador mais inteligente do Tottenham”.

TÉCNICO ITALIANO – Massimiliano Allegri, técnico campeão italiano da Juventus, assistiu à virada do Tottenham, na Arena Cruyff, e destacou a determinação do time inglês: “A perfeição não existe no futebol, um jogo que muda a cada minuto. Mas o Tottenham deve ter chegado bem perto de uma atuação perfeita” – resumiu Allegri, de 47 anos, que pode sair da Juventus. Seu substituto seria outro italiano, Antonio Conte, sem clube desde que saiu do Chelsea em 2018.

Foto: El Pais