“É uma boa vantagem, mas não acabou ainda. Temos que manter a pegada” – resumiu o alagoano Roberto Firmino, autor do gol da vitória da noite de ontem (23) sobre o Wolverhampton, que manteve o Liverpool na liderança, 16 pontos à frente do Manchester City, e ainda com um jogo atrasado, a disputar na próxima quarta (29), com o West Ham. Firmino estava apagado,até decidir o jogo aos 39 minutos do segundo tempo, mais ou menos como na final do Mundial de clubes com o Flamengo,em que fez o gol do título.

ÚNICO INVICTO – O Liverpool é o único invicto da temporada 2019-20 da Premier League, com 22 vitórias e 1 empate – 54 gols marcados, 15 sofridos -, e completou 40 jogos sem perder, em mais de 1000 dias no Campeonato Inglês. O time dirigido desde 2015 pelo ex-zagueiro alemão Jurgen Klopp, de 52 anos, já saiu para o intervalo com 1 x 0, gol de cabeça do volante inglês Jordan Henderson, de 29 anos, 1,82m, aos oito minutos, após escanteio sob medida do lateral-direito Alexander-Arnold.

726 MINUTOS -O gol de empate, também de cabeça, foi do atacante mexicano Raul Jimenez, de 28 anos, 1,90m, o primeiro a fazer gol no Liverpool após 726 minutos. Comprado do Benfica em 2019, após quatro temporadas em Portugal, Raul Jimenez subiu na hora certa para pegar o goleiro Alisson no contrapé e fazer o gol do Wolverhampton, logo aos seis minutos, após cruzamento do meia hispano-malinês Adama

BRILHANTES – Antes que Roberto Firmino decidisse aos 39 minutos, os goleiros foram brilhantes. Rui Patrício, de 31 anos, 1,91m, titular da seleção de Portugal em 87 jogos desde 2010, fez três defesas daquelas consideradas impossíveis, em finalizações de Salah, Wijnaldum e Origi. Alisson Becker, gaúcho de 27 anos, 1,91m, titular da seleção em 44 jogos desde 2018, também brilhou em três defesas. 

DE CANHOTA – Nos minutos finais, voltou a brilhar a estrela de Roberto Firmino, que passou a maior parte do jogo apagado. O autor do primeiro gol, Jordan Henderson, deu a assistência para Firmino finalizar de canhota, no canto do goleiro, aos 39. Estava garantida a vigésima segunda vitória do único time inglês invicto na temporada, depois de ganhar a Liga dos Campeões da Europa e o Mundial de clubes vencendo (1 x 0) o Flamengo na decisão.

BOM SABER –  O português Rui Patrício usa a camisa 11; seu reserva, Ruddy, a 21, e o terceiro goleiro, Norris, a 31. Desde julho de 2018, quando o goleiroCarl Ikeme, de 32 anos, teve leucemia, o Wolverhampton decidiu que seus goleiros não usariam mais a camisa 1. Ele conseguiu se recuperar da doença, mas optou pela aposentadoria dois anos depois. Antes, ele obteve a cidadania nigeriana e fez 10 jogos pela seleção africana.

BELO TRABALHO – É muito elogiado no Reino Unido o trabalho do ex-goleiro Nuno Espírito Santo, de 45 anos, técnico português que assumiu em junho de 2017 e mantém o Wolverhampton entre os melhores da Premier League, sétimo com 34 pontos após a sexta derrota, só menos uma que o vice-lider Manchester City, em 24 jogos. Os torcedores gostam muito do estilo de jogo do time, que classificam como “corajoso e firme”.

14 CONSECUTIVAS – Das 22 vitórias, foi a décima quarta consecutiva do Liverpool: Alisson, Alexander-Arnold, Joe Gomez, Virgil van Dijk e Robertson; Henderson, Wijnaldum e Oxalade-Chamberlain (Fabinho, 25 do segundo tempo); Salah (Origi, 40 do segundo tempo), Roberto Firmino e Mané (Takumi Minamino, 33 do segundo tempo). O senegalês Mané sentiu desconforto muscular na perna, tentou voltar, mas acabou pedindo substituição.

SÓ UM CARTÃO – O árbitro Michael Oliver, de 34 anos, FIFA desde 2012, marcou 17 faltas, 11 do Liverpool, que teve também o único advertido, o lateral-esquerdo Robertson, por falta no mexicano Raul Jimenez, aos 37 do primeiro tempo. O Liverpool acertou mais 78 passes que o Wolverhampton (490 a 412). O Molineux Stadium, inaugurado em 2/9/1887, passoupor três reformas e recebeu sua capacidade máxima de 31.746 torcedores. Wolverhampton é a décima quarta maior cidade da Inglaterra, a 108 km de Liverpool e a 340 km da capital Londres.

Foto: Matthew Ashton – AMA/Getty Images